linkaki

Adversários de Bolsonaro endossam manifesto que pede sua renúncia



A oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro parece ter se aglutinado em torno de pautas comuns, diante do comportamento do presidente eleito em relação ao coronavírus. Representantes da oposição lançaram um manifesto nesta segunda-feira (30/03) no qual defendem a renúncia do Bolsonaro sob a acusação de tratar-se de um líder "irresponsável" e de "cometer crimes, fraudar informações, mentir e incentivar o caos" em meio à pandemia de coronavírus.

O documento é endossado, em consenso raro, pelos ex-presidenciáveis Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (Psol), adversários de Bolsonaro nas eleições de 2018. "Progressistas unidos pelo Brasil. Chega de insanidade", escreveu Haddad no Twitter sobre o manifesto.

O texto começa lembrando que o mundo enfrenta uma "emergência sem precedentes na história moderna", com consequências graves para a vida humana, a saúde pública e a atividade econômica, e afirma que, no Brasil, a emergência "é agravada por um presidente da República irresponsável".

Também assinam o documento a ex-deputada Manuela D'Ávila (PCdoB), vice de Haddad nas eleições de 2018, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) e os ex-governadores Roberto Requião (MDB-PR) e Tarso Genro (PT-RS).

O texto ainda é endossado por presidentes de diversos partidos da oposição, incluindo Gleisi Hoffmann (PT), Carlos Siqueira (PSB), Carlos Lupi (PDT), Edmilson Costa (PCB), Juliano Medeiros (Psol) e Luciana Santos (PCdoB).

O manifesto, divulgado primeiramente pelo jornal Folha de S. Paulo, também sugere ações a serem implantadas pelas forças políticas populares e democráticas no combate ao coronavírus.

Informe seu Email para receber notícias :