linkaki

Mourão na reserva de Onyx Lorenzoni? Vice ficou sem função na conclusão da estrutura do governo Bolsonaro



Com uma composição de 22 ministérios e quase uma dezena de secretarias, a equipe do presidente Jair Bolsonaro publicou nesta terça-feira uma medida provisória em que formaliza a estrutura do alto escalão do governo do presidente recém empossado.

Segundo o GLOBO, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, ficou sem nenhuma atribuição na composição do novo governo. A publicação lembra que Mourão não tinha qualquer plano de se tornar  um “vice decorativo”. Durante a campanha, Mourão havia garantido que faria parte importante da equipe de governo e que estaria dentro do Palácio do Planalto, em sala ao lado da do presidente da República, com participação efetiva no governo Bolsonaro.

— Eu me vejo como um assessor qualificado do presidente, um homem próximo ali, junto dele, dentro do Planalto, ali do lado dele, nossas salas serão juntas. Não seremos duas figuras distantes, como já aconteceu, um para o lado e o outro para o outro lado. Aquelas reuniões que ocorrem ali, eu estarei presente — disse Mourão em entrevista ao O GLOBO no mês de outubro.

— Posso atender à necessidade de coordenar trabalhos que sejam interministeriais. Ele pode me delegar essa tarefa. Por exemplo, em projetos de infraestrutura, de parceria público-privada, coisas que a gente tenha algum conhecimento.

Ocorre que a maioria das funções que Mourão pretendia comandar ficaram a cargo do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS). De acordo com a medida provisória publicada nesta terça-feira, Mourão não recebeu do presidente Jair Bolsonaro nenhuma atribuição no novo governo.

É sabido que a presença de Onyx Lorenzoni no alto escalão do governo Bolsonaro incomoda muita gente no entorno do presidente e até mesmo entre seus apoiadores. Lorenzoni assumiu publicamente que se beneficiou de caixa 2 da JBS, do empresário Joesley Batista. O ministro de Bolsonaro reconheceu que recebeu cerca de R$ 100 mil e declarou-se disposto a responder por seu erro. No entanto, em novembro do ano passado, delatores do grupo J&F entregaram à Procuradoria Geral da República uma planilha que, segundo os colaboradores, comprova que o deputado recebeu um segundo repasse de R$ 100 mil por meio de caixa 2, totalizando R$ 200 mil.

Esta semana, a imprensa divulgou que Onyx pediu o reembolso de mais de 70 bilhetes cuja origem ou destino são aeroportos do Rio e São Paulo, somando R$ 100 mil. Boa parte destes recursos públicos teriam sido usados para fazer campanha para Bolsonaro. Este tipo de notícia não contribui em nada para a imagem de um governo que se pretende dar exemplo de austeridade, honestidade e credibilidade perante a opinião pública.

Apesar das controvérsias e dos atritos entre grupos no entorno do presidente Jair Bolsonaro, interlocutores do governo afirmam que Onyx Lorenzoni tem se empenhado em montar uma estrutura de governo condizente com as diretrizes da nova gestão. Resta saber se conseguirá se manter no cargo por muito tempo. Como Mourão ficou praticamente sem nenhuma atribuição no novo governo, é possível especular que o vice poderia ser um 'reserva' de Onyx.

Com informações de O GLOBO

Informe seu Email para receber notícias :