linkaki

Lula pode ter roubado objetos do Palácio do Planalto, informa a Polícia Federal.


O ex-presidente Lula pode ter roubado itens do Palácio do Planalto. A suspeita levou a força tarefa da Polícia Federal em Curitiba a investigar se Lula retirou ilegalmente alguns objetos do Palácio do Planalto ao fim do mandato, e incluído entre seus bens que foram armazenado em um depósito em São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo.

Com base nestas suspeitas, a Polícia Federal expediu um mandado de busca extra para apreender todo o material recolhido, que está encaixotado e embalado no depósito, de acordo com as investigações. Lula pode ter se sentido encorajado a levar mais do que poderia ao eleger sua sucessora. Pode ter sido levado a supor que Dilma manteria o aparelhamento da máquina pública, garantiria a continuidade da conivência de servidores e manteria sob controle qualquer movimentação suspeita relativa ao acervo do Palácio do Planalto. Não fosse a Operação Aletheia, a 24ª fase da Operação Lava Jato, estes fatos jamais seriam esclarecidos.

Além das suspeitas sobre roubo, a Polícia Federal já comprovou que a OAS, a empreiteira do amigo de lula, Léo Pinheiro, o mesmo do apartamento triplex no Guarujá, pagou pelo armazenamento do material em uma empresa especializada de São Paulo. A Granero confirmou, por meio de nota, que o valor pago pelo aluguel para guardar os itens no depósito chegou a astronômicos de R$ 1,3 milhão e também confirmou que o pagamento foi feito pela OAS.

A Polícia Federal acredita que o valor seria referente a vantagens obtidas pela OAS em contratos com a Petrobras, sendo Lula o beneficiário direto do dinheiro roubado da estatal. Apenas neste caso, Lula é suspeito não apenas de ter roubado objetos do Palácio do Planalto, mas também por ter usado dinheiro roubado da Petrobras para guardar os objetos.

Os investigadores se surpreenderam com o fato da OAS pagar R$ 1.300,000,00 milhões apenas com o aluguel para guardar os itens que Lula retirou do Palácio do Planalto. Considerando que o valor de um aluguel no mercado imobiliário corresponde a percentuais que variam entre 0,5% a 1% do valor do imóvel, os "presentes" de Lula teriam que valer ao menos 100 milhões de reais para justificar o alto gasto com o aluguel do depósito. Com o avanço das investigações da Operação Lava Jato, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, providenciou, nos dias 18 e 19.01.16, a retirada dos objetos do depósito da Granero, que foram levados para um depósito da OAS, conforme informou em nota a GRANERO TRANSPORTES LTDA.



A suspeita de que itens que pertençam à União e tenham sido levados para o depósito representa apenas mais uma frente nas investigações iniciadas com a deflagração da 24ª fase da Operação Lava Jato. de acordo com as investigações. Após análise preliminares, os investigadores já descobriram que a Granero emitiu um orçamento em outubro de 2010, a pedido de Okamotto. O orçamento foi aprovado por Lula a apenas 4 dias do fim de seu mandato.

Entretanto, o contrato final foi celebrado entre a Granero e a OAS, onde não consta nenhuma referência aos objetos retirados do Palácio do Planalto, mas sim "armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativa de propriedade da Construtora OAS Ltda". Os investigadores deduziram que esta iniciativa teve o claro propósito de ocultar os produtos levados e o nome de Lula, o real objeto do contrato e seu titular.

O juiz Sérgio Moro, determinou que local fosse lacrado e que os itens não fossem apreendidos, mas catalogados e fotografados para posterior verificação de dano à União. O fato do local ter sido lacrado também é um uma forma de apreensão. De acordo com agentes que estiveram no local, há caixas com quadros, objetos de arte, móveis e outros itens não identificados.

Pessoas próximas ao ex-presidente garantem que esta questão é uma de suas maiores preocupação no momento, entre outras tantas, a que pode levá-lo a prisão mais rapidamente. Lula chegou a chorar quando falou sobre o assunto na sede do PT, após se levado por Policiais Federais.

“Você sabe o que é alguém sair da presidência com 11 contêineres de acervo sem ter onde pôr? Você sabe o que é sair com cadeira, com trono, com papel, com tudo o que você pode imaginar. Porque se somar todos os presidentes da história desse país, desde Floriano Peixoto, eu fui o que mais ganhei presente. Porque viajei mais, porque trabalhei mais, porque viajei o mundo, tenho até trono da África. O que eu faço com isso?”, tentou justificar o ex-presidente sobre a quantidade absurda de objetos e o valor exorbitante pago por uma empreiteira que participou do assalto à Petrobras.

Informe seu Email para receber notícias :