Mostrando postagens com marcador Saúde. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Saúde. Mostrar todas as postagens
linkaki

Lei obriga placas em hospitais de SP com os dizeres: “A entrega de filho para adoção, mesmo durante a gravidez, não é crime"



Acaba de entrar em vigor no Estado de São Paulo uma Lei que que obriga unidades de saúde públicas e privadas a exibirem placas com os dizeres: “A entrega de filho para adoção, mesmo durante a gravidez, não é crime. Caso você queira fazê-la, ou conheça alguém nesta situação, procure a vara da infância e da juventude. Além de legal, o procedimento é sigiloso”.

De autoria da deputada Rita Passos (PSD). o projeto não é para estimular a doação de crianças, mas para evitar abandonos inadequados “como bebês jogados no lixo”.


PROJETO DE LEI Nº 772, DE 2017
Dispõe sobre a afixação de placas informativas
nas unidades públicas e privadas de saúde,
sobre a adoção de nascituro.

A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:
Artigo 1º - Ficam as unidades públicas e privadas de saúde do Estado de São
Paulo obrigadas a afixar placas informativas, em locais de fácil visualização,
contendo os seguintes dizeres: “A ENTREGA DE FILHO PARA ADOÇÃO,
MESMO DURANTE A GRAVIDEZ, NÃO É CRIME. CASO VOCÊ QUEIRA
FAZÊ-LA, OU CONHEÇA ALGUÉM NESTA SITUAÇÃO, PROCURE A VARA
DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE. ALÉM DE LEGAL, O PROCEDIMENTO É
SIGILOSO.”

Parágrafo único - As placas informativas previstas no caput devem conter,
ainda, endereço e telefone atualizados da Vara da Infância e da Juventude da
Comarca ou Foro Regional.
Artigo 2º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICATIVA

O abandono infantil é um grande problema da sociedade atual, mesmo
não sendo um fenômeno recente. Entre as principais causas do abandono
estão a pobreza, a gravidez na adolescência, a dependência química e a falta
de planejamento familiar.

Crianças indefesas e que necessitam de cuidados e amparo são
privadas da convivência familiar e quando não, são privadas do afeto, das
condições básicas para sua existência, podendo vir a desenvolver vários
problemas psicológicos.

O que se observa são milhares de crianças de rua espalhadas pelos
quatro cantos do país; mães que abandonam seus bebês recém-nascidos em
latas de lixo, jogados nos rios, ou os deixam abandonados nas ruas à mercê da
própria sorte. Muitas mães, inclusive, fogem do hospital, logo após o parto,
deixando o filho.

Assim sendo, a presente proposição objetiva proteger os nascituros,
cujas mães encontrem muitas dificuldades para criá-los, para lhes dar uma vida
digna.

Não se trata, simplesmente, de estimular a doação dessas crianças, mas
de evitar a realização de aborto ou o abandono.

Busca-se, com a medida, conscientizar e informar as gestantes de que o
aborto, o abandono e a venda de crianças são crimes e, caso os pais decidam
que não tem intenção de permanecer com a criança, não coloquem suas vidas
em risco e as entreguem para adoção.

Não há uma estrutura adequada de informação e tratamento nos casos
em que as mulheres demonstram o desejo de fazer a doação. Seriam
necessárias campanhas e programas de atendimentos às gestantes ou mães
que não se sintam em condições de criarem seus filhos, além de um processo
de escuta e de orientação, por meio de um acompanhamento feito por equipes
de psicólogos junto à Vara da Infância e da Juventude.

O Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 8º, dispõe que
“as gestantes ou mães que manifestem interesse em entregar seus filhos para
adoção serão obrigatoriamente encaminhadas à Justiça da Infância e da
Juventude”. Determina esse diploma legal também que deve ser prestada
assistência psicológica após tal manifestação.

A falta de conhecimento sobre a legislação em vigor faz com que muitas
mulheres, que não pretendem permanecer com as crianças, coloquem suas
vidas e de seus bebês em risco.

Segundo a Vara da Infância e da Juventude, o número de mães que
procuram a Justiça para entregar seus filhos para adoção é muito baixo,
principalmente pelo desconhecimento de que a entrega é um processo legal.
Outro ponto importante é acabar com esse preconceito com mães que
doam seus filhos: dar um filho para a adoção não é crime, mas abandono de
incapaz é. A partir do momento em que essa situação ficar bem esclarecida,
com certeza haverá uma diminuição no número de crianças jogadas no lixo e,
um aumento no número de crianças doadas para famílias que querem muito ter
um filho e não podem.

Rita Passos - PSD
Leia
linkaki

“Chega de Fiu Fiu” - documentário gera debate promovido pela Folha em parceria com o Espaço Itaú de Cinema



Após sessão especial do documentário “Chega de Fiu Fiu” nesta terça-feira (29), no Espaço Itaú de Cinema, a jornalista Fernanda Mena mediou um importante debate sobre a importância da presença de mulheres no planejamento das cidades e o combate ao assédio sexual.

“O assédio nas ruas faz parte do rol das violências de gênero. A gente tem uma sociedade que foi construída em cima do racismo e do machismo. A configuração das cidades reproduz essa lógica”, afirmou a arquiteta e urbanista Joice Berth, presente no debate promovido pela Folha.

A sociedade é um organismo em constante processo de evolução e nenhuma pauta deve ser ignorara ou negligenciada pelas pessoas realmente interessadas em promover o o avanço nas conquistas coletivas e o aprimoramento do processo civilizatório. Por excelência, o ser humano ainda é suscetível a certos influxos de natureza biológica que remontam tempos imemoriais, dado o primitivismo de certos mecanismos relacionados ao processo de seleção natural observados no reino animal.  Diante da possibilidade de impulsos ou gestos que podem ser considerados ofensivos, o ser humano precisa aprender a conter ordenamentos biológicos primitivos que emergem em determinadas situações. Apesar do processo civilizatório impor determinados limites à liberdade de expressão, o pensamento continua livre, liberado.

Mais do que uma engrenagem individual sensitiva, o cérebro ainda abriga instintos muito primitivos e essenciais para a perpetuação da espécie. A receita primordial e involuntária vale para a maioria dos seres vivos, inclusive homens e mulheres de todas as raças e etnias existentes, independente dos discursos que valorizam os avanços dos processos civilizatórios. A aquisição de conceitos civilizados torna recomendável a discrição respeitosa, em todos os casos.

Leia a matéria da Folha aqui
Leia
linkaki

Em homenagem ao dias das mães, uma pequena curiosidade: suas mitocôndrias são presentes exclusivos de sua mãe



O DNA mitocondrial que está no citoplasma da célula é uma herança genética repassada somente da mãe". Essa é uma herança única, passada pela mãe, independente do sexo do filho, e estará presente ao longo de toda a hereditariedade da mãe até o fim dos tempos. No caso do homem, sua hereditariedade só perdura por cinco gerações. Após isso, torna-se impossível detectar sua presença na terra.

As células possuem dois tipos de DNA: o DNA nuclear, herdado de ambos os progenitores na proporção de 50% de cada um; e o DNA mitocondrial, herdado apenas da mãe, a herança matrilínea. Deste modo, todas as células do novo ser em formação terão apenas mitocôndrias herdadas da mãe. Esta característica permite que uma criança tenha duas mães biológicas, em casos de

Eva mitocondrial é o nome pelo qual é conhecido o Mais Recente Ancestral Comum, por descendência matrilineal de todos os seres humanos vivos na terra desde o início dos tempos. O seu DNA mitocondrial (mtDNA) foi passando de geração em geração e está agora presente em todas as pessoas. Todos os mtDNAs presente em todas as pessoas do mundo é derivado do mtDNA da Eva mitocondrial. É a contraparte do Adão-Y, o Mais Recente Ancestral Comum - MRCA, por descendência patrilinear, que perdura apenas por cinco gerações. . O DNA mitocondrial humano é uma molécula contendo 16.539 pares de bases nitrogenadas já completamente sequenciadas.

As mitocôndrias são organelas essenciais para a maioria das células eucarióticas. Sem elas, as células não teriam a capacidade de produzir energia para todos os seus mecanismos metabólicos essenciais. No início da década de 1960, porém, pesquisadores suecos descobriram que, além de todos os processos energéticos ocorridos nas mitocôndrias, estas organelas possuem ainda outra grande importância: elas carregam DNA próprio.Apesar de ser extremamente pequeno – contendo apenas 37 genes – o DNA mitocondrial codifica importantes proteínas e, por muitos anos, carregou consigo um mistério que a ciência não conseguia desvendar: na grande maioria dos animais, apenas o DNA mitocondrial materno é passado de geração em geração. O DNA mitocondrial paterno nunca pode ser encontrado em nossas células, pois ele se degrada no momento da fecundação, restando somente as mitocôndrias do óvulo. Isto significa que suas mitocôndrias são presentes exclusivos de sua mãe.
Leia
linkaki

Lula dizia que estava saudável antes de ser preso. Agora, Dilma insinua que ele tem doença crônica



Pouco antes de ser preso, o ex-presidente Lula vivia se gabando de sua saúde de jovem de 20 anos. Pouco antes de ser preso, o petista fazia propaganda sobre suas atividades e dizia que estava com o 'tesão de um rapaz de 20 anos'.

Bastou o petista ir em cana, e seus subordinados já começaram a chamar a atenção das autoridades para a saúde frágil de Lula. Por meio de seu perfil no Twitter, a ex-presidente Dilma Rousseff publicou ironizou o papel de uma 'Juíza' e afirmou que Lula teria uma doença crônica que exige controle médio sistemático.

Já a defesa do petista foi mais longe. O advogado Cristiano Zanin Martins alertou nesta quarta-feira, 25, para os riscos para a saúde de Lula de sua prisão na sede da Polícia Federal em Curitiba. O advogado encaminhou uma petição à juíza Carolina Lebbos, alertando que Lula, atualmente com 72 anos, não passou por qualquer exame médico desde que foi levado à PF há 18 dias, como habitualmente vinha realizando; "A defesa do peticionado obteve informações de que outras pessoas que se encontram custodiadas na Superintendência da Polícia Federal no Paraná recebem atendimentos de médicos por eles indicados", diz a petição.

Ao que tudo indica, o até então saudável Lula estaria tentando ampliar sua interlocução com o mundo exterior ou buscando novos argumentos para tentar migrar para o regime de prisão domiciliar.



Leia
linkaki

Governo demite diplomata que bateu na namorada



Atendendo a solicitação do Palácio do Planalto, o Itamaraty exonerou o diplomata Renato de Ávila Viana, acusado de ter agredido sua namorada. O funcionário ocupava o cargo de primeiro-secretário, de assessor técnico da Subsecretaria-Geral de África e do Oriente Médio. A decisão sobre o desligamento do Diplomata já foi publicada hoje no Diário Oficial.

Acusado por sua então namorada de tê-la espancado, o diplomata de 41 anos teria chegado a quebrar um dente da vítima,uma jovem de 22 anos, com a agressão. O Itamaraty instaurou processo no no Ministério das Relações Exteriores. O agressor possui um vasto histórico de agressões contra mulheres.

Com informações da Veja
Leia
linkaki

Morre Eliane Berger, mulher de Guido Mantega. A psicanalista, casada há 22 anos com ex-ministro, lutava contra o câncer



Morreu na madrugada deste domingo (12), a psicanalista Eliane Berger, mulher do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Casada com o petista há 22 anos, Eliane deixa um filho de 17 anos, após luta de vários anos contra o câncer. Quando o ex-ministro foi preso há pouco mais de um ano, ele acompanhava a esposa em um procedimento clínico no  hospital Albert Einstein, no Morumbi, Zona Sul de São Paulo. Na ocasião, quando soube do ocorrido, o juiz federal Sérgio Moro determinou que o ex-ministro fosse colocado em liberdade imediatamente.

Nos últimos dias, houve piora do quadro de saúde e a equipe médica que acompanhava Eliane detectou a falência múltipla dos órgãos. A doença foi diagnosticada em dezembro de 2011, primeiro ano do governo de Dilma Rousseff. No ano passado, o casal chegou a viajar para a Espanha em busca de tratamento alternativo para o câncer que se espalhara pelo corpo.

Atualmente, Guido Mantega mantinha um acordo com o Ministério Público Federal firmado com procurador Ivan Marx, que foi bastante criticado na época em que celebrou o termo de ciência e compromisso, mantido em sigilo. O ex-ministro se compromete a colaborar com a investigação, com a entrega de documentos e, se necessário, abrindo seu sigilo. Em troca, Mantega conseguiu evitar a prisão durante a investigação. A morte de sua mulher pode explicar a excepcionalidade do termo firmado pelo ex-ministro com as autoridades.

Eliane Berger tinha 56 anos.

Leia
linkaki

Fachin contraria tendência mundial e defende que homossexuais doem sangue no Brasil sem restrições



O ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, conhecido como "ursão de Dilma' e ativista de esquerda, votou nesta quinta-feira (19) contra a rejeição de doações de sangue de "homens que tiveram relação sexual com outros homens" durante um intervalo de tempo de um ano.

Segundo Fachin, "Exigir que ["homens que fazem sexo com outros homens"] somente possam doar sangue após o espaço de tempo de 12 meses é impor também que, caso queiram fazer, se abstenham de sua própria liberdade."

O ministro apelou para sentimentalismo barato  sobre direito à dignidade e à igualdade numa questão séria, que envolve o direito à vida das pessoas que podem ser infectadas pelo vírus da Aids em uma transfusão de sangue.

Fachin é relator de uma ação, ajuizada pelo PSB, que questiona a constitucionalidade da norma que autoriza a restrição, estabelecida pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O julgamento será retomado na próxima quarta-feira (25).

Fachin prefere ignorar o altíssimo risco de contaminação de inocentes em nome daquilo que ele classifica como uma "afronta direitos fundamentais, como igualdade, além de atingir a "soberania e autonomia daqueles que querem doar sangue e encontram-se não por outra razão justificada pela medida, mas pela orientação sexual". Ele acrescenta ainda que a regulamentação toca "parte essencial" e "núcleo mais íntimo do que se pode considerar a dignidade da pessoa humana", mas finge ignorar os riscos que sua visão temerária podem acarretar a inocentes. Em qualquer circunstâncias, o direito à vida deve prevalecer sobre qualquer entendimento. Qualquer postura que ignore este princípio pode ser considerada uma postura homicida.

O ministro conseguiu ser hipócrita ao ressaltarque precaução e segurança são parâmetros inseparáveis para doação de sangue e devem ser assegurados, mas de uma maneira que não comprometa a autonomia de existir dessas pessoas.

Ao citar entidades que pediram para fazer parte da ação com objetivo de derrubar a restrição, o ministro disparou: "Orientação sexual não contamina ninguém. O preconceito, sim".

Fachin contesta o resto do mundo e o próprio Ministério da Saúde, que afirma com base em estudos científicos que há maior prevalência de infecção por HIV neste grupo quando comparadas à população em geral. "Atualmente, cerca de 718 mil pessoas vivem com HIV/Aids no Brasil, indicando uma taxa de prevalência de 0,4% na população em geral. Já nas populações de maior vulnerabilidade, a taxa é de 10,5%", informa o Ministério.

A pasta diz que atende também recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e que tais diretrizes são seguidas pela maior parte dos países da Europa e nos Estados Unidos.

Intitulado "Doação de Sangue de Homem que Faz Sexo com Homem", um relatório emitido pela Anvisa defende a continuidade das normas e cita um estudo realizado no Brasil pela Fundação Pró-Sangue, publicado em 2008, que teve como uma das conclusões que "os doadores de sangue do sexo masculino, que mantêm ou mantiveram relação sexual com outro homem, continuam sendo o maior preditor de infecção pelo HIV".

No Dia Mundial do Doador de Sangue, a polêmica em torno da doação por homossexuais voltou à discussão no cenário mundial. Isso porque, após atentado à boate gay em Orlando (EUA), no último domingo (12) – que culminou com 50 mortos e 53 feridos – muitos homossexuais, dispostos a ajudar, se viram impedidos por infringir as regras norte-americanas.

Nos Estados Unidos, a legislação diz o mesmo que as normas do Brasil: “homens que tenham mantido relações sexuais com outro homem no último ano não podem doar”. A determinação faz com que, na prática, integrantes desse grupo sejam impedidos de fazer a doação.

A regra de abstinência sexual de um ano para os homossexuais interessados em doar sangue passou a vigorar em solo norte-americano quando o FDA (Agência Federal de Drogas e Alimentos), órgão que equivale à Anvisa brasileira, derrubou a norma que bania homens gays de doar sangue por toda a vida e publicou as novas determinações similares às brasileiras. Para os brasileiros, por sua vez, a regra já vale desde 2004.

No Brasil, a restrição está expressa na portaria 158/2016, do Ministério da Saúde, e na Resolução 43/2014, da Anvisa, as quais incluem na lista de 12 meses sem poder doar tanto os “homens que tiveram relações sexuais com outros homens”, como as “parceiras sexuais” desses.

As regras brasileiras são questionadas no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB). Na última semana, o ministro do STF, Edson Fachin, abreviou a tramitação da ação e decidiu que a questão será julgada diretamente no mérito, sem concessão de uma medida liminar. No entanto, ainda não há data para julgamento do processo.

“Todo sangue recebido no país é testado para averiguar qualquer tipo de contaminação. Se existe risco, ele existe para todas as amostras, a orientação sexual não deve ser parâmetro para isso”, avalia o ativista LGBT e presidente fundador da ONG Grupo Dignidade, de Curitiba, Toni Reis .

Voltada ao tema, a campanha Igualdade na Veia, criada pelo Grupo Dignidade, já reúne mais de 19 mil assinaturas em petição online contra a regra vigente no Brasil. “Não é a orientação sexual que deve eliminar um doador, mas sim o seu comportamento de risco, independentemente se falamos de héteros ou homossexuais”, avalia Toni Reis.

A causa é apoiada pela Defensoria Pública da União (DPU). Em audiência pública sobre o tema, em maio deste ano, o defensor público federal Erik Boson classificou as regras vigentes como “discriminatórias” e apontou que a norma “ajuda a estigmatizar a população gay, atribuindo a esses o estigma de 'grupo de risco'”. “A previsão alimenta, reproduz e reforça a discriminação já existente na sociedade”, acrescentou.

Recomendação mundial

As normas brasileiras se apoiam em diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS). O órgão, no entanto, destaca que a expressão “homens que fazem sexo com outros homens” descreve “um fenômeno comportamental e social em vez de um grupo específico de pessoas”. “É importante esclarecer que o critério de inaptidão temporária para doação de sangue para este grupo está fundamentado em dados epidemiológicos presentes na literatura médica e científica nacional e internacional, e não em orientação sexual”, destaca nota do Ministério da Saúde.

Segundo dados da pasta, no Brasil, 1,8% da população brasileira entre 16 e 69 anos doa sangue. Para justificar a restrição aos homossexuais, o ministério explica que dados do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais no ministério apontam que a epidemia de Aids está concentrada em populações de maior vulnerabilidade, tais como “homens que fazem sexo com outros homens, usuários de drogas e profissionais do sexo”.

O ministério destaca que essas populações apresentam maior prevalência de infecção por HIV quando comparadas à população em geral. “Atualmente, cerca de 718 mil pessoas vivem com HIV/Aids no Brasil, indicando uma taxa de prevalência de 0,4% na população em geral. Já nas populações de maior vulnerabilidade, a taxa é de 10,5%”.
O presidente do Grupo Dignidade, Toni Reis, reconhece os números mas pondera que as estatísticas “não mostram que todos os homossexuais têm Aids”. “Precisamos promover uma discussão nacional, também queremos confiar no sangue que está nos bancos de todo o país, mas o que não pode é que as coisas continuem como estão. Temos relatos de homossexuais que nunca tiveram relações e mesmo assim foram impedidos de doar. A situação que existe hoje é de discriminação”, avalia.

A OMS corrobora com as regras em vigor no Brasil e nos EUA. Segundo documento em que a entidade trata de doadores de sangue, estudos internacionais apontam que “diminuir a restrição por um período mínimo de 12 meses a homens que mantiveram relações sexuais com outros homens poderia levar a um aumento de 60% no número de doadores com o vírus HIV”.

O dado levado em consideração é o de uma pesquisa realizada em 2003 no Reino Unido, que também aponta que esse mesmo risco subiria 500% caso não houvesse qualquer restrição. Já publicação da Organização Pan-Americana de Saúde, braço da OMS, deixa claro que “pessoas que se engajam em comportamentos sexuais de risco devem ser recusadas como doadores por 12 meses após a última ocorrência”.

No mundo

Segundo informações do Ministério da Saúde, na maior parte dos países da Europa, homens que tiveram relações sexuais com outros homens são considerados "inaptos permanentes para doar sangue".

No Canadá, o prazo considerado como chamada janela imunológica - período em que o vírus pode ficar incubado no organismo - é de cinco anos. Além do Brasil e dos Estados Unidos, Austrália e França consideram o intervalo de restrição para doações de 12 meses.

Já de acordo com informações da ONG Grupo Dignidade, “pelo menos outros 17 países não fazem distinção ou não estabelecem critérios específicos de exclusão de gays e outros homens que fazem sexo com homens como doadores de sangue”. Entre estes países estão  Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Espanha, Itália, Portugal e Rússia.

Outros critérios

O Ministério da Saúde lembra que a realização recente de cirurgias e exames invasivos, vacinação recente, ingestão de determinados medicamentos, tatuagens nos últimos 12 meses, bem como histórico recente de algumas infecções também podem tornar qualquer doador inapto por certo tempo.

Entram na lista, ainda, práticas variadas que deixem o candidato vulnerável a adquirir determinadas infecções, viagens a locais onde há alta incidência de doenças que tenham impacto transfusional, sintomas físicos e a temperatura do candidato no momento da doação.

Fachin, o ativista da esquerda bolivariana no STF, é o mesmo ministro que homologou a delação dos criminosos da JBS.
Leia
linkaki

Jean Wyllys promete ir à Justiça para impedir que Gays arrependidos tenham direito à terapia



Um assunto polêmico voltou a dominar os debates esta semana. juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, que concedeu uma liminar que abre a possibilidade para que psicólogos possam oferecer terapias de auxílio para Gays arrependidos.

O juiz acatou o pedido da psicóloga Rozângela Alves Justino em processo aberto contra o Conselho Federal de Psicologia, que aplicou uma censura à profissional por oferecer a terapia aos seus pacientes. Segundo Rozângela e outros psicólogos que apoiam a prática, a resolução do conselho restringia a liberdade científica.

O deputado Jean Wyllys reagiu com indignação sobre a decisão judicial que pode permitir que profissionais prestem auxílio a pessoas em busca de ajuda.  “Em nome de que ciência ela está falando? É uma loucura o que a gente está vivendo”, declarou o deputado.

O deputado do PSOL prometeu mobilizar o Parlamento para recorrer da decisão do juiz federal. “É uma aberração jurídica, como outras que acontecem no país. Como é que o Judiciário se presta a isso? O Judiciário não está agindo de acordo com a Constituição”, afirmou

O debate é polêmico não apenas no Brasil, pois envolve interesses de grupos distintos que tentam definir de forma científica um comportamento que pode ter origem em dezenas de situações distintas. Em todos os casos, todos os que se opõem à possibilidade de terapias alternativas para o acompanhamento de pessoas em conflito com a própria sexualidade não levam em conta indivíduo, potencialmente interessado em buscar ajuda.

Tentar impedir que um profissional possa prestar assistência a indivíduos angustiados por sua própria orientação sexual não parece algo coerente, tendo em vista que o próprio Conselho Federal de Psicologia regulamenta tratamentos para pessoas que pretendem se submeter à cirurgias de mudança de sexo, um tipo de procedimento profundamente mais radical, complexo, traumático e irreversível. A impressão que se tem é a de que existe um lobby mundial favorável a proliferação dos homossexuais. Ao mesmo tempo os entusiastas do mundo LGBT reagem com extremo radicalismo diante de qualquer iniciativa que aborde o tema como um problema.

O marketing em torno do homossexualismo tenta impor aos jovens a ideia de que ser Gay é lindo, é maravilhoso, etc. A ditadura Gay é uma forma descarada de encorajar este tipo de postura, omitindo todos os problemas, angústias e desafios que este tipo de comportamento pode acarretar ao indivíduo. Existem milhões de jovens enfrentando problemas com depressão, conflitos existenciais, dependência química. Estes são justamente os mais vulneráveis a este tipo de encorajamento promovido pelos ativistas do homossexualismo, que tentam vender a todo custo a ideia de que esta é uma opção libertadora, quando na verdade não é, em muitos casos.

Seria exagero afirmar que todo homossexual pauta sua existência por algo tão trivial e íntimo. Apenas aqueles que fazem de sua condição a essência da própria vida e fazem questão de sinalizar ao mundo exterior sua orientação de forma ostensiva.

Se há tanto entusiasmo no sentido de encorajar que um número cada vez maior de pessoas se tornem homossexuais, por que não permitir que que alguns homossexuais em conflito tenham o direito de buscar alívio para suas angústias? Tratar o tema como "Cura Gay" é uma abordagem desonesta para algo que pode sim, significar alívio e conforto para pessoas que enfrentam conflitos angustiantes. Se o indivíduo é livre para assumir, em dado momento de sua vida, uma orientação sexual, não há motivos para impedi-lo de rever sua opção, caso queira determinar um outro rumo para sua vida. A liberdade do ser humano de escolher o que é melhor para si deve estar acima de tudo.

Associação Americana de Psiquiatria, por exemplo, adverte os profissionais éticos sob o juramento hipocrático de não fazer mal nem se abster de tentar a terapia. O deputado Jean Wyllys não parece nenhum pouco preocupado com autodeterminação do paciente ao discutir se a terapia deve estar disponível.

Mark Yarhouse, da Universidade Regent de Pat Robertson , escreveu que "os psicólogos têm uma responsabilidade ética para permitir que os indivíduos busquem um tratamento destinado a reduzir experiências de atração do mesmo sexo ou a modificar comportamentos do mesmo sexo, não só porque afirma os direitos do cliente dignidade, autonomia e agência, como pessoas presumidas capazes de escolher livremente entre modalidades de tratamento e comportamento, mas também porque demonstra respeito pela diversidade.

Yarhouse e Throckmorton, da escola cristã privada Grove City College , argumentam que o procedimento deve estar disponível por respeito ao sistema de valores de um paciente e porque eles acham evidências de que ele pode ser efetivo.

Haldeman também defende o direito de um cliente ao acesso à terapia se solicitado a partir de uma posição plenamente informada : "Para alguns, a identidade religiosa é tão importante que é mais realista considerar mudar a orientação sexual do que abandonar a religião de origem ... e se há aqueles que procuram resolver o conflito entre orientação sexual e espiritualidade com terapia de conversão, eles não devem ser desencorajados ".

O ICD-10 da Organização Mundial de Saúde , que juntamente com o DSM-IV é amplamente utilizado internacionalmente, afirma que "a orientação sexual por si só não deve ser considerada como uma desordem". Ele lista a orientação sexual ego-distônica como uma desordem, em vez disso, que define como ocorrendo onde "a identidade de gênero ou a preferência sexual (heterossexual, homossexual, bissexual ou pré-púbera) não está em dúvida, mas se o indivíduo que deseja mudar por causa de associados transtornos psicológicos e comportamentais, tem todo o direito de procurar tratamento para mudá-lo ".

Esta semana, a Justiça Federal do Distrito Federal permitiu, em caráter liminar, que psicólogos possam possam fazer terapias com homossexuais sem sofrer nenhum tipo de censura por parte do Conselho Federal de Psicologia (CFP)
Leia
linkaki

Médicos cubanos querem virar funcionários públicos no Brasil sem validar diplomas e sem fazer concurso. AGU diz não



É crescente o número de médicos cubanos que entram com ações na Justiça solicitando que sejam contratados diretamente pelo governo brasileiro, tornando-se assim funcionário público, sem a necessidade de se submeter a concursos públicos e sem prestar o exame de validação de seus diplomas.  O Ministério da Saúde contabiliza um total de 145 ações ajuizadas por cubanos pleiteando a contratação direta.

Mas segundo a Advocacia-Geral da União (AGU), os cubanos que participam do Mais Médicos e desejam ser contratados diretamente pelo governo brasileiro devem validar os diplomas no país e participar do processo seletivo do programa como ‘qualquer outro profissional’. A AGU comprovou esta tese no Superior Tribunal de Justiça para derrubar quatro liminares obtidas por profissionais que acionaram o Judiciário pleiteando a permanência no programa sem a intermediação da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), entidade com a qual o Brasil celebrou o termo de cooperação que viabilizou a participação dos cubanos no Mais Médicos.

Os advogados da União também ponderam que o ingresso dos cubanos no Mais Médicos somente é viabilizado por meio do acordo de cooperação celebrado com a Organização Pan-Americana de Saúde e o governo de Cuba, ‘de modo que se eles desejam permanecer no programa de outro modo devem cumprir os mesmos requisitos exigidos dos demais profissionais, quais sejam, aprovação em processo seletivo e validação de diploma, no caso de profissionais formados no exterior’.

Se fosse nos tempos dos governos do PT, já teriam conseguido a mamata. Mesmo assim, Lula e Dilma continuariam mandando dinheiro para Cuba.
Leia
linkaki

PF conclui que com ajuda de Lula e Dilma, Odebrecht roubou R$ 5,6 bilhões só na Petrobrás



A Polícia Federal tornou público um documento concluído no final de setembro pelos peritos que se debruçaram sobre contratos de licitações da área de Engenharia da Petrobras e concluiu que a Odebrecht roubou, com a devida ajuda de Lula e Dilma, um total de R$ 5.684 bilhões diretamente da Petrobras. Considerando que a remuneração média de um atendimento pelo Sistema Único de Saúde entre 2003 e 2014 ficou entre 14 e 16 reais, o valor desviado seria suficiente para bancar 406 milhões de atendimentos à população.

Uma Unidade de Pronto Atendimento, UPA, orçada em R$ 3,7 milhões, tem capacidade para atender até 300 pessoas por dia. Com o dinheiro desviado, daria para construir 1536 postos de saúde, com capacidade de atender 460 mil pessoas por dia.

Um laudo anexado aos autos da Operação Lava Jato aponta que 11 contratos da Odebrecht na Diretoria de Engenharia da Petrobrás ocasionaram um prejuízo direto à estatal nos valores informados e atualizados.

O assalto praticado pela Odebrecht na Petrobras só foi possível graças aos ex-presidentes Lula e Dilma, que abriram os cofres da empreiteira em troca de propinas milionárias para suas campanhas e suas fortunas pessoais. O raio-X da PF pegou licitações da área de Engenharia da companhia entre 2003 e 2014, período que compreende os mandatos de Lula e Dilma, os comandantes da organização criminosa que vitimou a estatal.

“Nas licitações contaminadas pelo cartel há uma forte tendência de que a empresa escolhida para ser a vencedora tenha como alvo alcançar o maior valor de contrato que a contratante esteja disponível a pagar”, registra a PF. Os peritos afirmam que o prejuízo direto da Petrobras ‘é decorrente da apresentação de propostas com preços artificialmente majorados’, ou contratos superfaturados previamente combinados entre a empreiteira e os interlocutores de Lula e Dilma em seus respectivos governos.

É possível ainda que o roubo na estatal seja ainda maior, já que os famosos "aditivos" dos contratos analisados não foram examinados, segundo a PF. Os tais aditivos são capazes de triplicar os valores de contratos, como ocorreu no complexo do Comperj e na Usina de Belo Monte.

Abaixo, a lista dos onze contratos em que a Odebrecht contou com a conivência de Lula e Dilma para roubar os quase seis bilhões de reais:

contratos 0800.0055148.09-2 (Consórcio RNEST – Unidades de Hidrotratamento), 0858.0069023.11.2 (Consórcio Pipe Rack do Comperj), 0800.0035013.07.2 (Consórcio Conpar), 0800.0053456.09.2 (Consórcio RNEST – U11 e U12), 0800.0037911.07.2 (Consórcio Gasvap), 0802.0031580.07.2 (Consórcio Odebei Plangás), 0800.0025267.06.2 (Consórcio Propeno), 0800.00589044.14-2, 0802.0039959.08.2 (Terminal de Cabiúnas), 0802.0015016.05.2 (Terminal de Caiúnas) e BDC .8112001039 (Estação de Fazenda Alegre e do Terminal Norte Capixaba On Shore).

A Odebrecht se comprometeu a devolver aos cofres públicos cerca de R$ 7 bilhões do dinheiro que roubou com a ajuda de Lula e Dilma para o PT. Já os ex-presidentes e seu partido não se comprometeram a devolver nenhum centavo do dinheiro que roubaram da Petrobras
Leia
linkaki

Além de uma boa cadeia, Lula está precisando de um tratamento psiquiátrico com urgência



Além de uma boa temporada na prisão, o ex-presidente Lula precisa ser submetido urgentemente a um tratamento médico, psicológico psiquiátrico com urgência.

Esta semana, durante ato contra a Lava Jato organizado pelo PT em São Paulo, o petista voltou a demonstrar graves sintomas de mitomania, um distúrbio que leva a pessoa a mentir compulsivamente e o que é mais grave, acreditar na própria mentira.

Lula voltou a afirmar ser a alma mais honesta deste mundo e disse que nem o juiz Sérgio Moro é tão honesto quanto ele. Quem sofre de mitomania acredita que a mentira é a melhor saída para enfrentar um problema.

Um dos principais sintomas do comportamento do mitômano, além da compulsão por mentir, é claro, é que dependendo da gravidade da mentira, ele costuma chorar antes de mentir. Tal atitude tem um vínculo com a necessidade de sensibilizar o ouvinte, causando um impacto emotivo antecipado. Desta forma, a mentira costuma ser melhor assimilada pelos mais incautos. Acompanhe o flagrante do surto no vídeo abaixo:

Leia
linkaki

Morre sem saber porque. No lugar de peito de ave, empresas usavam apenas carcaça de frango na salsicha das crianças



Nem a tradicional salsicha escapou das manobras irregulares envolvendo a adulteração de produtos comercializados pelas empresas investigadas na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. As marcas que dominam o mercado de salsicha no Brasil são justamente a Seara, do grupo JBS-Friboi e Sadia e Perdigão, do grupo BRF.

Segundo informações preliminares da Polícia Federal, as empresas adulteravam as salsichas através da mistura de carnes "menos nobres" e em proporções acima do tolerável pela vigilância Sanitária. No lugar de peito de ave, as empresas usavam apenas a carcaça para preparar as salsichas, que eram comercializadas normalmente no mercado interno.

"A carcaça de frango é aquilo que sobra após a desossa do frango, aquela que fica presa à cartilagem. Também é chamada de carne mecanicamente separada ou CMS. Seu uso em embutidos é permitido mas há limites — de até 60% — que variam conforme tipo de produto. Segundo o funcionário que denunciou as fraudes, alguns frigoríferos usavam carcaça de frango acima do teto. A gerente técnica de alimentos da Vigilância Sanitária do Rio, Aline Borges, explica que, mesmo com consumo acima do limite, não há problema para a saúde humana. Mas o consumidor estará comprando um produto com valor econômico menor. Ou seja, na melhor das hipóteses, vai pagar mais do que ele vale".
Leia
linkaki

13 anos de governos do PT desmentidos com um clique. Tecnologia revela a verdade sobre a farsa de Lula, Dilma e companhia



ATENÇÃO: esta é a segunda edição desta matéria.

Até pouco tempo atrás, as coisas estavam indo muito bem para o ex-presidente Lula. Por obra do destino, o petista chegou ao poder em 2003 e logo em seguida, o mundo experimentou um gigantesco boom de commodities que tirou bilhões de pessoas da pobreza em uma década. Países como Índia e China passaram por uma gigantesca revolução industrial com o aumento do consumo no mundo e se tornaram centros de produção, gerando milhões de empregos.

No Brasil não foi diferente. Com a moeda estabilizada e uma demanda cada vez maior por consumo de bens duráveis financiados a longo prazo, milhares de empresas globais se instalaram no país durante os anos que antecederam a chegada de Lula ao poder. Gigantes como WalMart, Honda, Toyota, Samsung, LG, Peugeot, Hyundai e outras 30 mil empresas começaram a contratar justamente após a chegada de Lula ao Palácio do Planalto.

O petista soube explorar as oportunidades e se gabava de gerar milhões de empregos e de ter tirado milhões de pessoas da pobreza. Poderia ter sido melhor ainda, não fosse a roubalheira e a incompetência dos membros do PT. Durante os governos petistas de Lula e Dilma, o Brasil jamais conseguiu alcançar o mesmo ritmo de crescimento de outros países, como México, Argentina e Colômbia.

Através do gráfico abaixo, é possível notar que os governos Lula mantiveram uma média de crescimento medíocre em relação aos países vizinhos. Caso queira fazer um comparativo mais apurado sobre o desemprenho dos governos petistas, basta clicar AQUI na ferramenta de pesquisa do Google e adicionar ou remover países, encurtar o tempo da tabela por períodos de governo, etc.



No mesmo gráfico, é possível acompanhar o impacto da crise de 2008 e como o Brasil e todos os demais países foram beneficiados pela recuperação da economia mundial. Lula novamente soube se aproveitar dos fenômenos econômicos para se gabar do crescimento extraordinário de 7,53 do PIB em 2010, ano em que alcançou a maior taxa de aprovação popular entre todos os presidentes do país.

Mas no mesmo gráfico é possível perceber que a recuperação da economia ocorreu em todos os países vizinhos, com a diferença que o Uruguai cresceu 7,8%, o Peru 8,45%, a Argentina 10,35%, mesmo com Cristina Kirchner e o Paraguai 13,09, todos bem acima do Brasil de Lula.

Através da ferramenta do Google, fica bastante claro que o desempenho de Lula e Dilma no comando do governo, comparado com os governantes de outros países vizinhos, é abaixo do mediano, ou medíocre, se for comparar as riquezas e o potencial econômico do Brasil. Mesmo assim, Lula soube se promover internamente através de fatores externos favoráveis e completamente alheios à sua vontade.

O problema é que, com a popularidade batendo todos os recordes, Lula se sentiu o rei da cocada preta e apostou que seria capaz de eleger um poste para sucedê-lo no governo naquele ano de 2010. Não deu outra. No lugar de buscar alguém competente e capaz de administrar o país, Lula escolheu uma pessoa sem qualquer experiência política em cargos executivos apenas para continuar mandando no país. A ex-presidente fazia tudo que Lula mandava no primeiro mandato, inclusive pedalar. Para se ter uma ideia, quando o PT assumiu o poder em 2003, o país tinha de 2.6 milhões de leitos hospitalares e caiu para 2.3 quando o Dilma deixou o governo.

Lula pecou pelo excesso de confiança de que seu partido permaneceria no poder por muitos anos e começou a meter os pés pelas mãos para manter um estilo de vida similar ao que tinha quando era presidente. O petista não queria mais abrir mão da privacidade, do conforto e da comodidade de jatinhos de luxo. Como seus rendimentos não lhe permitiriam manter aquele padrão de vida, o petista deu um jeitinho de estender os esquemas de corrupção que financiavam as campanhas do partido para seu benefício pessoal.

O ex-presidente da maior financiadora do PT, Marcelo Odebrecht, admitiu que também tinha interesse em manter Lula em "evidência" e reconheceu que criou uma conta de propina para o ex-presidente no departamento de operações estruturadas da empreiteira. Lula tinha em seu saldo cerca de R$ 23 milhões em comissões por negócios da empreiteira com o governo. Além desta fortuna, o petista deu um jeito de abrir uma pequena empresa de palestras, por entrou mais cerca de R$ 30 milhões oriundos de contratos de fachada com empresas que faziam negócios com a Petrobras.

Além dos jatinhos, das viagens internacionais e da fartura dos tempos da Presidência, Lula também não quis abrir mão da outra cobertura vizinha ao seu apartamento em São Bernardo, que era alugada pela Presidência da República. O petista recorreu aos tradicionais laranjas, que acabaram comprando o apartamento com dinheiro de propina repassado pela Odebrecht.

Lula estava definitivamente decidido a não abrir mão de nenhum dos confortos que tinha quando era presidente. Como não tinha mais o direito a passar seus finais de semana na bela Granja do Torto, uma das residências mantidas pela Presidência da República, com características de casa de veraneio, Lula recorreu aos seus laranjas e providenciou o sítio de Atibaia. A propriedade passou por reformas de ampliação das instalações e da lagoa. Tudo bancado pela Odebrecht e pela empreiteira OAS, então presidida pelo amigão de Lula, Léo Pinheiro.

Mas até então, estava tudo indo muito bem para Lula e a turma do PT. O petista estava providenciando uma cobertura de luxo no Guarujá, litoral paulista e chegou a passar 111 finais de semana na suntuosa propriedade rural em Atibaia. Lula havia conseguido manter uma vida com mais pompa e circunstância do que nos tempos em que era presidente e ainda continuava mandando no país. Arrogante, se gabava de ter feito isso e aquilo, enquanto tripudiava sobre seus rivais políticos. Até que surgiu um juiz chamado Sérgio Moro e uma tal de Operação Lava Jato. Esta turma é bem mais eficiente quando o assunto é desmascarar Lula e o PT.

Despesas com saúde durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos

A fúria arrendatória durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos

Aumento da dívida pública durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos



Leia
linkaki

Histórico. Aprenda como desmascarar Lula com a ajuda do Google e veja como ele é mentiroso, medíocre e incompetente



Até pouco tempo atrás, as coisas estavam indo muito bem para o ex-presidente Lula. Por obra do destino, o petista chegou ao poder em 2003 e logo em seguida, o mundo experimentou um gigantesco boom de commodities que tirou bilhões de pessoas da pobreza em uma década. Países como Índia e China passaram por uma gigantesca revolução industrial com o aumento do consumo no mundo e se tornaram centros de produção, gerando milhões de empregos.

No Brasil não foi diferente. Com a moeda estabilizada e uma demanda cada vez maior por consumo de bens duráveis financiados a longo prazo, milhares de empresas globais se instalaram no país durante os anos que antecederam a chegada de Lula ao poder. Gigantes como WalMart, Honda, Toyota, Samsung, LG, Peugeot, Hyundai e outras 30 mil empresas começaram a contratar justamente após a chegada de Lula ao Palácio do Planalto.

O petista soube explorar as oportunidades e se gabava de gerar milhões de empregos e de ter tirado milhões de pessoas da pobreza. Poderia ter sido melhor ainda, não fosse a roubalheira e a incompetência dos membros do PT. Durante os governos petistas de Lula e Dilma, o Brasil jamais conseguiu alcançar o mesmo ritmo de crescimento de outros países, como México, Argentina e Colômbia.

Através do gráfico abaixo, é possível notar que os governos Lula mantiveram uma média de crescimento medíocre em relação aos países vizinhos. Caso queira fazer um comparativo mais apurado sobre o desemprenho dos governos petistas, basta clicar AQUI na ferramenta de pesquisa do Google e adicionar ou remover países, encurtar o tempo da tabela por períodos de governo, etc.



No mesmo gráfico, é possível acompanhar o impacto da crise de 2008 e como o Brasil e todos os demais países foram beneficiados pela recuperação da economia mundial. Lula novamente soube se aproveitar dos fenômenos econômicos para se gabar do crescimento extraordinário de 7,53 do PIB em 2010, ano em que alcançou a maior taxa de aprovação popular entre todos os presidentes do país.

Mas no mesmo gráfico é possível perceber que a recuperação da economia ocorreu em todos os países vizinhos, com a diferença que o Uruguai cresceu 7,8%, o Peru 8,45%, a Argentina 10,35%, mesmo com Cristina Kirchner e o Paraguai 13,09, todos bem acima do Brasil de Lula.

Através da ferramenta do Google, fica bastante claro que o desempenho de Lula e Dilma no comando do governo, comparado com os governantes de outros países vizinhos, é abaixo do mediano, ou medíocre, se for comparar as riquezas e o potencial econômico do Brasil. Mesmo assim, Lula soube se promover internamente através de fatores externos favoráveis e completamente alheios à sua vontade.

O problema é que, com a popularidade batendo todos os recordes, Lula se sentiu o rei da cocada preta e apostou que seria capaz de eleger um poste para sucedê-lo no governo naquele ano de 2010. Não deu outra. No lugar de buscar alguém competente e capaz de administrar o país, Lula escolheu uma pessoa sem qualquer experiência política em cargos executivos apenas para continuar mandando no país. A ex-presidente fazia tudo que Lula mandava no primeiro mandato, inclusive pedalar. Para se ter uma ideia, quando o PT assumiu o poder em 2003, o país tinha de 2.6 milhões de leitos hospitalares e caiu para 2.3 quando o Dilma deixou o governo.

Lula pecou pelo excesso de confiança de que seu partido permaneceria no poder por muitos anos e começou a meter os pés pelas mãos para manter um estilo de vida similar ao que tinha quando era presidente. O petista não queria mais abrir mão da privacidade, do conforto e da comodidade de jatinhos de luxo. Como seus rendimentos não lhe permitiriam manter aquele padrão de vida, o petista deu um jeitinho de estender os esquemas de corrupção que financiavam as campanhas do partido para seu benefício pessoal.

O ex-presidente da maior financiadora do PT, Marcelo Odebrecht, admitiu que também tinha interesse em manter Lula em "evidência" e reconheceu que criou uma conta de propina para o ex-presidente no departamento de operações estruturadas da empreiteira. Lula tinha em seu saldo cerca de R$ 23 milhões em comissões por negócios da empreiteira com o governo. Além desta fortuna, o petista deu um jeito de abrir uma pequena empresa de palestras, por entrou mais cerca de R$ 30 milhões oriundos de contratos de fachada com empresas que faziam negócios com a Petrobras.

Além dos jatinhos, das viagens internacionais e da fartura dos tempos da Presidência, Lula também não quis abrir mão da outra cobertura vizinha ao seu apartamento em São Bernardo, que era alugada pela Presidência da República. O petista recorreu aos tradicionais laranjas, que acabaram comprando o apartamento com dinheiro de propina repassado pela Odebrecht.

Lula estava definitivamente decidido a não abrir mão de nenhum dos confortos que tinha quando era presidente. Como não tinha mais o direito a passar seus finais de semana na bela Granja do Torto, uma das residências mantidas pela Presidência da República, com características de casa de veraneio, Lula recorreu aos seus laranjas e providenciou o sítio de Atibaia. A propriedade passou por reformas de ampliação das instalações e da lagoa. Tudo bancado pela Odebrecht e pela empreiteira OAS, então presidida pelo amigão de Lula, Léo Pinheiro.

Mas até então, estava tudo indo muito bem para Lula e a turma do PT. O petista estava providenciando uma cobertura de luxo no Guarujá, litoral paulista e chegou a passar 111 finais de semana na suntuosa propriedade rural em Atibaia. Lula havia conseguido manter uma vida com mais pompa e circunstância do que nos tempos em que era presidente e ainda continuava mandando no país. Arrogante, se gabava de ter feito isso e aquilo, enquanto tripudiava sobre seus rivais políticos. Até que surgiu um juiz chamado Sérgio Moro e uma tal de Operação Lava Jato. Esta turma é bem mais eficiente quando o assunto é desmascarar Lula e o PT.

Despesas com saúde durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos

A fúria arrendatória durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos

Aumento da dívida pública durante os governos petistas, comparando aos países vizinhos



Leia
linkaki

Lula e PT não conseguem sensibilizar sociedade com morte de Marisa. Ela não era tão querida e uso político pegou mal



A morte da ex-primeira dama Marisa Letícia foi uma fatalidade que acomete dezenas de brasileiros anônimos todos os dias. Como a mulher de Lula era praticamente proibida pelo marido de falar em público e não possuía praticamente nenhuma empatia com a população, Marisa morreu praticamente como uma anônima.

Para piorar, outra parte significativa da sociedade nutria certa antipatia por Marisa devido a um episódio em que a ex-primeira dama foi flagrada em uma conversa telefônica com o filho ofendendo manifestantes contrários ao governo Dilma que protestavam através dos famosos "panelaços".

O fato é que Marisa era ignorada por alguns e detestada por outros. Para piorar a situação, a ex-primeira dama passou os oito anos do mandato de Lula sem desempenhar nenhum papel social. Para uma esposa de sindicalista que se dizia defensor dos interesses dos mais pobres, a passagem de Marisa pelo Palácio da Alvorada foi uma decepção. A ex-primeira dama dedicou todo o seu tempo a sessões de botox e a encomendar vestidos de estilistas famosos.

Mas o histórico negativo de Dona Marisa não parou por aí. Investigada na Operação Lava Jato, a mulher de Lula se tornou ré em duas ações penais e se negou a prestar um depoimento sobre sua participação no esquema do triplex no Guarujá. Marisa também foi apontada como mandante e cúmplice nas reformas do sítio em Atibaia e no acobertamento de uma cobertura usada pelo casal em São Bernardo do Campo. O imóvel, sequestrado por determinação do juiz Sérgio Moro, foi adquirido com propinas da Odebrecht e era usado pela família desde 2010.

Além de não desempenhar nenhum papel social durante o período em que foi a primeira dama, além de ofender cerca de 80% da população contrária à corrupção e incompetência da ex-presidente Dilma, Marisa ainda se envolveu nos crimes de lavagem de dinheiro do marido. Convenhamos, com um histórico como este, é perfeitamente compreensível que Marisa não fosse lá tão querida pelo povo brasileiro.

Ao tentar explorar politicamente  morte da esposa, o ex-presidente Lula e o PT acabaram piorando a situação. Ao tentar imputar a culpa pela morte de Marisa ao juiz Sérgio Moro e os membros do Ministério Público, os petistas deram um tiro no pé. Marisa havia sido diagnosticada com um aneurisma cerebral há dez anos, era diabética, fumante, bebia e era sedentária.

Tentar atacar a Lava Jato, a maior reserva moral do país, e tentar se capitalizar com a morte de uma nulidade política, Lula e o PT deram com os burros na água. Aos olhos do povo, o oportunismo de Lula e do PT se traduziu numa manobra rasteira e imoral. Segundo o jornalista Reinaldo Azevedo, Lula fez do velório de Marisa um comício e de seu corpo, um palanque.
Leia
linkaki

Lula volta a culpar Moro pela morte de Marisa, chama juiz de canalha e exige pedido de desculpas em nome da mulher



O ex-presidente voltou a atacar o juiz federal Sérgio Moro e os procuradores do Ministério Público Federal na Lava Jato em seu discurso durante o Velório do corpo de sua mulher, Marisa Letícia, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista.

O petista alegou que Marisa “morreu triste” pela “canalhice” e “maldade” que fizeram com ela e cobrou um pedido de desculpas formal dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato. “Quero que os facínoras que levantaram leviandades contra ela tenham um dia a humildade de pedir desculpas.”

Vaidoso ao extremo, o petista, que cuida de sua saúde e e costuma se gabar em palanques que corre dez quilômetros todos os dias, afirma que vai viver muitos anos. Mas segundo pessoas ligadas a família, nunca se preocupou com a saúde da mulher, que costumava dormir muito pouco. Marisa acordava todos os dias as cinco horas da manhã, independente da hora que fosse dormir. Diabética, hipertensa e diagnosticada com um aneurisma cerebral há mais de dez anos, Marisa bebia, fumava, era sedentária e não mantinha nenhuma dieta alimentar mais saudável. A negligência da família em relação à ex-primeira dama sempre foi motivo de queixas de parentes de Marisa.

No entanto, no lugar de reconhecer que foi egoísta e que sempre sobrecarregou a mulher com problemas da casa e até mesmo a envolveu em seus ilícitos, o ex-presidente Lula prefere "capitalizar" com a morte da esposa e usa o fato como arma política para tentar desqualificar o juiz Sérgio Moro e a Lava Jato. 
Leia
linkaki

Morre Marisa Letícia Rocco, mulher do ex-presidente Lula. Notícia agora é oficial



Morreu nesta quinta-feira (2) em São Paulo, Marisa Letícia Rocco, a ex-primeira-dama e esposa do ex-presidente Lula. Dona Marisa, como era conhecida, morreu oito dias depois de sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico, aos 66 anos.

A ex-primeira-dama foi oficialmente declarada em estado de morte cerebral, e a família autorizou a doação de seus órgãos, informou o Hospital Sírio Libanês, onde ela foi internada em 24 de janeiro.
Após uma noite de boatos sobre uma piora do seu estado de saúde, os médicos identificaram uma ausência de fluxo cerebral, detalhou o centro médico em um boletim.
"Ante esse resultado, com autorização da família, foram iniciados os procedimentos para a doação de órgãos", acrescentou o hospital.

O corpo da ex-primeira-dama será velado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Ainda não se sabe qual o horário de início da cerimônia.

Leia
linkaki

Quando Marisa foi diagnosticada com aneurisma, Lula inciava seu 2º mandato e ninguém nem sonhava com Sérgio Moro




Após o anúncio oficial da morte da ex-primeira dama Marisa Letícia, o número de petistas e militantes da esquerda dispostos a colocar a culpa no juiz Sérgio Moro, na Lava Jato e em todos aqueles que lutam para acabar com a corrupção no país cresceu consideravelmente. Se antes mesmo do anúncio oficial da morte de Marisa Letícia e de seu funeral, o assunto já vinha sendo explorado politicamente por setores do PT, as narrativas elaboradas desde então apontam exclusivamente a culpa ao juiz Sérgio Moro e a Lava Jato.

Esta semana, Lula voltou a atribuir ao juiz Sérgio Moro e aos procuradores do Ministério Público Federal a culpa pela morte da mulher que ele mesmo usou como laranja.



Logo após a morte da mulher de Lula, um artigo do blog petista Brasil247 já afirmava que Marisa foi assassinada. O autor do artigo é Renato Rovai é editor da Revista Fórum. O idiota tem a coragem de afirmar que "A morte de Dona Marisa Letícia não foi natural. Ela foi sendo assassinada aos poucos por um conluio, cujo pilar foi a mídia tradicional com destaque ultraespecial às Organizações Globo, à grande maioria do Judiciário envolvido nas investigações da Lava Jato e a uma classe política corrupta que se lambuzou em acusações sem provas contra ela e sua família".

Segundo o sujeito, Marisa foi "massacrada de forma vil por um bando de canalhas liderados pelas Organizações Globo. E por um juiz que será julgado pela história por ter divulgado um áudio de uma conversa privada desta mulher e que não tinha qualquer relação com o processo que investigava". "Eles podem dizer o que quiserem. Eles podem tentar uma cobertura midiática menos indecorosa. Mas eles não vão poder escapar do óbvio, Dona Marisa foi sendo aos poucos assassinada por essa turma".

Um outro colunista do mesmo site, o jornalista de aluguel Alex Solnik afirma que "Marisa é a primeira vítima da Lava Jato. Não suportou a situação em que Sergio Moro a colocou".

Mas para evitar conversa fiada, é bom lembrar que quando Marisa foi diagnosticada com um aneurisma há dez anos, não existia a Lava Jato e praticamente ninguém no Brasil já tinha ouvido falar do juiz federal Sérgio Moro. Marisa era a primeira dama e o presidente Lula estava praticamente iniciando seu segundo mandato.

Este foi fator causador da morte cerebral de Marisa. Seu caso se encaixa perfeitamente nas estatísticas sobre os demais casos de aneurismas hemorrágicos. Seis em cada dez vítimas de AVC costumam morrer antes de dar entrada em algum hospital. Os quatro que conseguem ser atendidos a tempo, dois morrem e dois sobrevivem com sequelas, morrendo alguns anos mais tarde.

O caso de Marisa não é singular em nenhum aspecto. A ex-primeira dama teve a morte cerebral detectada exatamente n oitavo dia depois do acidente, justamente o dia mais crítico em todos os casos similares, segundo estatísticas e históricos analisados por especialistas.

Além do histórico complicado, outros fatores de risco podem ter contribuído para a evolução de seu caso até o ponto fatal. Marisa bebia com frequência, era fumante inveterada e sedentária. Além dos maus hábitos para um portador de um aneurisma, a-ex-primeira dama ainda acobertava as transações de Lula envolvendo a aquisição ou uso de imóveis suspeitos. Marisa assinava papéis comprometedores e temia que seu nome e o nome de seus filhos acabassem envolvidos nos esquemas do marido, como de fato acabou acontecendo.
Leia
linkaki

Médicos do Sírio-Libanês fizeram piada com AVC de Marisa no WhatsApp. Responsável foi demitida

Foto meramente ilustrativa

Um grupo de médicos, inclusive funcionários do Hospital Sírio-Libanês, chegou a trocar mensagens irônicas pelo WhatsApp logo após a internação da mulher do ex-presidente Lula, Dona Marisa Letícia, diagnosticada com um severo acidente vascular cerebral (AVC).

É um escândalo e merece severa punição a divulgação de dados sigilosos do diagnóstico da ex-primeira dama Marisa Letícia em um grupo médico no WhatsApp.

O jornal "O Globo" publicou uma reportagem informando que, horas depois da internação de Marisa no Hospital, uma médica reumatologista enviou mensagens a um grupo de WhatsApp de antigos colegas de faculdade, confirmando que dona Marisa estava no pronto-socorro com diagnóstico de AVC  hemorrágico de nível 4 na escala Fisher (um dos mais graves).

A mensagem foi compartilhada no grupo "MED IX" e se espalhou em outros grupos de WhatsApp. O boletim médico divulgado horas depois pelo hospital falava em hemorragia cerebral por ruptura de um aneurisma, mas não dava detalhes técnicos a respeito da gravidade do diagnóstico.

Neste mesmo dia, um outro médico de fora do Sírio-Libanês postou no grupo imagens de uma tomografia atribuída a dona Marisa Letícia, acompanhada de detalhes que foram confirmados, em seguida, pela médica reumatologista.

As informações foram compartilhadas em outro grupo de médicos, intitulado "PS Engenho 3", e atribuídas a um cardiologista. Os comentários que acompanham a troca de mensagens são assustadores.

Quando a médica diz que Marisa ainda não tinha sido levada para a UTI, um colega residente em urologia dispara: "Ainda bem!". A médica responde com risadas.

Outro médico do grupo, um neurocirurgião, também ironizou o quadro de dona Marisa:

"Esses fdp vão embolizar ainda por cima", escreveu –o procedimento de embolização provoca o fechamento de um vaso sanguíneo para diminuir o fluxo de sangue em determinado local. "Tem que romper no procedimento. Daí já abre pupila. E o capeta abraça ela", escreveu o médico.

Em nota, a direção do Sírio-Libanês informa que "tomou as medidas disciplinares cabíveis em relação à médica, assim que teve conhecimento da troca de mensagens". Segundo uma fonte do hospital, a médica responsável pelas mensagens do WhatsApp foi demitida.

Leia
linkaki

Após ter sido despejada da cobertura comprada com propina, Marisa não saia de casa por vergonha dos vizinhos


A ex-primeira dama Marisa Letícia andava triste e envergonhada desde que foi despejada da cobertura vizinha ao a sua outra cobertura do Edifício Hill House, em São Bernardo do Campo. O fato da família ter dois imóveis no mesmo endereço era desconhecido pelas autoridades até o dia 4 de março, quando o ex-presidente Lula foi alvo de um mandado de condução coercitiva.

Ao chegar no endereço, os agentes da Polícia Federal foram informados pelo porteiro que a família era dona de duas coberturas, a 121 e a 122, e não apenas uma que constava nos mandados de busca e apreensão. A descoberta deste outro imóvel usado por Dona Maria e Lula ocorreu por acaso, durante as buscas e apreensões da Operação Aletheia, quando Moro declarou que “teria sido constatado que Luiz Inácio Lula da Silva ocuparia não apenas o apartamento 122, mas igualmente o apartamento contíguo”.

A partir daquele momento, a Polícia Federal deu início à uma investigação para descobrir sob que circunstâncias a família teria adquirido a outra cobertura. Bastaram algumas diligências e cruzamento de informações para descobrir que o imóvel estava registrado em nome de um laranja. No caso, Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula e já condenado na Operação Lava Jato.

Com mais algumas investigações, descobriu-se que Glauco, o primo de Bumlai, recebeu repassas de uma empresa laranja da Odebrecht na mesma época que teria feito a transação intermediada pelo advogado e compadre de Lula, Roberto Teixeira.

Segundo mostrou a investigação da Lava Jato, o Ministério Público Federal passou a sustentar que o Lula é o verdadeiro proprietário do 121, e que ele teria recebido o imóvel como propina da empreiteira Odebrecht. A partir de então, o juiz Sérgio Moro decretou o sequestro do referido imóvel.

“Decreto o sequestro do imóvel consistente no apartamento n.º 121, de matrícula 86.622 do 1º Registro de Imóveis de São Bernardo do Campo/SP, diante dos indícios de que foi adquirido com proventos do crime”, ordenou.

O ex-presidente Lula ficou sem mais um imóvel, fruto de esquemas de corrupção com as empreiteiras que participaram, ao lado do PT, do assalto na Petrobras. Além de tornar no petista réu pela quinta vez em uma ação crimina, o juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira, 19, o sequestro do apartamento 121 do Edifício Hill House, em São Bernardo do Campo, vizinho ao imóvel de número 122 onde moram o ex-presidente Lula e sua esposa, Marisa Letícia, em São Bernardo do Campo.

Segundo mostrou a investigação da Lava Jato, o Ministério Público Federal concluiu que Lula também ocupava o apartamento 121 que pertence a Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula e já condenado na Operação Lava Jato. O MPF sustenta que o Lula é o verdadeiro proprietário do 121, que ele teria recebido como propina da empreiteira Odebrecht.

“Decreto o sequestro do imóvel consistente no apartamento n.º 121, de matrícula 86.622 do 1º Registro de Imóveis de São Bernardo do Campo/SP, diante dos indícios de que foi adquirido com proventos do crime”, ordenou o magistrado, para o desespero de Marisa Letícia.

A ex-primeira dama teria tido um ataque de nervos e brigado com Lula por toda a lambança dele de de seu compadre, Roberto Teixeira. Marisa não se queixava apenas da vergonha perante os vizinhos, mas temia que se tornaria alvo de mais um processo na Justiça. Desta vez, de difícil reversão. Desde então, a ex-primeira dama passou a se queixar de dores de cabeça e se sentia deprimida com a situação.

Moro apontou que “não foram identificadas, nas quebras de sigilo bancário e fiscal de Glaucos da Costamarques, registros de recebimentos dos aluguéis do apartamento 121, e igualmente não foram identificados registros de pagamentos dos aluguéis do mesmo apartamento pelo ex-presidente e sua esposa ou pelo Instituto Lula”.

“Apenas a partir de janeiro de 2016, com o avanço das investigações em relação ao ex-presidente, passaram a ser feitos depósitos em dinheiro dos aluguéis na conta de Glaucos da Costamarques, não sendo, possível, porém, identificar a origem do dinheiro utilizado”, destaca o magistrado.

Para Moro, “consta, em cognição sumária, prova de que o custo para aquisição em 2010 foi suportado pela Construtora Norberto Odebrecht, que não há prova documental do pagamento de aluguéis entre 2011 a 2015, que o locador (Glaucos da Costamarques) apresentou explicações contraditórias sobre o recebimento dos aluguéis e que são inconsistentes com as declarações de advogado que, segundo o locador, teria recebido parte dos aluguéis”. “Embora o imóvel esteja em nome de seus antigos proprietários, Augusto Moreira Campos e Elenice Silva Campos (que não têm qualquer relação com o ilícito), há, indícios de que pertence de fato ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o teria recebido, segundo a denúncia, como propina do Grupo Odebrecht. Expeça-se precatória para lavratura de auto de sequestro, registro do sequestro e avaliação.”



Leia