linkaki

Moro defende fim da moleza para homicidas e responsáveis por outros crimes de extrema gravidade



Ao assumir a missão de comandar o Ministério da Justiça e Segurança Pública, o juiz federal Sérgio Moro manteve a coerência demonstrada ao longo de seus mais de 22 anos de magistratura. Diante dos novos desafios institucionais que terá pela frente, o magistrado manifestou sua indignação contra a sensação de impunidade que emana da Justiça Brasileira no tocante ao efetivo cumprimento da pena por parte de condenados por crimes graves.

Moro defendeu nesta quinta-feira, 08, o endurecimento das regras para o sistema prisional brasileiro, do qual criminosos costumam se safar com relativa facilidade, após cumpridos determinados requisitos previstos em Lei.

Moro defendeu que o sistema não pode ser “leniente” (boazinha, condescendente) com pessoas que cometeram crimes graves, como homicídios. Moro deu a declaração em Brasília, após se reunir com o Ministro da Justiça, Torquato Jardim. Na opinião do futuro ministro, pessoas que cometeram homicídios, por exemplo, deixam a cadeia antes do tempo que ele acha que elas deveriam cumprir pena.

"Evidentemente, a questão carcerária é um problema e nós estamos refletindo sobre ela da forma mais apropriada. É necessário ampliar vagas, é necessário eventualmente ter um filtro melhor", afirmou Sérgio Moro.

"É inequívoco que existe no sistema carcerário, muitas vezes, um tratamento leniente ao meu ver a crimes praticados com extrema gravidade, casos de homicídio qualificado de pessoas que ficam poucos anos presas em regime fechado. Para esse tipo de crime, tem que haver um endurecimento", acrescentou.

Quando assumir o Ministério da Justiça , Moro passará a ser responsável pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, pela Polícia Federal (PF) e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), por exemplo.

Com informações do G1

Informe seu Email para receber notícias :