linkaki

Fachin autoriza investigação sobre pagamento de propina em troca de apoio a Dilma sem investigar Dilma



A ex-presidente Dilma Rousseff não é um dos alvos do inquérito autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que investiga propina em troca de apoio a Dilma. A investigação tem como origem a na delação premiada de Joesley Batista e Ricardo Saud, executivos do Grupo J&F

Neste novo inquérito, Fachin autorizou investigações contra o senador Ciro Nogueira (PP-PI), o ex-ministro de Dilma, Edinho Silva (PT), além dos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud, do Grupo J&F, por supostos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em dezembro do ano passado.

Segundo a Veja, "As acusações giram em torno do suposto recebimento de vantagens indevidas pelo PP para apoiar a reeleição de Dilma Rousseff (PT) em 2014 e não agir contra a ex-presidente no processo de impeachment instaurado no Congresso Nacional".

Num caso emblemático,o ex-ministro petista Edinho Silva, braço direito de Dilma, é citado como encarregado pelo PT de tratar com a J&F dos pagamentos de propina durante a campanha eleitoral de 2014, para apoio da reeleição de Dilma. No caso do PP, o valor “pelo apoio” teria sido repassado a Ciro, estipulado inicialmente em R$ 20 milhões. “Contudo, ao final, a empresa acabou pagando R$ 42 milhões”, cita a PGR.

Ricardo Saud, na delação, afirma que os representantes do partido sabiam que se tratava de propina do caixa do PT".

Com informações da Veja

Informe seu Email para receber notícias :