linkaki

É grave o trauma craniano do homem agredido por seguranças de Lula. Vítima está na UTI e pode passar por nova cirurgia



É grave o estado de saúde do empresário Carlos Alberto Bettoni, violentamente agredido por seguranças a serviço do ex-presidente Lula em frente ao Instituto que leva o nome do petista na última quinta-feira, em São Paulo. O empresário  poderá ser submetido a uma nova cirurgia. Segundo novo boletim médico divulgado na noite deste domingo pelo Hospital São Camilo, onde está internado, o quadro de traumatismo cranioencefálico da vítima foi classificado como “grave”.

A polícia já identificou dois suspeitos de agredirem o empresário. Segundo o delegado titular da 17º DP, Wilson Roberto Zampieri, o principal suspeito de agredir Bettoni é o político Manoel Eduardo Marinho, conhecido como Maninho do PT, que foi vereador e candidato a prefeito de Diadema pelo partido. O segundo suspeito identificado é o filho do político, Leandro Eduardo Marinho.

Um vídeo registrou o flagrante do momento em que os agressores dão socos, pontapés e empurrões no empresário. Logo depois, um dos suspeitos empurra o empresário em cima de um caminhão que passava pela rua no momento. Tonto com as agressões, Bettoni  bate com a cabeça na carroceria do caminhão e cai desfalecido no meio da rua. Populares prestaram socorro imediatamente, enquanto os agressores que cuidavam da segurança do Instituto Lula apenas acompanharam o atendimento à vítima de longe.

A vítima das agressões sofreu um grave traumatismo craniano e passou por novos exames nesta manhã. “Seu estado, apesar de inspirar cuidados, continua estável. Como sofreu um traumatismo cranioencefálico grave, há risco de uma nova cirurgia”. Bettoni está em observação na UTI e sem previsão de alta.

No total, são três funcionários do Instituto Lula envolvidos na agressão covarde contra o empresário. Os três agressores devem ser indiciados por lesão corporal, com possibilidade de condenação a prisão por período que pode variar entre um e oito anos de detenção, dependendo da gravidade da lesão imposta à vítima. 

Informe seu Email para receber notícias :