linkaki

Comandante do Exército chama a atenção para idiotas que tentam "ideologizar dos problemas nacionais"



O comandante do Exército Brasileiro, o  general Eduardo Villas Bôas, voltou a se manifestar sobre as ameças que colocam em risco a estabilidade e a democracia do Brasil. Desta vez, o general incluiu um ingrediente novo em meio aos conhecidos desafios do país, como a corrupção, a violência e a impunidade. Villas Bôas mencionou a "ideologização dos problemas nacionais", numa referência à setores da esquerda e direita que tentam se apropriar de pautas como forma de se promoverem eleitoralmente.

Ao lado do presidente Michel Temer, o general participou de uma solenidade em comemoração ao dia do Exército, o general manifestou sua preocupação com as ‘reais ameaças à democracia'
Em uma mensagem, o comandante da instituição afirmou que o Exército não pode ficar indiferente às ameças e convocou a unidade "para que não retardem o desenvolvimento e prejudiquem a estabilidade". A cerimônia em comemoração ao aconteceu no Quartel General, em Brasília.

— Não podemos ficar indiferentes aos mais de 60 mil homicídios por ano; à banalização da corrupção; à impunidade; à insegurança ligada ao crescimento do crime organizado, observou Villas Bôas inicialmente, mas destacou ""a ideologização dos problemas nacionais" afirmando que"são essas às reais ameaças à nossa democracia e contra as quais precisamos nos unir efetivamente, para que não retardem o desenvolvimento e prejudiquem a estabilidade — disse a mensagem, lida pelo cerimonial do evento e assinada pelo general Villas Bôas.

— O momento requer equilíbrio, conciliação, respeito, ponderação e muito trabalho. Nas eleições que se aproximam, caberá à população definir, de forma livre, legítima, transparente e incontestável, a vontade nacional. Definido o resultado da disputa, unamo-nos como Nação. Será esse o caminho para agregar valores, engrandecer a cidadania e comprometer os governantes com as aspirações legítimas de seu povo. O Exército acredita nesse postulado — concluiu a mensagem.

O alerta sobre o risco da população se permitir dividir por oportunistas que promovem a "ideologização dos problemas nacionais" como marketing político é um recado claro para aqueles populistas não contribuem em nada para o país com oportunismo eleitoral. Os problemas como corrupção, violência e impunidade não estão relacionados com a direita ou a esquerda, como muitos tentam vender. São desafios que vão exigir a união e coesão da sociedade como um todo. A covardia de explorar problemas a partir do viés ideológico é uma prática comum entre aqueles que contestam aqueles que se esforçam para encontrar soluções práticas para problemas concretos do país.

Informe seu Email para receber notícias :