linkaki

Após 13 anos de conivência com os governos corruptos do PT, Camila Pitanga diz que 'Ser brasileiro e negro é quase insustentável'



Após quase uma década e meia ancorada na generosidade dos governos do PT com o dinheiro do contribuinte, a atriz Camila Pitanga voltou a fazer críticas de cunho social envolvendo a questão racial. A atriz, que manteve contratos sigilosos com agências de publicidade suspeitas para fazer propagandas da Caixa, faz parte do clube de artistas órfãos do dos governos do PT e da Lei Rouanet que passaram os últimos anos dizendo que o Brasil é lindo. Bastou acabar as mamatas, e todos passaram a apontar para os problemas que foram negligenciados pelos governos corruptos que defendiam e ainda defendem com unhas e dentes.



A situação atual do país não é de responsabilidade do atual governo. 100% dos bandidos, desassistidos e desesperançados com menos de 20 anos que vivem hoje, e os que morreram, tiveram suas vidas mergulhadas nas tragédias sociais durante os governos do PT de Lula e Dilma. Ao contrário de bilionários como Eike Batista, Marcelo Odebrecht, Léo Pinheiro e Joesley Batista, que assim como os artistas, prosperaram como nunca durante a era PT. Durante este tempo, estavam todos cegos para as questões sociais ou estavam muito ocupados torrando a grana do contribuinte que abastecia suas contas?

A atriz escreveu um artigo para a revista Cosmopolitan do mês de abril, que já está disponível nas bancas. Em seu artigo, Camila Pitanga afirma que  'Ser brasileiro e negro é quase insustentável

"Negros excluídos em lugares sem o básico para sobreviver. A única mão que o Estado brasileiro estendeu à população negra, até o momento, é a que nos açoita. No meu País, a cor da pele determina quem tem três vezes mais chance de ser assassinado. Que igualdade é essa?", questionou.

Quem lê Camila Pitanga, tem a impressão que as favelas brotaram do chão de ontem para hoje e que os pobres do país viviam em coberturas na Zona Sul durante os governos do PT. 

Informe seu Email para receber notícias :