linkaki

Comandantes de Batalhões da PM do Rio envolvidos com crime organizado vão rodar na mão do General Braga



Conforme foi antecipado aqui no Imprensa Viva no dia 16, o general Braga Netto deve substituir vários comandantes de batalhões da Polícia Militar e integrantes da Polícia Civil do Rio de Janeiro, envolvidos com o crime organizado. Dados dos serviços de inteligência das Forças Armadas, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e Polícia Federal serão usados para a identificação da conhecida banda podre das forças de segurança do estado.

Segundo confirmou o Blog do Camarotti, "O interventor federal da segurança pública no Rio de Janeiro, general Braga Netto, vai utilizar o acúmulo de dados de inteligência obtidos no período em que ele foi responsável pelo Comando Militar do Leste para fazer mudanças estratégicas nas polícias do estado".

"Avaliação feita no Palácio do Planalto é de que o grande problema no estado é que os comandos locais, tanto da Polícia Militar quanto da Polícia Civil, nas comunidades e nos bairros, tinha intervenção política"

Além disso, a constatação é de que uma parcela da polícia também tem influência de milícias e até mesmo do crime organizado.

"Como o general Braga Netto atuou no ano passado em operações no Rio por causa das ações da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e em 2016 por causa da Olimpíada, ele acumulou muita informação sobre o funcionamento da segurança pública no Rio e sobre as polícias. Em várias operações, inclusive, foi identificado o vazamento de informação. Será essa inteligência que será utilizada para fazer as mudanças nos comandos locais das polícias, desde as delegacias até postos em comunidades", disse um ministro ao blog.

Além da corrupção de policiais, um ministro apontou como grande problema na segurança pública do Rio a influência política nas nomeações de cargos, tanto na PM quanto na Civil.

"Um vereador em determinada comunidade tem influência total na escolha de policiais que serão lotados nessa comunidade. O governador Pezão não tinha autoridade para barrar essas indicações políticas. Em muitos casos, vereadores tinham relações com a milícia, em casos extremos até mesmo com a contravenção e o crime organizado", observou esse ministro ao blog do Camarotti;

Informe seu Email para receber notícias :