linkaki

Ameaça de Advogados de Joesley Batista funcionou. Antes de conquistar a liberdade, defesa pediu que Fachin intimasse Janot e Marcelo Miller



A ameça velada dos dos advogados de Wesley e Joesley Batista funcionou. Mais cedo, a defesa do açougueiro pediu ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que fossem ouvidos em juízo o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, o ex-procurador Marcelo Miller e outras nove pessoas.

Agora há pouco, o ministro Sebastião Reis Júnior, da Sexta Turma do STJ , votou pela substituição da prisão preventiva de Joesley e Wesley Batista pelas medidas cautelares elencadas pelo relator do HC, Rogerio Schietti. Com um placar de 3 a 2, Wesley voltará para casa.

Segundo informou o site O Antagonista, "Mesmo com a decisão da Sexta Turma do STJ de trocar a prisão preventiva dos irmãos Batista por medidas cautelares, Joesley Batista continuará preso.

Isso porque há outra acusação que pesa contra ele, no caso de omissão de informações ao fechar a delação premiada com a PGR.

O caso julgado hoje pelo STJ diz respeito ao crime de insider trading".

Fachin ainda terá que decidir sobre o pedido de rescisão do acordo de delação premiada do empresário do grupo J&F diante das suspeitas de omissão durante as negociações.

O pedido de Joesley incluia ainda o procurador Eduardo Pelella e o promotor Sérgio Bruno Fernandes, auxiliares de Janot nas investigações; as advogadas Fernanda Tórtima e Esther Flesch, ligadas ao escritório que negociou o acordo de leniência do J&F com o MP; além do próprio empresário e do também delador Ricardo Saud.

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar os indícios de omissão. Algumas das pessoas indicadas por Joesley foram interrogadas pelos policiais. O advogado André Luís Callegari afirmou a que tais interrogatórios atenderam às necessidades da apuração policial e defendeu o direito de os advogados formularem suas questões.

A disposição dos açougueiros da Friboi em meter o pé na jaca acabou gerando o resultado esperado. Estima-se que o corporativismo do Judiciário foi acionado em favor de Joesley e Wesley. 

Informe seu Email para receber notícias :