linkaki

Alerj aprova projeto de lei que obriga supermercados do Rio a venderem bebidas geladas e em temperatura ambiente pelo mesmo preço



Ao que tudo indica, os políticos socialistas continuam tentando interferir nas regras de livre mercado sem a menor cerimônia. Pior exemplo entre as  Assembleias Legislativas de capitais do país, a do Rio de Janeiro acaba de aprovar um projeto de autoria do deputado Paulo Ramos (ex-PDT, ex-PSOL e hoje sem partido), que obriga supermercados do rio a venderem bebidas geladas pelo mesmo preço das bebidas em temperatura ambiente, no caso, cervejas energéticos e refrigerantes.

O projeto de lei 2.848/14, do deputado Paulo Ramos, aprovado ontem na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), proíbe a diferenciação de preços entre bebidas com temperaturas diferentes por hiper e supermercados do Rio.

Pela proposta, em caso de descumprimento da norma, o infrator poderá sofrer penalidades previstas pelo Código de Defesa do Consumidor. O autor do projeto explica que, de acordo com os órgãos de defesa do consumidor, é crescente o número de reclamações de cariocas diante da diferença de preço cobrada pelo comércio. Não se sabe se o parlamentar apresentou dados sobre a malandragem da população do Rio ou se está legislando em causa própria. O fato é que o custo para refrigerar bebidas eleva em pelo menos 20% o custo do produto, devido ao alto custo da energia elétrica no país.

Segundo o deputado socialista, "O consumidor é extorquido. Pagar mais porque a bebida está gelada é um exagero muito grande, então o objetivo é equiparar o preço" afirmou Ramos.

O texto ainda precisa ter sua redação final votada pela Casa antes de ser enviado para sanção do governador. A estupidez do projeto é gritante. Caso seja aprovado, as consequências da intervenção de políticos demagogos no mercado podem recair sobre o próprio consumidor. As empresas poderão aumentar suas margens de lucro nas bebidas em temperatura ambiente ou simplesmente deixarem de oferecer a opção de bebidas geladas.

Os parlamentares da vergonhosa Alerj se esquecem que, ao menos na iniciativa privada, o dinheiro não aceita desaforos.

Informe seu Email para receber notícias :