linkaki

O ex-presidente Lula é tão réu, mas tão réu, que deveria mudar seu nome para Luis Inácio Réu da Silva



Quando alterou judicialmente seu nome de Luiz Inácio da Silva para Luiz Inácio Lula da Silva nos anos 80, o ex-presidente Lula já cultivava um ambicioso projeto de poder. A mudança de nome era estratégica. Seu objetivo era se vender como uma alternativa aos intelectuais da esquerda caviar que se preparava para fundar o PT. Os jovens ricos, que tiveram a grande ideia de fundar um partido para chamar de seu enquanto tomavam seus cafés nos bares franceses, já haviam definido que usariam alguém com cara de povão para ser o porta voz da legenda. Luiz Inácio tinha todos os requisitos para ser o 'garoto' do PT. Falava errado, andava esculachado costumava vencer debates sobre questões mais complexas com uma simples metáfora futebolística.

Não é por acaso que o petista é comparado com um pombo até os dias de hoje. O conceito psicológico do complexo do pombo enxadrista, síndrome do pombo enxadrista ou complexo do pombo xadrezista foi criado na Internet como uma ironia com uso expansível a determinada atitude tomada em qualquer debate. É usado para descrever o comportamento de um dos lados em uma discussão, onde um lado (invariavelmente o menos provido de referências e bases técnico-científicas, ou formalismo), sem mais contra-argumentos, age com infantilidade.

Seu comportamento é descrito pela seguinte frase:

Discutir com Fulano é o mesmo que jogar xadrez com um pombo: ele defeca no tabuleiro, derruba as peças e sai com o peito estufado cantando vitória.

Lula (direita) e outros sindicalistas barrados numa
das reuniões de fundação do PT no tradicional
colégio burguês Sion, SP.
Os fundadores do PT chegaram a fazer um concurso para escolher o seu "Zé Carioca". Foram várias reuniões em que eram avaliados perfis de líderes sindicais do país. Era quase um concurso de "Miss Proletariado". A opção inicial de um grupo foi o nome de Jair Antonio Meneguelli, homem de origem humilde, sem nível superior, líder sindical do ABC, grevista,  presidente do sindicato dos metalúrgicos ão Bernardo do Campo e Diadema, enfim. Tinha o perfil idealizado pelos intelectuais findadores do PT.

Jair Antonio Meneguelli e Lula
Outro grupo defendia o nome de Lula. homem de origem humilde, sem nível superior, líder sindical do ABC, grevista,  presidente do sindicato dos metalúrgicos ão Bernardo do Campo e Diadema, tudo como mandava o figurino. O único problema é que Lula tinha a língua presa e isso não agradava alguns burgueses do partido, que preferiam Meneguelli.

Um dos fatores que pesaram contra o rival de Lula foi justamente seu sobrenome. Era meio italiano. Da Silva soava muito melhor. Assim, Lula foi o escolhido para projetar o partido junto à classe trabalhadora.

Lula acabou sendo o escolhido pelos intelectuais do partido, que começaram a pavimentar o caminho do petista, rumo à Presidência da República. Ao se tornar o principal elemento de um ambicioso projeto de poder, Lula passou a ter uma vida boa. Ex-companheiros dizem que o sindicalista mudou muito a partir daquele momento. Lula teria se tornado arrogante, ambicioso e já naquele tempo se portava como um sujeito muito poderoso.

Passados mais de 37 anos, praticamente todos os planos de Lula e do PT acabaram dando certo. Pelo menos até certo ponto, é claro. Lula não imaginava que surgiria um juiz de primeira instância tão determinado a desvendar seus crimes e de seus colegas de partido. Nem em pesadelos, Lula imaginou que se tornaria réu em tantas ações penais.




Informe seu Email para receber notícias :