linkaki

Lula já devolveu os objetos que roubou do Palácio do Planalto, Mas onde foram parar centenas de bebidas que levou para o sítio em Atibaia?



O ex-presidente Lula deve ser condenado nos próximos dias em mais uma ação penal em que figura como réu. O juiz Sérgio Moro começa a ouvir sete testemunhas do caso do sítio de Atibaia duas semanas após o julgamento do recurso de Lula no caso do triplex do Guarujá. É de longe, o caso mais temido pelo ex-presidente e pelos dirigentes do partido. A defesa de Lula também não conseguiu conceber uma narrativa que justifique o recebimento de tantas vantagens indevidas pelo cliente.

Moro aceitou em agosto, a denúncia do Ministério Público Federal contra o petista por corrupção e lavagem de dinheiro nas obras do sítio no interior de São Paulo.

Lula já foi obrigado a devolver os objetos de ouro que roubou dos Palácios do Planalto e da Alvorada. Mas até o momento, não se sabe qual foi o destino dado às bebidas armazenadas no sítio Santa Bárbara em uma adega construída especialmente para abrigar as bebidas do ex-presidente.

Mais de 200 caixas com pertences da família do ex-presidente foram levadas de Brasilia até o o sítio em Atibaia — 37 delas eram caixas de bebidas, conforme registraram, cuidadosamente, os funcionários encarregados de fazer a mudança. Os documentos com o registro da mudança estão arquivados na Presidência da República.

A entrega em Atibaia se deu em 8 de janeiro de 2011, dois meses após a compra do sítio, feita em nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar, sócios do filho mais velho de Lula. No sítio, a carga foi recebida por um ex-assessor especial de Lula.

A empresa Granero Transportes admitiu, em nota, que entregou 99 caixas de bebida, em junho de 2012, em um sítio em Atibaia (SP). "A adega do ex-presidente da República foi transportada para sítio localizado na região de Atibaia/SP. Por orientação do cliente, o veículo da empresa transportadora seguiu o recebedor Rogério Aurélio Pimentel até o local da entrega", diz trecho do documento.

A lista é extensa e inclui vinhos, champagnes e espumantes de diversas origens –desde bebidas do Brasil até da Argentina, França, Espanha e Itália, por exemplo. .

A relação também inclui cachaças e destilados, como as cachaças A Locomotiva e Triumpho, destilado chinês, vodca Stolichnaya e rum El Dorado (deste último foram registrados 29 exemplares na lista).

Onde foram parar milhares de garrafas de bebidas avaliadas em meio milhão de reais?

Informe seu Email para receber notícias :