\imprensa Viva
.

"Artista que se beneficiou de recursos tem que mostrar a cara sim e defender Lula e o PT", diz dirigente do partido



O clima de controvérsias envolvendo o leque de opções do PT para as eleições presidenciais de 2018 tem causado rebuliço entre dirigentes do partido. Enquanto uma corrente da legenda defende a tese de virar a página com Lula e partir para uma candidatura alternativa, como Ciro Gomes, Guilherme Boulos ou Fernando Haddad, outro grupo insiste em levar a candidatura do ex-presidente condenado até as últimas consequências.

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann já deu o tom de como a legenda deverá reagir, caso Lula seja condenado na Segunda Instância e se torne inelegível antes de registrar sua candidatura em 2018. Segundo a senadora, "o partido não reconhecerá uma eventual condenação de Lula pela Lava Jato.

A ex-presidente Dilma Rousseff também defende a transgressão da Lei da Ficha Limpa e acredita que a candidatura de Lula provocará uma tensão cada vez maior entre as instituições do país. Este é exatamente o objetivo do ex-presidente. Ao tentar impor seu nome mesmo diante de uma condenação em Segunda Instância, Lula persegue dois objetivos distintos: o primeiro, e mais importante para ele no momento, é transferir sua defesa da esfera criminal para o campo político, e assim conseguir minimizar condenações inevitáveis. O segundo é construir uma narrativa de que ele e o PT foram impedidos de disputar as eleições e usar este discurso para tentar eleger seu eventual substituto.

Há poucos dias, uma série de controvérsias em torno da figura do cantor Caetano Veloso também gerou debates calorosos no partido. Bandeado para o lado de Guilherme Boulos, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, MTST, o canto declarou que pretende votar em Ciro Gomes.

Segundo um dirigente do PT, Caetano está inserido no contexto de debates internos em torno do apoio a lideranças alinhadas com os projetos do partido para 2018. Tanto Boulos quanto Ciro fazem parte da reserva estratégica do PT e os artistas que se beneficiaram de recursos públicos durante os governos de Lula e Dilma têm obrigação de assumir e defender as bandeiras do partido.

"Tem que mostrar a cara sim. Tem que assumir que está do nosso lado. Ao contrários de alguns artistas petistas históricos, Caetano não recuou de seus compromissos", reclamou o dirigente, numa possível referência ao cantor Chico Buarque, que desde que lançou seu último disco, tem evitado se manifestar em defesa do PT e de suas lideranças. O ator Wagner Moura, que anda tentando viabilizar a captação de R$ 9,77 milhões por meio da Lei do Audiovisual junto ao governo Temer é outro que anda meio 'desmobilizado".
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget