\imprensa Viva
.

Após se reunir escondido em boteco com advogados de bandidos e jogar nome no MPF na lama, Janot critica novo diretor da PF



Responsável pelo acordo de delação premiadíssima que tentou conceder imunidade eterna aos criminosos da JBS, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, teceu críticas ao novo diretor-geral da PF, Fernando Segovia, que comentou as irregularidades flagrantes no acordo criminoso celebrado com os dirigentes da JBS, que resultaram em duas denúncias sem provas contra o presidente Michel Temer.

Janot é o mesmo que jogou o nome do Ministério Público Federal na lama ao se encontrar escondido em um boteco com o advogado de Joesley Batista na véspera da prisão do criminoso. O ex-procurador também é o responsável pelo maior abalo na reputação da Operação Lava Jato, nome que ele usou para tentar dar credibilidade ao escandaloso acordo que firmou com os açougueiros criminosos de Goiás.

Apontado como pau mandado de Joesley Batista e articulador das fraudes para aprovar o acordo de delação premiada do bilionário, Janot acusou o novo diretor-geral da PF de se pronunciar a mando de seus superiores, insinuando que Fernando Segovia não possui conhecimento sobre as operações da Polícia Federal.

— Ele é mesmo um pau mandado — disse Janot, tentando desqualificar antecipadamente Fernando Segovia, o homem que deve determinar uma investigação da PF sobre seus desmandos na PGR, caso a instituição seja recomendada neste sentido. Janot sabe que esta é uma possibilidade cada diz mais provável e agora tenta de todas as formas colocar o MPF contra a Polícia Federal, visando se proteger debaixo das saias da instituição que tanto desonrou.

Embora ainda tenha aliados na PGR, o ex-procurador é visto como um covarde oportunista pela maioria dos colegas, que até hoje não se conformaram com o fato de Janot passar quatro anos à frente do órgão poupando criminosos do PT, como Lula e Dilma. "Ele tem tanto respeito pela instituição, que sequer compareceu à posse de sua sucessora e ainda mentiu, dizendo que não foi convidado", diz um procurador que chegou a integrar a equipe de Janot em 2015.

Segundo Segovia, Janot foi o responsável por encerrar a investigação prematuramente, com pressa de denunciar o presidente Michel Temer e que Joesley (Batista, dono da JBS) sabia quando iria acontecer (a divulgação da delação) para ganhar milhões no mercado de capitais — confirmou  novo diretor-geral da PF.

Janot também tentou desacreditar seu ex-braço direito, Marcelo Miller, que o ajudou a acelerar o acordo de delação dos criminosos da JBS. Segundo Janot, Marcelo Miller foi ganancioso ao correr para trabalhar na empresa enquanto ainda era procurador da República. Seu ex-braço direito rebateu as acusações, desmentindo Janot, que está cada vez mais cercado de desavenças, contradições e embaraços que podem lhe custar a liberdade. Ainda não se sabe quanto Janot levaria dos cerca de R$ 15 milhões supostamente oferecidos por Joesley a seu ex-braço direito. Segundo o próprio Joesley, o prêmio do ex-procurador poderia ser bem maior. O açougueiro confirmou em gravação que Janot queria derrubar Temer para assumir seu cargo ou poder indicar um sucessor, e assim manter o controle da PGR.


_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget