\imprensa Viva
.

Joesley Batista possui gravações pesadíssimas com Lula e Dilma. Papo de bandido mesmo, diz fonte



Na nova gravação descoberta pela Polícia Federal entre o empresário Joesley Batista e o ex-diretor da JBS, Ricardo Saud, ficou claro que os dois tinham como hábito gravar praticamente todos seus interlocutores. Na gravação, Joesely confirma que após a divulgação de seu acordo de delação, os dois jamais irão conseguir voltar a fazer "negócios" recorrendo a este tipo de expediente.

"Porque ninguém mais vai fazer rolo com você. Ninguém vai ter coragem de ter uma conversa meio assim com você... "rapaz, esses caras denunciaram presidente da República, tá louco? vai fazer rolo com esses caras?" Ou seja, nós nunca mais vamos ganhar a vida fazendo rolo. Pronto", reconheceu Joesley. 

Na mesma gravação, Joesley admite que estava disposto a colocar tudo a perder em troca da imunidade negociada com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Porra! Virar essa página, nem lembrar disso mais nunca... E nós não vamos poder mais fazer rolo mesmo. Acabou. Com essa história aqui, acabou. Nós não vamos fazer rolo mais nunca.

— Até porque ninguém vai querer fazer com a gente mesmo — completa o executivo Ricardo Saud.

Os investigadores agora pretendem ter acesso a outras gravações que Joesley teria levado para os Estados Unidos, logo após ter firmado seu acordo de delação. Como as conversas que teve na mesa redonda do gabinete presidencial com a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula”

Joesley era um gravador compulsivo e possuía vários dispositivos baratos, mas impossíveis de serem detectados pelos sistemas de contenção e varredura do Palácio do Planalto, onde tratou de negócios ilícitos com Lula, Dilma e várias ministros petistas, como Guido Mantega, Antonio Palocci e José Eduardo Cardozo. 

Joesley já confirmou em entrevista sobre uma das reuniões em que tratou com Dilma Rousseff sobre a conta corrente de propina que mantinha com o ex-ministro Guido Mantega e cujo saldo era de R$ 300 milhões, a maior fonte de receita do PT em 2014.

“Confirmei com a Dilma porque ela me pediu R$ 30 milhões para o [governador de Minas Gerais, Fernando] Pimentel. Aí me senti na liberdade de explicar.”

A conversa, segundo Joesley, foi “no Palácio do Planalto”, “na mesa redonda do gabinete presidencial”.

“Expliquei: acabou o dinheiro. Ela ouviu e falou: ‘Tá bom. Pode fazer’. Foi o último dinheiro. Estava no final da campanha.” Segundo o próprio Joesley, não se tratavam de conversas republicanas. Era papo de bandido mesmo que ele tinha com Lula, Dilma e os ministros do PT.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget