\imprensa Viva
.

Acabou. A conspiração inútil e criminosa que tirou seis meses da vida do país. Entenda o que aconteceu de fato



A derrota da segunda denúncia do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janto, contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados encerra um dos mais tristes episódios da história da República.

O Brasil testemunhou a torpe iniciativa de grupos de comunicação mancomunados com setores do judiciário e criminosos da JBS que tinha por objetivo derrubar um presidente meramente transitório. A vergonha está com todos aqueles que se uniram em torno da mais vergonhosa manobra para a tomada do poder do país, faltando tão pouco tempo para as eleições de 2018.

O momento não poderia ter sido pior. O país experimentava uma retomada acelerada no crescimento da economia, na geração de empregos e na queda dos juros. Tudo foi praticamente interrompido ou reduzido ao longo dos seis meses, entre a divulgação da Globo de uma transcrição falsa e a votação da segunda denúncia na Câmara, nesta quarta-feria, 25.

A manobra ambiciosa e irresponsável, que tinha tudo para fracassar na cabeça de pessoas racionais,  naufragou justamente por se tratar de algo inverosímel, vazia de provas e movida justamente pelos cúmplices dos governos corruptos do PT de Lula e Dilma, que assaltaram os cofres públicos ao londo da última década e meia.  Praticamente todos os que votaram contra Temer pediram a volta de Dilma e do PT ao poder. Quase todos são críticos do juiz Sérgio Moro. Quase todos foram financiados pelos açougueiros criminosos da JBS. Quase todos queriam a volta do imposto sindical, do dinheiro do BNDES para a Globo, a volta da Lei Rouanet e da esquerda corrupta aos cargos públicos nos ministérios, nas secretarias, na Petrobras, na Caixa.

Apesar de todo esforço da Globo, dos jornalistas de aluguel a serviço dos especuladores do mercado financeiro, a população não acreditou na trama criada na PGR por Janot e o criminoso Joesley Batista. A população não engoliu que Temer era o chefe da organização criminosa que saqueou o país ao longo dos últimos treze anos, enquanto a mesma imprensa tenta vender o ex-presidente Lula, um criminoso condenado, como o candidato favorito para se tornar o próximo presidente do Brasil. A população sabe que tem muita gente com o rabo preso com Lula. São empresas, meios de comunicação, deputados, bancos e partidos que participaram da aventura para derrubar o presidente da República e devolver o poder aos mesmos corruptos de sempre.

Obviamente, o objetivo era tirar das mãos do eleitor a chance de escolher o próximo presidente em 2018. Ao colocar um outro qualquer no lugar de Temer, fosse o próprio Janot, Henrique Meirelles ou Nelson Jobim, todos os meios de comunicação passariam a celebrar os 'feitos e conquistas' do novo presidente, que teria a máquina pública nas mãos para se promover e se cacifar para vencer as eleições de 2018, agora com o apoio maciço da imprensa e de todos os partidos que não tem qualquer chance de voltar ao poder, como o PT. PSOL, REDE, PCdoB, PDT, além do apoio irrestrito dos famigerados movimentos sociais e sindicais, como CUT, UNE, MST, MTST e outros coletivos controlados pelo PT e a esquerda brasileira corrupta. O eventual sucessor de Temer, caso o golpe tivesse prosperado, teria ainda o apoio dos artistas órfãos da Lei Rouanet, dos intelectuais do PT e de praticamente todos os jornalistas de aluguel que participaram da campanha vergonhosa pela recuperação do poder, do prestígio e das regalias dos tempos dos governos petistas.

A imprensa tem acusado Temer de fazer justamente o pouco que lhe restou diante de uma conspiração tão ardilosa, violenta e covarde: se defender. De acordo com o pensamento dos cínicos, todos esperavam que o presidente cruzasse os braços, se desse por derrotado e permitisse que a conspiração prosperasse. De acordo com as matérias veiculadas na imprensa, Temer não tinha o direito de se defender e deveria ter 'cooperado' com a conspiração que pretendia tirá-lo do governo. O propósito das denúncias ineptas e inconstitucionais era justamente o de provocar o caos no país e a renúncia de Temer.

O que eles não esperavam acabou acontecendo. Temer resistiu, desmascarou a todos os conspiradores, desafiou os golpistas e ainda conseguiu avançar com reformas importantes, gerar mais empregos, baixar os juros e reduzir a inflação, para a ira dos especuladores e rentistas milionários que viviam da desgraça dos pobres.

Para piorar, a população também não aceitou participar da campanha vergonhosa dos conspiradores e não tendeu aos seus apelos para ir às ruas pedir a saída do presidente. Mesmo aqueles que criticam o atual governo ficaram com um pé atrás, divididos entre suas paixões ideológicas e os fatos: Temer promoveu a mais fantástica recuperação da economia após a maior recessão da história do país. Tendo em vista estes fatos, além da falta de robustez das denúncias, os defensores do governo, os críticos do governo e aqueles que ainda têm dúvidas preferiram seguir seus instintos de sobrevivência e ficaram em casa.

A conspiração fracassou, mas o ódio dos derrotados não. Apesar de terem tendado destruir o país, de provocar o caos apenas para voltarem ao poder, estes grupos não vão se dar por vencidos. Vão passar mais um ano tentando desestabilizar o país com fofoquinhas, insinuações maldosas, mentiras e outros artifícios imorais, covarde e típicos de pessoas inescrupulosas que não se importam nem um pouco com os milhões de brasileiros que lutam com dificuldade para viver com dignidade. Contrariando as expectativas dos carniceiros da imprensa, a denúncia de Janot contra Temer foi arquivada nesta quarta-feira, 25 de outubro.

Os abutres da nação, acostumados a vender carne podre e cara ao povo, apenas levantaram voo, mas continuam perscrutando seus alvos. Os covardes são sempre os últimos a sucumbir. 
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget