\imprensa Viva
.

Segundo o Estadão, candidatura de Lula à Presidência é um insulto aos brasileiros.



Há poucos dias, antes do ex-presidente Lula ter sido formalmente condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o Estadão havia publicado um duro editorial, criticando o cinismo do petista em se anunciar pré-candidato à Presidência em 2018.

De lá para cá, a situação vexaminosa do petista perante o Brasil e o mundo tornou-se ainda mais embaraçosa com os depoimentos do ex-ministro Antonio Palocci, os recibos de propinas entregues à Justiça por Marcelo Odebrecht e o segundo interrogatório de Lula com o juiz Sérgio Moro. O petista não soube explicar uma série de fatos criminosos e ainda ouviu do magistrado sobre sua convicção de que ele é culpado pelos crimes que foi condenado na ação do triplex.

Como se não bastasse o rol de crimes vergonhoso, Lula e sua sucessora Dilma Rousseff ainda afundaram o país na maior recessão de sua história, deixando 14 milhões de desempregados. Mas como tudo que vem dessa gente, Lula e seus cúmplices sequer reconhecem a responsabilidade pelo caos que mergulharam o país. No lugar de ajudar o Brasil a superar as dificuldades que eles mesmos criaram, insistem em seus discursos odientos, desfilando um cinismo e o escárnio que lhes são peculiares.

Segundo o editorial do Estadão, "No momento em que as enormes dificuldades e incertezas da conjuntura política, econômica e social do País não encorajam previsões auspiciosas de um Feliz Ano Novo, soa como escárnio a desfaçatez com que o Partido dos Trabalhadores vem a público para confirmar a intenção de lançar a pré-candidatura de Lula à Presidência da República “com um programa de reconstrução da economia nacional”. Diante de toda a tragédia na vida dos brasileiros patrocinada pelo PT, o presidente nacional do partido, Rui Falcão, ainda tem a desfaçatez de afirmar que seu líder é uma “vítima”, mesmo estando Lula por trás de praticamente todos os esquemas de corrupção revelados pela Operação Lava Jato ao longo de mais de dois anos de investigação.

"É um desafio estimulante imaginar qual possa ser o “programa de recuperação da economia” a que se refere o alto comissário petista. O País tem um governo em exercício há menos de oito meses, encabeçado por Michel Temer, cuja prioridade tem sido criar condições exatamente para resgatar dos escombros o que sobrou da economia nacional, varrida pela “nova matriz econômica” que Dilma Rousseff tirou da manga do colete. Talvez os petistas tenham em mente agora uma “novíssima matriz econômica”, já que nem mesmo um surto de insanidade poderia justificar a repetição de um erro pelo qual pagam hoje, de modo muito especial, mais de 12 milhões de brasileiros desempregados"


O Estadão questiona  "qual a credibilidade do PT para propor qualquer coisa na área econômica depois de ter praticamente destruído o mercado brasileiro com sua obstinação pela concentração de poderes nas mãos de um governo que prometia “distribuir” a riqueza mas acabou dizimando o que compartilhar? Pior: um governo que liberou os cofres públicos a políticos e empresários corruptos, todos eles beneficiários de uma promiscuidade que, a partir do Palácio do Planalto, alastrou-se como nunca antes na história deste país por todos os desvãos da administração federal direta e indireta.
O lançamento da pré-candidatura presidencial de Lula, na verdade, é o derradeiro recurso do PT para garantir a sobrevivência política de ambos: o partido e seu líder maior. Do ponto de vista eleitoral, até onde a vista alcança deverá prevalecer o veredicto selado nas urnas municipais de outubro, que transformou o PT exatamente naquilo que sempre usou para desqualificar as legendas concorrentes: um partido sem votos.

Segundo o jornal, "A pré-candidatura presidencial de Lula – cuja imagem, como sempre, sobrepaira à de seu partido – serviria, pelo menos, para lembrar à militância que o PT ainda existe.
Ocorre que é no mínimo improvável que Lula consiga sobreviver ileso à Lava Jato. Foi-se o tempo em que os figurões da República estavam fora do alcance da Justiça. Hoje as cadeias estão abarrotadas de vereadores, prefeitos, deputados, senadores, governadores, juízes, executivos, donos de grandes corporações privadas e criminosos do colarinho branco das mais variadas extrações, a maior parte lá colocados a partir do advento da Operação Lava Jato.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget