\imprensa Viva
.

Não há nada na consciência que não tenha estando antes nos sentidos. Quem forma sua opinião? A Globo, Janot ou o PT?



Milhões de brasileiros estão fazendo o jogo dos esquerdistas corruptos e ainda não se deram conta. Milhões de pessoas deram as mãos aos defensores dos responsáveis pela maior recessão da história do país e agora se voltam justamente contra o carrasco de Dilma, Lula e do PT. Milhões de pessoas que cometem pequenos atos de corrupção guiados por corruptos contumazes que pregam uma solução mágica, mesmo sabendo da inexistência de um santo puro e imaculado. O Brasil que se dane.

Fica claro perceber como as pessoas caem feito patinhos na conversa fiada da Rede Globo, dos especuladores e rentistas descontentes com a redução dos juros, da inflação e do dólar, dos sindicalistas que perderam a mamata do imposto sindical. Todos fingem ignorar que o atual governo está conseguindo grandes progressos na área econômica, banindo privilégios de milhões de membros da elite do funcionalismo público com as privatizações, limitando o teto dos gastos e modernizando as relações trabalhistas obsoletas que vigoravam há mais de 70 anos.

É fato que o governo já gerou mais de 1 milhão de empregos com careira assinada. É fato que a economia está se reaquecendo com os investimentos e o retorno do consumidor ao mercado de consumo. Absolutamente todos os números da economia, da Bolsa de Valores, da produção agrícola, das exportações e da da produção industrial são positivos. Recordes históricos em apenas um ano de governo é algo excepcional.

Mas milhões de brasileiros se deixaram seduzir pela Globo, que perdeu metade das receitas publicitárias, por sites controlados por especuladores do mercado financeiro e por órfãos da Lei Rouanet, do imposto sindical, das mamatas no BNDES e do dinheiro do contribuinte que financiava os ativistas dos movimentos sociais. A maior parte da sociedade caiu na armadilha dessa gente, que em conluio com os criminosos da JBS, tramaram a maior conspiração da história, envolvendo toda a mídia, setores do judiciário e a esquerda, para derrubar um governo que está fazendo muito mais que todos seus antecessores juntos.

Não há nada na consciência que não tenha estado antes nos sentidos. Você sabe o que é um Durião? Se não sabe é por que ele nunca foi oferecido aos seus sentidos, daí esta expressão de estranheza. Ele não está em sua consciência e você não pode nem sonhar com ele. Você nunca viu, tocou, cheirou, provou ou ouviu seu barulho. No entanto, a mente das pessoas está repleta de imagens sugestivamente negativas sobre Temer. Quem as está plantando conhece a natureza de reféns dos sentidos e sua incapacidade de intuir por si só.

Quem está colocando o Brasil contra um presidente meramente transitório, que não tem pretensões políticas, que está conduzindo o país com relativo sucesso até as eleições de 2018, que está logo ali? O que este conciliábulo ganha com esta conspirata? Quem pretendem colocar no lugar de Temer? Com que propósito? Por que estes atores são os mesmos que tentam sabotar Moro, como Janot e suas urdiduras para o magistrado e a Globo, que finge ignorar a existência do maior símbolo do combate à corrupção do Brasil?

O fato é que, ao contrário da maioria dos políticos brasileiros, inclusive muitos ministros de seu governo, Temer é um dos únicos que nunca foi acusado de nenhum crime ao longo de mais de 40 anos de vida publica. É reconhecido como um homem que sempre zelou por sua biografia e que contribuiu com o avanço do país através de sua influência no Congresso ao longo dos últimos vinte anos. Não é surpreendente que ele tenha se tornado alvo de tantas acusações ao longo dos últimos 4 meses? O Brasil inteiro surfou na onda gigantesca criada pela Rede Globo, Janot e Joesley. A onda que permitiu que milhares de especuladores faturassem milhões durante o caos no mercado financeiro. A mesma onda que afetou o ritmo de recuperação da economia do país e prejudicou milhões de empreendedores, pequenos comerciantes e adiou investimentos importantes para a retomada do crescimento. A mesma onda que Temer resistiu bravamente,.

Absolutamente tosas as mentiras plantadas por Janot e os açougueiros da JBS, propagadas de forma apocalíptica pela Globo e seus satélites foram desmontadas pelo próprio Temer. Foi ele que denunciou a trama entre procuradores da República e os criminosos da Friboi para gravá-lo e tentar incriminá-lo, sem sucesso. Se Joesley realmente tinha abertura com Temer para tratar de esquemas de corrupção, por que teriam mantido aquela conversa de cerca Lourenço, sem falar nada de específico, de forma clara e direta? Temer denunciou ainda que os criminosos faturaram milhões especulando no mercado financeiro, após implantarem o caos no Brasil para exigir sua renúncia.

Até o momento, Temer conseguiu provar que estava certo e que todos os demais que o acusavam estavam não apenas errados, mais agiram de forma criminosa contra o país, contra a economia e contra as instituições. Isto é fato. Apesar da clareza de todos estes fatos, os mesmos criminosos, os mesmos cínicos da imprensa, dos blogs do mercado financeiro e os mesmos facínoras dos meios de comunicação insistem em arrastar o país para o caos antes mesmo das eleições de 2018? Com que propósito? O mais impressionante nisso tudo é perceber que a maioria dos brasileiros é mesmo formada por marionetes que vão para onde mandam e pensam como os conspiradores querem que eles pensem. São milhões de pessoas que não têm sequer a coragem de refletir e formar suas próprias opiniões com base em suas conclusões. Não é por acaso que o Brasil chegou onde chegou.

Até que se prove o contrário, o Site Imprensa Viva se manterá na trincheira defendendo o que for melhor para o país, como tem sido desde o dia 17 de maio. Até que as coisas sejam devidamente esclarecidas, como boa parte já foi, a linha editorial em favor do Brasil. Entre fazer coro com os criminosos da esquerda e seus simpatizantes da imprensa, o Imprensa Viva permanecerá ao lado da minoria que ainda pensa e que torce para que o país atravesse esta triste passagem de sua história de forma menos traumática possível. Aqueles que preferem ser teleguiados pela Globo, pelo PT, PSOL e a corja de cúmplices da roubalheira do PT ao longo de mais de uma década e meia, que continuem torcendo contra o Brasil, mesmo sem saber como toda esta narrativa conspiratória acabou entrando em suas cabeças.







Aos fatos. O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, notório protetor de Lula e do PT durante os quatro anos que comandou a PGR. Embora tenha sido forçado a cumprir os ritos e processos legais, Janot nunca deixou de manifestar seu ressentimento contra o PMDB. Em sua última denúncia contra o presidente Temer, dois dias antes de deixar o cargo, o procurador-geral usou a instituição para fustigar o chefe do executivo com suposições de crimes anteriores ao seu mandato. Isto  é inconstitucional, mas a constituição também assegura que o PGR tem o poder de denunciar o chefe do executivo. Como cabe à Câmera dos deputados aceitar ou não a denúncia, Janot usou de má fé apenas para provocar um desgaste político no governo de forma claramente vingativa. Conhecedor dos trâmites da denúncia, Janot sabia claramente que era dever do STF assegurar  que a denúncia fosse remetida à Câmara.

Caso o governo tivesse minoria no Congresso, a denúncia seria aceita e Temer seria afastado por seis meses. Somente após isso, o Supremo Tribunal Federal poderia analisar a denúncia e consider-a-la inepta. Por mais que o STF tenha sido dominado por ministros bolivarianos, Temer seria inocentado pela larga ausência de provas constantes da denúncia. Mas o estrago em sua imagem e na economia do país seria irreversível neste cenário.

Haveria ainda uma possibilidade bem mais catastrófica para o país. Caso o STF bolivariano resolvesse julgar Temer culpado, mesmo diante da ausência de provas o das flagrantes arbitrariedades na forja de outros elementos, haveria uma ruptura do Estado de Direito. Neste cenário, caberia às Forças Armadas garantir a observância à Constituição, às Leis e a Ordem. As Forças Armadas não ficariam de braços cruzados, enquanto instituições aparelhadas pela esquerda derrubam um presidente constitucionalmente legítimo, para colocar um outro mais simpático à causa seu lugar.

Janot não esconde o ódio de Temer em sua última denúncia quando afirma que "em 29.03.2016, o PMDB decidiu deixar formalmente a base do governo e, em 17.04.2016, o pedido de abertura de impeachment da Presidente Dilma Rousseff foi aprovado pela Câmara dos Deputados”. Está lá para quem quiser ver.

Ainda segundo o ex-procurador-geral, ainda em relação a fatos estranhos ao atual mandato de Temer e notadamente relacionados com a corrupção endêmica do governo Dilma "as campanhas eleitorais de 2014 tiveram a maior arrecadação histórica de dinheiro repassado por empresas o que, segundo ele, “certamente é fruto do vasto esquema criminoso montado nos mais diversos órgãos e empresas estatais”. Ele apontou que só o PMDB teve incremento, em 2014, de R$ 122,7 milhões em relação aos valores recebidos em 2010". O emprego do termo "certamente" é de uma vilania atroz, levando em conta que Janot tinha plena consciência da ineficácia formal de sua denúncia, lida e relida à exaustão pelos jornalistas da Globo. Estranhamente, Janot passou praticamente quatro anos na PGR ignorando as atividades da organização criminosa comandada por Lula e Dilma.

No caso da primeira denúncia, amplamente rejeitada pela Câmara dos Deputados, a situação foi ainda mais grave e envolveu outros atores para lá de suspeitos. Janot usou seu braço direito da PGR, o ex-procurador da República Marcelo Miller, para tramas uma conspiração com os criminosos da JBS, tradicionais aliados do PT de Lula e Dilma. Coube à MIller instruir o açougueiro Joesley Batista a gravar Temer com o intuito de arrancar algum diálogo comprometedor. Miller se reuniu com Joesley na véspera da gravação feita pelo açougueiro no Palácio do Jaburu.

Mas para conseguir chegar lá, teria que Joesley atrair o então assessor do presidente, Rodrigo Rocha Loures, oferecendo o prêmio de R$ 500 mil, caso conseguisse agendar um encontro com Temer. Segundo fontes da própria PGR, o açougueiro alegou que não queria expor seu ex-funcionário Henrique Meirelles, mesmo tendo este participado eventualmente do convencimento de Temer em receber Joesley. Este tipo de lobby é comum em Brasília. Pessoas que querem contato com autoridades assediam seus assessores, parentes ou pessoas próximas, oferecendo dinheiro em troca de um agendamento de um encontro ou reunião formal.

Rocha Loures teria caído feito um patinho na armadilha engendrada no seio da PGR por  Janot, Marcelo Miller, Joesley Batista e Ricardo Saud, ex-diretor da JBS, os dois últimos foram presos no último mês.

A conspiração parecia perfeita. Joesley tinha uma gravação, que embora não continha absolutamente nada de incriminador, mas combinada com o flagrante forjado de Rocha Loures correndo com uma mala com R$ 500 mil pelas ruas de São Paulo, causaria um impacto muito maior e conferiria credibilidade à acusação que estava sendo forjada. Faltava apenas um ingrediente nesta trama: um grande grupo de comunicação para vazar tudo e pedir a renúncia imediata de Temer.

Este papel sórdido foi desempenhado pela Rede Globo de forma mais que espetaculosa. A empresa dos irmãos Marinho não apenas vazou as informações sigilosas, como também adulterou a transcrição da gravação feita por Joesley. Como não havia nada que incriminasse Temer no teor dos diálogos, a Globo divulgou uma versão afirmando que Joesley falava claramente com Temer que estava pagando R$ 500 mil por mês para o ex-deputado Eduardo Cunha ficar calado sobre os supostos esquemas do presidente com Joesley. Na transcrição criminosa da Globo, divulgada com todo estardalhaço nos plantões do Jornal Nacional, Joesley ainda falava com Temer que precisava que ele ajudasse a resolver seus problemas no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) órgão de fiscalização vinculado ao Ministério da Justiça.

Foi justamente com base nesta transcrição falsa de uma gravação forjada que a Globo colocou todos seus empregados e empresas satélites para pedir a renúncia imediata de presidente. Vários ministros se reuniram com Temer e o aconselharam a renunciar. Afirmavam que a situação estava insuportável, que o caos havia se instalado no mercado e que ele não teria energia para lutar contra forças tão poderosas. Temer estava inconsolável e afirmava que não tinha tido aquele tipo de conversa com Joesley. Que não havia dito nem ouvido do açougueiro nada daquilo que a Globo estava passando de dois em dois minutos. Foi quando o presidente exigiu que o ministro do STF Edson Fachin, relator do caso na Corte, levantasse imediatamente o sigilo da gravação e divulgasse o áudio na íntegra para provar que estava dizendo a verdade. Fachin, mais conhecido como 'ursão da Dilma' e devedor de favores da JBS, se omitiu e passou o dia inteiro sem levantar o sigilo da gravação. Enquanto isso, o Brasil mergulhava no caos e na incerteza.

Já no final da tarde,Temer resolveu fazer um pronunciamento. Antes mesmo de Fachin quebrar o sigilo da gravação. Todos na Globo vibraram, esfregaram as mãos e comemoraram a inevitável renúncia do presidente. "O governo acabou", "A situação se tornou insustentável", "Temer tem o dever de renunciar", etc. Estas foram as frases mais repetidas pelos empregados da emissora, que se entregaram de corpo e alma nesta conspiração criminosa.

Eis que Temer aparece na TV em rede nacional e afirma vigorosamente: "Não renunciarei". O presidente afirma que a transcrição de gravação é mentirosa, exige novamente a quebra do sigilo do áudio, afirma que não cederá a aventureiros golpistas, que vai provar que tudo aquilo não passa de uma farsa e reitera: "Não renunciarei".

Pronto. O golpe fracassou e ficou todo mundo com cara de bobo. De lá para cá, Temer conseguiu provar que estava certo.


_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget