linkaki

Joesley Batista tem prisão decretada. Chance de conseguir um habeas corpus nos próximos dias é mínima



A violação do acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal acabou resultando na perda da imunidade do empresário Joesley Batista, que a partir de agora, poderá responder criminalmente por uma série de irregularidades que deixou de revelar aos procuradores da República.

Na noite deste sábado, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin, acatou o pedido da Procuradoria-Geral da República e mandou prender temporariamente e Joesley Batista, dono da JBS, o ex-diretor de relações institucionais do Grupo, Ricardo Saud e o ex-procurador da República, Marcelo Miller, auxiliar direto de Rodrigo Janot por mais de três anos na PGR. Por enquanto, apenas Marcelo Miller é acusado de fazer jogo duplo na Procuradoria para favorecer os executivos do grupo JBS.

 As informações foram publicadas no final da noite deste sábado, 09, pelo sites O Antagonista, Estadão e O GLOBO.

Segundo a matéria do Estadão, "Os pedidos foram motivados pelo conteúdo de uma gravação entregue pela própria defesa do Grupo J&F, na qual Saud e Joesley falam sobre a suposta interferência de Miller para ajudar nas tratativas de delação premiada. O ex-procurador ainda fazia parte do Ministério Público quando começou a conversar com os executivos, no fim de fevereiro. Ele pediu a saída da instituição em fevereiro e foi exonerado, de fato, apenas em abril.

O diretor de Relações Institucionais da hold J&F, Ricardo Saud, afirmou, em depoimento, que a sua delação foi seletiva e que elaborou os anexos de sua delação premiada junto ao ex-procurador da República Marcelo Miller".

Mas a pressão para a prisão dos executivos da JBS partiu dos ministros do STF. Na mesma gravação, Joesley Batista e Ricardo Saud falam em um complô para gravar clandestinamente vários ministros do Supremo com o objetivo de chantageá-los posteriormente. Janot e Fachin receberam um ultimato para que cuidassem do assunto o mais rapidamente possível.

Embora os três envolvidos nos crimes tenham sido alvos de pedidos de prisão temporária, prazo de duração de cinco dias, o pedido pode ser renovado ou ocorra um novo pedido de prisão preventiva, quando não há data estipulada para a soltura. Ainda na prisão, Joesley Batista, Ricardo Saud e Marcelo Miller podem ser denunciados por outros crimes. Como os três causaram profunda indignação entre os ministros do STF, dificilmente conseguirão obter um habeas corpus nos próximos dias. 

Informe seu Email para receber notícias :