\imprensa Viva
.

Delegado da Polícia Federal esclarece como Joesley Batista lesou a nação: ‘A vítima é o próprio País em que vivemos’



O delegado da Polícia Federal Victor Hugo Rodrigues, responsável pela Operação Tendão de Aquiles, que investiga os crimes de manipulação do mercado financeiro pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, esclareceu como os donos da JBS vitimaram milhares de investidores para auferi lucros extraordinários. A Operação Acerto de Contas, desdobramento da Operação Tendão de Aquiles, revelou como os irmãos Batista usaram o vazamento coordenado de informações privilegiadas sobre o próprio acordo de delação premiada para lesar investidores e o país em 'operações ilícitas.

"As vítimas não foram só os acionistas da JBS, mas em um contexto mais amplo, a vítima é o próprio país em que vivemos, os crimes abalaram a confiança do mercado", disse o delegado da PF.

Segundo matéria publicada no Estadão, "

A Tendão de Aquiles investiga duas frentes de manipulação dos irmãos Batista no mercado financeiro. A primeiro é a realização de ordens de venda de ações de emissão da JBS S/A na bolsa de valores, entre 24 de abril e 17 de maio, por sua controladora, a empresa FB Participações S/A e a compra dessas ações, em mercado, por parte da empresa JBS S/A, manipulando o mercado e fazendo com que seus acionistas absorvessem parte do prejuízo decorrente da baixa das ações que, de outra maneira, somente a FB Participações, uma empresa de capital fechado, teria sofrido sozinha.

“Eles (os irmãos) detêm 100% das cotas da empresa FB Participações. Essa empresa, por sua vez, detinha 42,5% das ações da JBS S/A. As investigações demonstraram que quando os irmãos Batista iniciaram as tratativas para fechar o acordo de colaboração premiada com as autoridades, eles tinham consciência de que esse acordo de colaboração, quando viesse à tona, iria impactar o mercado, provocando, bastante provável, desvalorização da JBS”, explicou o delegado.

“Tendo consciência disso, eles passaram a vender os papeis da JBS que ele tinham. Inicialmente, por meio da empresa FB Participações. O presidente da FB Participações, na época dos fatos, era o Joesley Batista. Ele determina, na condição de presidente, que a empresa passe a vender os papeis da JBS que ela detinha. E vende 42 milhões de ações da JBS ao preço aproximado de R$ 372 milhões. Quase que concomitantemente a isso, a própria JBS, que na época era presidida pelo Wesley Batista, passa a recomprar esses papeis que foram vendidos pela FB.”

“Qual o prejuízo se nós temos uma venda quase que simultânea de papel pela FB e de recompra pela JBS? Ao fazer isso, eles, de um lado, evitaram que o excesso de oferta desses papeis no mercado provocassem uma desvalorização das ações, o que ia antecipar o que iria acontecer de qualquer forma com o vazamento do acordo de colaboração. Ao mesmo tempo, eles diluem o prejuízo com a queda dessas ações no momento em que a colaboração fosse divulgada”, disse o delegado.

Segundo o delegado, ao vender pela FB e comprar pela JBS, ‘a maior parte do prejuízo com a queda no valor das ações não ficou com os irmãos Batista e sim com os outros acionistas’.

“Esses acionistas são vários, inclusive o próprio governo federal, por meio do BNDESPar, que também detém ações da JBS. Feito isso, o acordo de colaboração realmente fechado e é divulgado pela empresa. Quando ele foi divulgado, aconteceu exatamente o que os irmãos Batista já previam. Houve um impacto brutal no mercado financeiro. Na manhã do dia seguinte, quando o mercado abriu, houve uma valorização de 9% dólar, que foi a maior desde 1999 quando houve a desvalorização do real. Houve uma queda de 8,8& do índice Bovespa. A maior desde 2008 com a crise imobiliária dos EUA”, observou.

Segundo apurou a investigação sobre o caso, ‘no mesmo dia, os papeis da JBS chegaram a ter um pico de desvalorização de 37%’, declarou o delegado da Polícia Federal, Victor Hugo Rodrigues.

“A venda antecipada dos papeis evitou um prejuízo potencial de R$ 138 milhões. O prejuízo foi diluído com os acionistas da JBS”, afirmou. “A vítima não foram só os acionistas da JBS, que tiveram que arcar com o prejuízo dos investigados, mas num contexto mais amplo, a vítima é o próprio país em que vivemos, na medida em que os crimes abalaram também a confiança no mercado, essencial para que as pessoas invistam no nosso País e isso promova o desenvolvimento.”

“Foi na data de 2 de março. A JBS e seus sócios principais são investigados em seis operações da Polícia Federal e eles procuraram espontaneamente a PGR a fim de celebrar um acordo de colaboração. No entanto, eles cientes do potencial lesivo da informação que eles detinham, o conteúdo dessas colaborações que poderiam efetivamente abalar o mercado financeiro, abalar a economia, abalar a política, houve especificamente no tocante a compra de contratos futuros de dólar uma movimentação absolutamente atípica na compra de dólar no mercado futuro por parte da JBS. Isso foi muito bem pontuado por parte da CVM e laudo pericial que produzimos por parte da Polícia Federal”, apontou Victor Hugo Rodrigues.

A investigação culminou no pedido de prisão preventiva de  Joesley e Wesley Batista. Se não houver pedido de prorrogação de temporária ou reversão para preventiva da prisão de Joesley no Distrito Federal, o empresário deve ser transferido para São Paulo, onde cumprirá esse segundo mandado de prisão.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget