\imprensa Viva
.

De forma espontânea, Guido Mantega pode destruir Dilma e Lula, assim como Palocci destruiu Lula e Dilma.



Devastados com o depoimento estarrecedor prestado pelo ex-ministro Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro, milhares de petista se recolheram com vergonha por ouvir da boca do terceiro homem na hierarquia do PT dezenas de crimes atribuídos por ele ao ex-presidente Lula.

Embora tenha sido embaraçoso contestar os depoimentos de amigos de Lula como Léo Pinheiro, Marcelo Odebreche e João Santana, alguns petistas ainda se arriscavam a alegar que aquilo era fruto de perseguição política contra o líder petista.

Entretanto, o depoimento do ex-ministro Palocci, cofundador do PT e homem de confiança de Lula por mais de trinta anos, a tarefa de tentar desqualificar seu depoimento tornou-se algo impossível para muitos petistas. Palocci não apenas confirmou os relatos de praticamente todos os delatores que haviam revelado os crimes de Lula na Lava Jato, como também confirmou que administrava cerca de R$ 300 milhões reservados ao ex-presidente pela Odebrecht. Para piorar ainda mais a situação, de Lula perante a Justiça e dos petistas perante a sociedade, o ex-homem de confiança de Lula afirmou que entregava pessoalmente pacotes contendo R$ 30 mil, R$ 40 mil e R$ 50 mil ao ex-presidente na sede do Instituto Lula. Em um dos 50 anexos de sua delação, Palocci afirma que quando era preciso entregar somas maiores, delegava a tarefa a seu assessor, Branislav Kontic.

As desconcertantes informações prestadas por Palocci ao juiz Sérgio Moro explicam o baixíssimo número de petistas presentes em Curitiba na ocasião do último interrogatório de Lula com moro esta semana. Entre os cerca de 1500 membros do MST, pouco mais de 100 militantes filiados ao PT se arriscaram a mostrar as caras nas imediações do prédio da Justiça Federal do Paraná na quarta-feria, 13. Nas redes sociais, os poucos petista que insistiam em defender Lula recorriam a velha narrativa de que o ex-ministro estava sendo pressionado, torturado e disposto a falar qualquer coisa em troca de um acordo de delação.

Embora o próprio Lula tenha chorado as mágoas com a traição de Palocci, alegar que ele cedeu a pressões para falar o que os procuradores queriam ouvir foi a única alternativa que restou aos poucos petistas que ainda se arriscaram a defender o ex-presidente e o partido. O abalo com as revelações de Palocci foi tão profundo que os petistas sequer recorreram à velha tática da fulanização, quando perguntam: e o Aécio? E o Temer?

Mas como não há nada de ruim que não possa piorar um pouco, principalmente em se tratando de PT e da agruras impostas pelo partido aos seus simpatizantes, algo tão ou mais aterrador se avizinha de forma quase silenciosa: o acordo feito com o Ministério Público pelo ex-ministro da fazenda, Guido Mantega.

Assim como Palocci, Mantega é um membro da altíssima cúpula do PT e ocupou postos chave nos governos de Lula e Dilma. Mantega foi o responsável pela captação de recursos para as campanhas de Dilma, geriu interesses do PT no BNDES e no próprio ministério da Fazenda, fazendo a interlocução do interesses de Lula, Dilma e do PT entre bancos e empresários corruptos como Marcelo Odebrecht, Eike Batista e Joesley Batista. As missões delegadas a Mantega estavam à altura da confiança depositada nele por Lula, Dilma e dirigentes do PT.

Mas ao contrário de Palocci, Mantega não está preso. O ex-ministro procurou o Ministério Público por livre e espontânea vontade e simplesmente se ofereceu para delatar uma série de esquemas criminosos envolvendo Lula, Dilma e empréstimos no BNDES.  Em troca, os procuradores se comprometem a não pedir suaa prisão durante as investigações que já estão em curso. Silenciosamente.

O pavor de Lula e Dilma quanto ao que há por vir é compartilhado por dirigentes e outros membros da cúpula do PT. A dificuldade em encontrar uma narrativa para a delação de Palocci parece um desafio intransponível em relação a eventual abertura de mais uma caixa preta do PT, desta vez patrocinada por Mantega. Se os militantes, simpatizantes e ativistas de esquerda andam envergonhados desde o depoimento de Palocci e o interrogatório de Lula, a previsão é que após a deflagração da bomba preparada por Mantega, milhões de petistas vão cometer suicídio social, isolando-se para evitar maiores constrangimentos.




_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget