\imprensa Viva
.

Atenção: não compartilhe nada relacionado ao ex-BBB Jean Wyllys. Ele está denunciando as pessoas aos seus patrões e já fez um perder o emprego



Jean Wyllys resolveu adotar uma tática nada convencional para inibir que pessoas compartilhem coisas negativas a seu respeito. Em sua página pessoa no Facebook, o psolista que chama o juiz Sérgio Moro de cafona por usar ternos escuros e diz que o juiz tem 'aquela voz fina', promete denunciar as pessoas que o criticam aos seus patrões.

Vejam a ameaça que o parlamentar postou em sua pagina na rede social:

"Eu cansei. Mesmo. Responder às calúnias e explicar com paciência a verdade já não é suficiente. Eu respondo a uma mentira e eles inventam outra. E, como eles têm dinheiro e podem investir na difamação, é uma luta desigual. Então, a partir de agora, além de denunciar à Polícia Federal, vou expor aqui os nomes e os rostos dos difamadores, para que todos saibam quem são. E a minha equipe vai entrar em contato com seus empregadores para informá-los (semana passada, um deles foi demitido, e assim será com os outros)".

É claro que Jean Wylliys possui uma legião de desafetos que não curtiram seu desempenho no programa da Rede Globo que o projetou para a carreira política. Há ainda aqueles que não curtem o papel do ex-BBB como parlamentar e a forma enfadonha que se apropriou de uma causa que gera descontentamento até mesmo entre pessoas LGBT's.

Muitos se queixam do fato de Jean Wylliys tratar a questão de gênero como se isso fosse uma coisa de outro mundo, como se a maioria das pessoas dessem mais importância à opção sexual do indivíduo do que ao seu caráter e sua dignidade. Para muitos, Jean parece desconectando do mundo real, onde as coisas não são bem assim como ele pinta. É fato que gays são vítimas de violência. Mulheres também. Negros também. Trabalhadores também. Ricos também. Enquanto as pessoas insistirem em fazer distinções entre seres humanos, a violência, a intolerância e o preconceito são coisas horríveis que tendem a persistir.

Todas as pessoas, de todos os credos, raças, gêneros ou classe social têm o dever de defender a vida, o respeito e a dignidade uns dos outros. A violência não é legal em nenhum aspecto, mesmo quando se atentam contra outros seres vivos não necessariamente humanos. Há uma consciência dentro de cada ser e é nesta consciência que habita o 'eu'. Neste nível, qualquer agressão é nefasta. É a consciência que sente a dor do preconceito, não o corpo estético, a cor, o peso ou a aparência da pessoa. Ao cogitar humilhar, agredir ou hostilizar alguém, imagine que está torturando uma consciência plena de todos os sentidos, assim como a sua. Lembre-se que todas estas percepções também estão sensíveis ao afeto, ao carinho, ao amor, ao elogio, assim como a sua.

É claro que para muitos, o ex-BBB pode não parecer um rapaz tão amável ou amistoso. Por outro lado, sua postura raivosa acabe sendo devolvida por pessoas menos atentas. E é justamente diante de antipatias tão óbvias, e igualmente tão condenáveis, que algumas pessoas não resistem à tentação de dar uma curtidinha em alguma crítica que vira e mexe, aparece nas redes sociais contra o rapaz. O primeiro conselho neste caso é: pense duas vezes. Ele pode fazer você perder seu emprego. O segundo conselho não seria nem propriamente um exercício de tolerância, tendo em vista que o mundo está repleto de pessoas que pensam e agem de forma diferente umas das outras.

Considere que é justamente estas diferenças que fazem do mundo um lugar tão extraordinário e enriquecedor. A natureza tem suas formas misteriosas e sagradas de se manifestar e o ser humano é apenas um passageiro em um mundo em constante transformação. Basta observar os efeitos da limitação hereditária em comparação com a beleza da miscigenação. A mistura e o convívio com as diferenças tornam o ser humano mais forte, mais moderno, mais apto. O mesmo conceito pode ser aplicado à uma mente arejada.

O conceito de civilidade está justamente relacionado ao convívio harmonioso e respeitoso com as diferenças. É feio visitar um país diferente, uma cultura diferente e se comportar feito uma pessoa mimada que vive dizendo 'acho isso feio', 'não gosto disso', não como aquilo'. É uma ofensa, uma falta de civilidade não respeitar a tradição e os hábitos daqueles que recepcionam o estrangeiro com orgulho da própria cultura.

Por fim, fica a dica: não deixe que diferenças ideológicas e políticas resvalem para o preconceito odioso e perverso. Assim como com qualquer ser humano, Ame Jean Wyllys, mesmo que tenha que ignorá-lo.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget