\imprensa Viva
.

Revolta de Lula contra Emílio Odebrecht é compreensível. Afinal, foram vários anos roubando juntos o dinheiro do povo



O ex-presidente Lula está prometendo vingança contra o grupo Odebrecht, caso consiga retornar ao poder em 2018. Segundo o petista, o empresário Emílio Odebrecht se comportou como um verdadeiro Judas ao delatar esquemas de corrupção que mantiveram juntos ao longo de quase uma década e meia. Lula se queixa da ingratidão do ex-amigo, que viu o faturamento de sua empresa saltar de U$ 5 bilhões em 2003, ano que o PT assumiu o governo, para U$ 140 bilhões em 2014. A Odebrecht faturou mais de U$ 500 bilhões durante os dois mandatos de Lula, que se queixa que seu negócio não era com o "Marcelo", mas com o pai dele.

"Eu coloquei eles em muitos negócios que eles jamais sonharam em conquistar", reclama Lula, citando obras na Venezuela, Angola, Cuba e até em fábricas da cervejaria Itaipava.

Esta semana, a Odebrecht entregou à Justiça uma série de estudos arquitetônicos e de engenharia sobre diferentes imóveis que poderiam abrigar a nova sede do Instituto Lula. O ex-diretor da empreiteira e amigo de Lula, Alexandrino Alencar, confirmou em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro que a Odebrecht disponibilizou R$ 12 milhões para Lula, para a compra de um imóvel para sediar o Instituto Lula, como retribuição ao ex-presidente.

Ouvido por Moro, Emílio Odebrecht, afirmou que surgiu dele a ideia de criar para Lula uma organização pós-governo. "Eu sempre procurei, há muitos anos, dizer a ele [Lula] o seguinte... da mesma forma que eu tenho perante os meus executivos na organização, um trabalho sobre o “day after”, ou seja: vocês, quando se aposentarem, precisam se preparar hoje para o dia de amanhã. A mesma coisa eu dizia ao presidente: ‘Presidente, o senhor precisa pensar no day after’. Aí surgiam conversas sobre instituto, sobre fundação, onde eu dizia a ele a experiência que existe, internacional, de vários presidentes", comentou Emílio.

O ex-presidente se diz magoado e lembra que a Odebrecht não teria se tornado o gigante internacional, não fosse o se empenho em conseguir negócios extraordinários para a empreiteira no Brasil e no exterior, e ainda ter facilitado contratos através de empréstimos subsidiados do BNDES,

Lula está escrevendo em um caderninho o nome de vários "ingratos" que acabaram lhe traindo ao longo dos últimos meses, como os de Emílio Odebrecht, Léo Pinheiro e João Santana. Ao menos até o momento. Joesley Batista, do Grupo JBS/Friboi tem sido poupado de críticas de Lula e dos demais petistas. Embora o açougueiro de Goiás tenha citado nominalmente os ex-presidentes Lula e Dilma para conseguir seu acordo de delação premiadíssima, Joesley foi esperto e não entregou provas comprometedoras contra Lula ou Dilma, comemoram os petistas. 
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget