\imprensa Viva
.

Lula será mais incriminado antes de sua condenação em segunda instância. MPF diz ter novas provas contra o petista



Desde o início da Operação Lava Jato, os investigadores começaram a esclarecer o envolvimento do ex-presidente Lula em uma série de crimes. A princípio, tudo era incipiente e o petista chegava a fazer pouco caso dos indícios reunidos pelos investigadores. Mas aos poucos, Lula foi percebendo que o pessoal de Curitiba não estava para brincadeira, assim como o juiz Sérgio Moro, um dos maiores especialistas do mundo em crimes de lavagem de dinheiro.

Quando Lula foi se dar conta sobre com quem estava lidando, já era tarde. O petista até acreditou que conseguiria intimidar o juiz Moro com seu poder político e com sua influência nos meios de comunicação e no judiciário, mas logo percebeu se tratar de um juiz osso duro de roer, bem diferente de seus amigos do STF. O petista acabou se tornando réu em uma série de processos e já foi inclusive condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Mas ao que tudo indica, o petista será incriminado em uma nova frente de investigação antes mesmo de sair sua sentença na segunda instância. Esta semana, o Ministério Público Federal confirmou em petição protocolada nesta sexta-feira em um processo contra o ex-presidente Lula que recebeu da empreiteira Odebrecht conteúdo de um sistema chamado de My Web Day, que registrava o pagamento de propina da Odebrecht a agentes públicos e estatais e que pretende usar as informações contidas neste sistema para produzir novas provas no processo.

O processo julga o suposto recebimento de vantagens indevidas por Lula a partir da compra, pela Odebrecht, de um terreno em São Paulo onde seria instalada a sede do Instituto Lula.

Em razão dessa nova prova inserida nos autos, a defesa de Lula havia questionado o juiz Sérgio Moro na semana passada, com a intenção de suspender os interrogatórios do processo, incluindo o do ex-presidente, marcado para o dia 13 em Curitiba, por não terem tido acesso aos documentos do sistema. O juiz negou o pedido.

De acordo com a petição do MPF, a Odebrecht entregou no último dia 8, cópias de cinco discos rígidos com o conteúdo do My Web Day, que foram extraídas pelas autoridades suíças em um servidor hospedado naquele país. Chaves de usuários do sistema também foram entregues para possibilitar o acesso aos dados, que até então eram considerados sigilosos.

Segundo o MPF, de fato, é provável que novas provas relacionadas ao esquema de corrupção na Petrobras surjam a partir da avaliação do conteúdo.

A entrega do material faz parte do acordo de leniência firmado entre a empreiteira e o MPF. A colaboração impõe a empresa a apresentação de elementos que contribuam com as investigações da lava jato.

A Secretaria de Pesquisa e Análise da Procuradoria Geral da República está analisando todo o material entregue.

Para a defesa de Lula, a inclusão tardia dos documentos no processo compromete as 34 audiências e os 97 depoimentos de testemunhas realizados antes dessa data.

Além de Lula, a ação penal tem mais sete réus. Entre eles, o empresário Marcelo Odebrecht e o ex-ministro Antonio Palocci.

O Ministério Público acusa o ex-presidente de ter sido beneficiado por um terreno que teria sido comprado pela Odebrecht para o Instituto Lula – que nunca chegou a ser usado para essa finalidade.

A empreiteira também teria comprado um apartamento vizinho ao do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.

_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget