\imprensa Viva
.

Em pleno século 21 e em meio a uma democracia, a Globo tentou o mais vergonhoso golpe de estado da história



A queda da ex-presidente Dilma Rousseff foi um dos momentos mais traumáticos vividos pela sociedade neste início de século. Apesar da divisão da sociedade, a petista acabou tendo seu mandato cassado através de um longo e legítimo processo de impeachment. Apesar de ter mentido durante a campanha, de ter sido comprovadamente eleita com dinheiro roubado da Petrobras e apesar de ter fraudado as contas públicas, Dilma mereceu um julgamento justo, que teve todos os trâmites legais acompanhado de perto por todas as instituições do país. Dilma acabou sucumbindo por uma série de fatores legais e políticos. A petista era arrogante, não tinha boa interlocução com o Congresso e enfrentava o repúdio da sociedade nas ruas. Apesar de todos estes fatos, Dilma foi deposta dentro das normas legais, constitucionais e democráticas.

O presidente Michel Temer também correu o sério risco de ser derrubado do poder recentemente. A diferença é que a iniciativa não partiu da sociedade ou do Congresso, mas sim de um conluio entre setores do judiciário, criminosos do grupo JBS e da Rede Globo. A emissora carioca e seus satélites de comunicação deram início à uma das mais vergonhosas campanhas para derrubar um presidente da República de toda a história do país.

Totalmente alheia aos interesses da sociedade, que sofria as duras penas com a recuperação de uma das maiores recessões em cem anos, a Globo lançou mão de práticas sorrateiras. No dia 17 de maio, a emissora usou um documento falso vazado a partir de informações privilegiadas sobre um acordo de delação sigiloso para pedir a renúncia imediata de Temer. O documento em questão era a transcrição adulterada de uma conversa gravada pelo criminoso confesso Joesley Batista com Temer. Na versão divulgada pela Globo para exigir a renúncia de Temer, havia diálogos que não constavam da gravação original, como se descobriu mais tarde.

A Globo e os demais atores por trás da vergonhosa conspiração julgaram que Temer, fragilizado por sua baixíssima popularidade junto a opinião pública, não resistira a uma onda de ataques tão certeiros e renunciaria. A emissora colocou todos seus empregados, que jogaram suas reputações no lixo, para pedir a renúncia do presidente. A ordem era expressa e consistia em massacrar Temer durante 12 horas do dia em toda a programação de todos os canais, incluindo emissoras de rádio, TV aberta, TV por assinatura, sites, revistas e jornais impressos.

A Globo colocou toda a sua máquina de destruição a serviço de um dos mais vergonhosos projetos de interferência na democracia do Brasil. Tudo isso sem que Temer tivesse ao menos o direito de tentar provar sua inocência. A sociedade foi tomada de assalto pela Rede Globo de forma irresistível.  O ataque da Rede Globo contra Temer foi tão vigoroso que muitos analistas começaram a supor que a emissora tinha posse de informações gravíssimas contra o presidente e que aquilo era apenas uma pequena amostra das barbaridades que viriam pela frente. Por óbvio, a emissora contava com as garantias de setores do Judiciário e aval de gente da JBS de que a coisa estava definitivamente preta para o presidente e que não haveria escapatória.

O fato é que dificilmente outro presidente resistiria a um ataque tão violento, coordenado com tanta maestria por setores da imprensa e do judiciário. O uso vergonhoso de um controverso acordo de delação que parece ter sido concebido apenas com este propósito representou uma arma mais que letal para qualquer ocupante de cargo público.

A Globo e o grupo de conspiradores que engendrou o golpe nos bastidores da PGR não contavam com dois fatores preponderantes e imponderáveis para o êxito da empreitada: Temer não renunciou e o povo não foi para as ruas pedir sua saída. Se por um lado, o presidente alegou acreditar piamente em sua inocência e exigiu que as acusações fossem devidamente comprovadas, por outro lado, a sociedade também não se deixou levar pelo furor da Globo. Mesmo tendo sido pega no contrapé, a sociedade recuou um passo desconfiada de que havia algo suspeito no ar. Foi neste ponto que a tentativa de golpe da Globo e de seus aliados começou a fracassar.

Apesar de ter sido derrotada, a Globo, por razões óbvias, continua em campanha para desestabilizar o governo a qualquer custo. Seus empregados, desconcertados por terem feito parte do capítulo mais vergonhoso da história do jornalismo nacional, se encontram agora como reféns da própria covardia e já não podem mais recuar ou reconhecer que venderam suas almas por alguns trocados.

Temer não apenas resistiu, como também apontou para o principal responsável pela tentativa de derrubá-lo, o procurador-geral da República, como um bandido. O presidente acusou Janot e rede nacional de ter recebido parte dos milhões embolsados por seu ex-braço direito, Marcelo Miller, que abandonou o cargo de procurador da República para prestar serviços aos criminosos da JBS.

Temer não apenas resistiu, como desafiou a todos que comprovassem as acusações que fizeram contra ele. Temer conseguiu manter seu ministério e sua base de apoio quase intactos e ainda fez aprovar o texto da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça do Senado poucos dias após a mal fadada tentativa de golpe.

Em apenas um ano a frente do governo, Temer conseguiu reduzir dramaticamente a inflação, os juros, a cotação do dólar, o preço da gasolina e conseguiu gerar os primeiros empregos com carteira assinada, após três anos de grave recessão. Se cometeu algum crime, Temer merece ser investigado e punido, como qualquer cidadão. Se ficar comprovado que o dinheiro recebido pelo seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures era realmente para ele, Temer tem o dever de entregar o cargo e responder na Justiça por seus atos. Seria lamentável ver um dos mais hábeis políticos das últimas décadas e um dos mais respeitados especialistas em direito constitucional brasileiro no mundo manchar uma carreira de mais de quatro décadas com um crime tão vulgar. Mas mesmo que isso aconteça, a Globo e seus aliados na conspiração para derrubar o presidente prematuramente deverão ser lembrados como autores da mais vergonhosa tentativa de golpe contra a democracia em toda a história da República,

Esta não é a impressão deste site. É uma constatação que qualquer brasileiro é perfeitamente capaz de fazer, seja um simpatizante da esquerda, de direita ou qualquer que seja sua afinidade ideológica. Ninguém vai deixar de assistir a Globo, pois a emissora tem outras atrações, capacidade técnica e talentos para produzir peças para o entretenimento das massas. O problema é que o departamento de jornalismo da emissora perdeu toda a credibilidade junto a formadores de opinião de forma praticamente irreversível neste episódio. Ainda é cedo para afirmar se Temer é ou não culpado, mas nunca será tarde para concluir que a Globo tentou um vergonhoso golpe.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget