Zanin ainda mata Lula do coração. Advogado do petista acaba de aprontar mais uma que pode condenar o ilustre cliente



O ex-presidente Lula já está nervoso com seu julgamento na Segunda Instância, previsto para o dia 24 de janeiro. Um dos fatores que contribuíram para o andamento rápido de seu processo no TRF-4 foi justamente a quantidade de recursos que a defesa de Lula impôs aos desembargadores do colegiado. De tanto analisar as tentativas da defesa de Lula para arrastar o caso, os julgadores acabaram se familiarizando mais rápido com todos os aspectos do processo. Esta não foi a única trapalhada que culminou com a condenação de Lula na Primeira Instância.

Lula conta com os serviços de um advogado pra lá de atrapalhado. Parece até coisa de ficção, mas Cristiano Zanin Martins reservou uma de suas falhas mais graves para o gran finale, justamente no momento de apresentar as alegações da defesa do petista no famoso caso do "tríplex do Guarujá", em que Lula acabou condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Para provar que a OAS não poderia dar o apartamento 164 A, do edifício Solaris, ao ex-presidente , Zanin alegou que o referido imóvel está em nome da OAS Empreendimentos S/A, mas, desde 2010, quem detém 100% dos direitos econômico-financeiros sobre o imóvel é um fundo gerido pela Caixa Econômica Federal.

 Até aqui, a alegação de Zanin já representa um grande trapalhada. A possibilidade da OAS ter ou não passado Lula para trás, e ter alienado o imóvel a outrem, não significa que o acordo em torno do repasse do apartamento ao petista em troca de contratos superfaturados com a Petrobras não existiu.

Mas segundo o ex-presidente da OAS e ex-amigo de Lula, Léo Pinheiro, a história não é bem essa. O empresário reafirmou na terça-feira, 19, que o ex-presidente Lula é o real proprietário do apartamento do Guarujá.

“O triplex nunca foi posto à venda porque já tinha um dono e que as reformas foram executadas seguindo orientações dos reais proprietários do imóvel, o ex-presidente Lula e sua esposa”, confirmou Léo Pinheiro por meio dos advogados José Luis Oliveira Lima, Rodrigo Dall’Acqua e Carolina Piovesan.

Para piorar a situação, a Caixa informou que o referido imóvel nunca pertenceu ao banco, uma vez que a instituição nunca executou qualquer garantia oferecida pela OAS. Segundo a Caixa, não há qualquer possibilidade legal ou contratual de que o apartamento 164 A, do edifício Solaris, tenha algum dia pertencido ao banco.

Segundo juristas,  Zanin não tinha necessidade nenhuma de tentar demonstrar qualquer brilhantismo neste caso, tentando encontrar cabelos em ovos. As alegações finais representam a peça mais importante de qualquer processo. Fontes ligadas ao ex-presidente informam que o petista não ficou nada satisfeito com a situação. "O Lula está tão ressabiado, que se um pombo bater na janela, ele infarta".
-

Postar um comentário

[facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget