\imprensa Viva
.

Pedido de prisão de Lula é tudo que os petistas mais temiam, após todos admitirem que a Lava Jato não é seletiva



O pedido de prisão do ex-presidente Lula encaminhado pelo Ministério Público Federal ao juiz Sérgio Moro nesta terça-feria caiu como uma bomba no 6.º Congresso do PT em Brasília. Além da gravidade do pedido, do forma contundente com que foi formulado pelos procuradores do MPF e da repercussão internacional instantânea, Lula e os dirigentes do partido assimilaram as dimensões periféricas da ameaça.

O pedido de prisão do petista veio justamente em um momento em que todos os setores da esquerda brasileira, inclusive no próprio PT, comemoravam o fato da Operação Lava Jato ter alcançado outros políticos de outros partidos, como o senador afastado Aécio Neves, do PSDB, que teve um pedido de prisão formulado pelo procurador-geral da República um dia antes do pedido de prisão de Lula. A irmã e o primo do senador afastado estão presos e Aécio foi afastado da vaga no senado.

Os petistas, que acabaram admitindo que a Lava Jato não age de forma seletiva no combate à corrupção, foram todos pegos no contrapé com a notícia. Além das investigações contra o senador afastado Aécio Neves, o PT também explorava politicamente as denúncias envolvendo o presidente Michel Temer.

Na avaliação de dirigentes do partido, a partir de agora será mais difícil de vender a narrativa de perseguição política contra Lula, que se tornou extremamente vulnerável após os últimos desdobramentos da Lava Jato, que atingiu um amplo leque de partidos e de lideranças políticas. A situação é mais delicada ainda, considerando que até bem pouco tempo, o próprio Aécio também era um presidenciável. O temor agora é que a prisão de Lula tenha que ser digerida na marra pelos petistas que vibraram com a possibilidade de prisão de Aécio Neves e até mesmo do presidente Michel Temer. Muitos aliados do PT e jornalistas de aluguel do partido se entusiasmaram com as denúncias feitas pelo empresário Joesley Batista e pediram a prisão imediata de Temer e de Aécio.

Para piorar a situação, o próprio Aécio pode ser preso antes mesmo de Lula, o que complicaria ainda mais a situação do petista. Não será possível mobilizar a militância com base na velha narrativa de perseguição política e mesmo os poucos que se arriscarem a manter este discurso se tornará instantaneamente alvo de piadas por parte da sociedade.

Os dirigentes petistas admitem que esta pode ser apenas a ponta da agulha. Mesmo que seja preso, Aécio pode pegar uma condenação leve e até mesmo conseguir um habeas corpus e responder por seus crimes em liberdade. Já a situação do ex-presidente perante a Justiça é bem mais complicada que a do candidato do PSDB nas últimas eleições presidenciais. Além da punição severa exigida pelo MPF no ação penal do triplex do Guarujá, Lula ainda responde por outras quatro ações penais, é alvo de mais uma denúncia relativa ao caso do sítio em Atibaia e de outras quatro denúncias futuras envolvendo crimes diversos citados pelos empresários Marcelo Odebrecht e Joesley Batista. Na avaliação de pessoas ligadas ao ex-presidente, Lula só conseguirá evitar sentenças longas caso ofereça um acordo de delação premiada. Neste cenário, a Lava Jato deve ganhar uma sobrevida de pelo menos mais cinco anos.

A partir do recebimento do pedido de prisão, a defesa de Lula têm até 20 de junho para contestar os argumentos do MPF, dentro do processo. Esta é a última fase da ação penal. Após todas as partes apresentarem as alegações finais, o processo volta ao juiz Sérgio Moro, que vai decidir sobre a condenação de Lula e de outros seis réus que figuram ao lado do petista na ação penal. 
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget