\imprensa Viva
.

Janot pede ao STF novo interrogatório de Lula, Dilma, Rui Falcão e de Mercadante por esquema de compra de partidos



O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, parece preocupado com os desdobramentos negativos do acordo de delação premiadíssima firmado com os criminosos confessos da JBS e tenta agora reverter a imagem negativa perante a opinião pública. Para mostrar serviço e demonstrar que não está poupando os corruptos do PT, Janot enviou um ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo que os ex-presidentes Lula e Dilma prestem depoimentos no inquérito aberto que apura a suposta compra de apoio de partidos políticos à campanha de reeleição da petista em 2014.

Janot quer a petezada toda se explicando e também pediu o depoimento do ex-presidente do PT Rui Falcão, Giles Azevedo, ex-chefe de gabinete de Dilma, do ex-ministro Aloizio Mercadante da ex-secretária da Odebrecht Maria Lúcia Tavares d a empresária Mônica Moura, mulher de Santana  e duas ex-secretárias de Edinho Silva, o ex-tesoureiro da campanha da campanha de Dilma em 2014.

Janot também pediu que outras 11 pessoas, de quatro partidos, sejam investigadas formalmente no inquérito, que foi instaurado originalmente contra o atual ministro da Indústria e Comércio Exterior, Marcos Pereira (PRB), com base na delação premiada de executivos da Odebrecht.

A lista inclui nomes do PT, como o ex-tesoureiro da campanha Edinho Silva e seu ex-assessor Manoel de Araújo, os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, além do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso na Lava Jato. Completam a relação o marqueteiro João Santana, Eurípedes Júnior e Salvador Zimbaldi Filho, do PROS; Carlos Lupi e Marcelo de Oliveira Panella, do PDT; e Fábio Tokarski, do PCdoB.

O relator da Lava Jato no Supremo, ministro Edson Fachin, deve informar nos próximos dias  se aceita ou não os pedidos do procurador-geral da República.

Inquérito

A investigação no STF foi aberta com base na delação premiada dos executivos da empreiteira, entre eles Marcelo Odebrecht. Segundo os relatos, Marcos Pereira, que era presidente do PRB em 2014, teria recebido R$ 7 milhões para garantir o apoio do partido à chapa na eleição presidencial de 2014.

Nos depoimentos, o executivo apontou também que teria repassado dinheiro a outros partidos, como o PROS, PDT e PCdoB, afim de garantir o apoio deles à chapa e, consequentemente, obter a parcela de tempo do horário gratuito de rádio e TV a que eles tinham direito.

A chapa de Dilma em 2014 tinha como vice o atual presidente Michel Temer e era composta por uma aliança de nove partidos: PT, PMDB, PDT, PCdoB, PP, PR, PSD, PROS e PRB.

Todos os envolvidos negam irregularidades e afirmam que não houve pagamentos em troca de apoio para a campanha de 2014.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget