\imprensa Viva
.

A Globo é inimiga de Sérgio Moro e tem medo da Lava Jato. Tentativa de golpe contra Temer esconde propósitos sórdidos



O desespero com que a Rede Globo tentou derrubar o governo Temer numa das mais escancaradas tentativas de golpe de toda sua história acabou levantando uma série de suspeitas sobre o real propósito da emissora em tentar interferir de forma tão dramática na vida política do país. 

É fato que a Rede Globo nunca deu o destaque merecido ao papel desempenhado pelo juiz Sérgio Moro e os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato baseada em Curitiba, como o procurador da República Deltan Dallagnol. 

Chega a ser surpreendente que o maior veículo de comunicação do país jamais tenha produzido um programa especial sobre a maior investigação sobre corrupção da história. A Globo não apenas se omitiu em divulgar os êxitos da investigação, como também evita a todo custo cobrir as dezenas palestras proferidas por Sérgio Moro e Deltan Dallagnol no Brasil e no exterior. 

O fato da Globo negligenciar a divulgação de eventos tão importantes protagonizados pelas figuras mais emblemática da história do Brasil no que tange ao combate à corrupção não é apenas uma falta de compromisso profissional com a informação. Não é apenas a negligência em cumprir o seu papel como beneficiária de uma concessão do Estado de um em cumprir com a obrigação de informar o cidadão sobre as questões de maior interesse da sociedade. É medo. É receio puro de que cedo ou tarde, a Operação Lava Jato avance sobre os esquemas de corrupção dos governos do PT na gestão temerária dos recursos do BNDES, na concessão de perdão de dívidas e outros favores indecorosos concedidos à Globo em troca de apoio político. 

Esta semana, veio à tona um fato grave. Conforme revelou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT-SP), o vice-presidente das Organizações Globo,  João Roberto Marinho, esteve na sede do Instituto Lula para tentar convencer o ex-presidente a concorrer à Presidência da República em 2014. João Roberto Marinho é o responsável por um setor estratégico da Globo, o Conedit, que reúne os editores dos diversos veículos de mídia da emissora carioca e responsável pelo editorial que pediu a renúncia de Temer com base em uma transcrição falsa de uma gravação feita pelo empresário Joesleu Batistas com o presidente. 

O Conedit é o setor responsável por firmar as diretrizes editoriais da casa e é de lá que partiu a ordem para limitar a cobertura de eventos com a participação de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol. A manobra da Globo para derrubar o atual governo esconde propósitos bastante sórdidos. 
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget