\imprensa Viva
.

Dilma caiu em desgraça na Lava Jato. No exercício da Presidência, usava nome de Iolanda para acobertar seus crimes



A ex-presidente Dilma Rousseff caiu em desgraça na Lava Jato. A petista foi mortalmente delatada pelo casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura. Os dois confirmaram que Dilma tinha pleno conhecimento de que a Odebrecht ficou responsável por pagar, via caixa dois, R$ 35 milhões ao casal na campanha de 2014.

A publicitária Monica Moura confirmou que Dilma usava um nome falso para se comunicar com os envolvidos no esquema criminoso que irrigou suas campanhas eleitorais. Dilma adotou o codinome de "Iolanda" e criou até endereço eletrônico iolanda2606@gmail.com para se comunicar com os integrantes da quadrilha que usava dinheiro roubado da Petrobras para financiar suas campanhas.

“Mônica Moura combinou com Dilma Rousseff um meio seguro de ser avisada sobre o andamento da Operação Lava Jato, em especial no que se referia a ela e João Santana. Mônica Moura, então, criou ali mesmo, no computador da presidente (notebook), na biblioteca do Palácio da Alvorada, um e-mail do Google (Gmail), com nome e dados fictícios, cuja senha era de conhecimento de Mônica Moura, da presidente Dilma e de seu assessor Giles Azevedo, que acompanhou essa parte da conversa (criação do e-mail)”.

Segundo estimativas, Dilma usou cerca de R$ 450 milhões em dinheiro roubado da Petrobras apenas em sua campanha de 2014. Em sua delação, Mônica Moura contou que os valores, em espécie ou transferidos por meio de uma conta na Suíça, teriam sido repassados com a ajuda da Odebrecht. Mônica contou que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto a chamou e disse para procurar o empresário Zwi Skornicki, hoje delator da Operação Lava-Jato. Skonick já confirmou a operação criminosa em sua delação.

Em relação à campanha à reeleição de 2014, Mônica Moura afirmou que o então ministro da Fazenda Guido Mantega intermediou o pagamento de valores oriundos de desvios na Petrobras. Em 2014, teriam sido repassados ao casal R$ 10 milhões por meio de caixa dois, usando uma conta na Suíça. Outros R$ 25 milhões devidos pela campanha nunca foram pagos, uma vez que as investigações da Operação Lava-Jato alcançaram a Odebrecht.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, já enviou todas as citações que pesam contra a ex-presidente Dilma Rousseff para a Justiça Federal do Paraná, aos cuidados do juiz Sérgio Moro. Em breve, a petista terá que explicar ao magistrado todos os detalhes do esquema criminoso que comandou para lavar dinheiro de suas campanhas eleitorais. Dilma terá que explicar ainda por que escolheu usar o codinome "Iolanda" para acobertar suas atividades criminosas.

_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget