\imprensa Viva
.

Até o presidente do BNDES é alvo da Operação da Polícia Federal. Palocci, Lula e Dilma também são investigados



O esquema de corrupção do PT no BNDES está prestes a ser desvendado e pode ser ainda maior que o assalto praticado pela organização criminosa comandada por Lula e Dilma na Petrobras. A Polícia Federal de início nesta sexta (12) à operação Bullish, para avançar nas investigações sobre um gigantesco esquema fraudes e irregularidades na liberação de dinheiro pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para empresas amigas do PT, como o grupo JBS-Friboi.

Neste momento, A PF está na casa do ex-presidente do BNDES do governo Dilma, Luciano Coutinho e também cumpre cumpre mandato de condução coercitiva contra o dono do grupo JBS-Firboi, Joesley Batista. As irregularidades aconteciam por meio da subsidiária BNDESPar e tinha como principal agente público o ex-ministro petista Antonio Palocci.

O grupo JBS-Friboi já é investigado na Operação Greenfield, que apura o suposto uso irregular de dinheiro de fundos de pensão. A Operação Bullish vai mais fundo no esquema criminoso e tem como alvos os principais articuladores do esquema criminoso montado para beneficiar o PT.

"Os aportes, realizados a partir de junho de 2007, tinham como objetivo a aquisição de empresas também do ramo de frigoríficos no valor total de R$ 8,1 bilhões", afirma a PF.

Segundo a Folha "As investigações apontaram que o desembolso dos recursos públicos tiveram tramitação em tempo recorde após a empresa contratar a Projeto, consultoria do ex-ministro Antônio Palocci, que está preso em Curitiba no âmbito da Operação Lava Jato.

Palocci, que foi ministro dos governos Lula e Dilma, quer negociar acordo de delação premiada e tem o BNDES como um dos temas que pretende explorar.

A PF relata também que essas transações foram executadas sem a exigência de garantias e geraram um prejuízo de cerca de R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos.

Estão sendo cumpridos 37 mandados de condução coercitiva, sendo 30 no Rio de Janeiro e sete em São Paulo, e 20 de busca e apreensão, sendo 14 no Rio e seis em São Paulo.

Há também medidas de indisponibilidade de bens de pessoas físicas e jurídicas que participam direta ou indiretamente da composição acionária da empresa investigada.

Todas as medidas foram autorizadas pela Justiça Federal do Distrito Federal.

Os controladores do grupo ainda estão proibidos de promover alteração societária na empresa e de se ausentar do país sem autorização judicial prévia.

A PF monitora cinco dos investigados que se encontram em viagem ao exterior. Entre eles está justamente o empresário Joesley Batista, do grupo JBS-Friboi.

_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget