\imprensa Viva
.

Lula está apreensivo quanto ao número de manifestantes que vão defendê-lo no dia de seu depoimento a Sérgio Moro



Durante suas entrevistas recentes, o ex-presidente Lula tem tentado parecer tranquilo nos dias que antecedem seu interrogatório em Curitiba, quando será questionado pelo juiz Sérgio Moro sobre uma série de questões bastante embaraçosas. Mas nos bastidores do PT, a situação é bem diferente. O adiamento do depoimento do petista previsto para o dia 03 de maio e remarcado para o dia 10 do mesmo mês preocupou o ex-presidente e a cúpula do partido.

A defesa de Lula também teme que o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, tenha reservado alguma surpresa para o petista. A declaração dada pelo coordenador da operação Lava Jato no MPF (Ministério Público Federal), Deltan Dallagnol,  logo após o depoimento do ex-amigo de Lula acendeu o alerta no partido quanto ao risco de Lula receber voz de prisão durante sua passagem por Curitiba.

O procurador da República garantiu que a força-tarefa não teria oferecido denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se não tivesse "provas consistentes" contra o petista.

"Aliás, mais de uma [denúncia]", afirmou. "Só foram oferecidas acusações criminais porque entendemos que havia provas suficientes para realizá-las."

O fato do juiz Sérgio Moro ter confirmado que adiou a oitiva por solicitação da Secretaria de Segurança Pública do Parana e da Polícia Federal também preocupou a cúpula do partido, que organizava um ato monstro para a data do depoimento de Lula. O objetivo do PT é claro: intimidar as autoridades e inibir qualquer iniciativa no sentido de prender o petista. Lula foi informado que forças policiais vão atuar em um esquema especial de segurança nas imediações do prédio da Justiça Federal em Curitiba. Em nota, Moro avisou que manifestações pacíficas serão toleradas, mas que protestos violentos serão reprimidos com rigor e informou que agitadores profissionais serão identificados.

O ex-presidente Lula está apreensivo quanto ao risco de ser preso e exigiu prioridade máxima no partido para a organização de caravanas para Curitiba no dia de seu depoimento. Apesar do adiamento do depoimento de Lula ter impactado negativamente nos preparativos que estavam sendo providenciados, o PT mobilizou todos os dirigentes para pressionar sindicatos e movimentos sociais controlados pelo partido para garantir uma presença maciça de manifestantes no dia do depoimento de Lula a Sérgio Moro.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget