\imprensa Viva
.

Justiça americana saiu na frente do STF ao revelar ao mundo que Lula é o chefe da organização criminosa chamada PT



O levantamento do sigilo das delações dos 78 executivos da Odebrecht deixou o mundo chocado. A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, de liberar para a imprensa os vídeos com os relatos chocante sobre os esquemas criminosos capitaneados por Lula e Dilma que beneficiaram políticos de praticamente todos os partidos foi uma forma de colocar um fim definitivo nas desculpas esfarrapadas sobre os vazamentos seletivos.

Mas os americanos saíram na frente e foi a primeira a divulgar os detalhes do acordo de leniência firmado entre a Justiça americana, a Odebrecht e a Brasken, empresa do mesmo grupo. Desde a divulgação do material, o ex-presidente Lula passou a ser visto mundialmente como um criminoso contumaz e chefe de organização criminosa que se tornou réu em nada menos que cinco ações criminais, acusado de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Mas a imagem de Lula e do PT piorou ainda mais no Brasil e no exterior após a divulgação dos relatos dos executivos da Odebrecht. Analistas internacionais afirmam que os relatos acompanhados das imagens são muito mais fortes e que Lula já teria sido preso preventivamente, caso tais fatos tivessem ocorrido em solo americano.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos já havia divulgado os detalhes sórdidos contidos no acordo de cooperação entre a justiça brasileira, a Odebrecht, Braskem e justiça americana, no qual o ex-presidente Lula foi exposto mundialmente como um criminoso que comandou o maior esquema de corrupção no Brasil ao longo de treze anos.

Ao contrário do Brasil, que manteve o sigilo das delações por quase um ano, Departamento de Justiça americano tem por excelência a cultura de primar pela transparência. Ao divulgar, com objetividade e rapidez as informações consolidadas contidas no acordo, a Corte simplesmente manteve a sua tradição. Na verdade, objetividade, transparência e rapidez são os três pilares da justiça nos Estados Unidos, algo que deveria ser motivo de vergonha para o Supremo Tribunal Federal, STF.

Os critérios da Justiça nos Estados Unidos são estabelecidos a partir da premissa de que o cidadão americano tem o direito de ter acesso imediato a informações que o afetem de alguma forma. A urgência em divulgar logo os detalhes sobre o acordo de leniência com o grupo empresarial se deu pelo fato de os papéis da Odebrecht e Braskem serem negociados na bolsa americana.

A transparência nos casos envolvendo corrupção que afetam o cidadão americano, que investiu seu dinheiro na Odebrecht, Braskem, empresas corrompidas pelo PT de Lula e Dilma, também é uma lição aos jornalistas de aluguel e críticos da Lava Jato, que exigem sigilo sobre as investigações que lesaram os brasileiros em trilhões de reais ao longo dos últimos anos.

A divulgação das informações envolvendo a corrupção do ex-presidente Lula, de sua sucessora Dilma Rousseff e boa parte dos gabinetes dos governos do PT revelaram ao mundo que o partido é de fato uma organização criminosa. Nos vídeos divulgados esta semana pelo STF, o empresário Emílio Odebrecht confirmou que sempre tratou Lula como "O chefe".

_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget