\imprensa Viva
.

Organização criminosa comandada por Lula vitimou a Petrobras em R$ 42 bilhões, diz Ministério Público



Os dados sobre os desvios comandados pelo ex-presidente Lula e o PT na Petrobrás são realmente impressionantes, segundo documento divulgado pelo Ministério Público Federal. O petista, que já foi apontado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, como o chefe da organização criminosa que vitimou a estatal ao longo de mais de uma década, é alvo de uma série de investigações, ações penais e inquéritos em andamento.  De acordo com o MPF, os crimes perpetrados por Lula e seus comparas tiveram desdobramentos internacionais.

número de cooperações internacionais celebradas dentro da Operação Lava Jato demonstra um panorama que deve se tornar mais comum nos próximos anos e no desenvolvimento de futuros trabalhos de investigação. A troca de informações entre autoridades de diversos países com o objetivo de combater crimes transnacionais e desvendar uma série de ilícitos cometidos além do próprio país é uma realidade que só tende a crescer. E ao completar três anos, a apuração do maior escândalo de corrupção do país reforça que este é um caminho sem volta e de fundamental importância para o avanço dos trabalhos realizados tanto no Brasil quanto em outros diversos países.

Até o momento, conforme a Secretaria de Cooperação Internacional (SCI) do Ministério Público Federal, foram realizados 183 pedidos de cooperação internacional dentro da Operação Lava Jato, com 43 países. Ao mesmo tempo, 14 destes países forneceram informações por meio de pedidos ativos e também solicitaram informações por meio de pedidos passivos de cooperação.

Os dados da Lava Jato são todos monumentais e impressionantes. Os crimes já denunciados na primeira instância envolvem o pagamento de propina de cerca de R$ 6,4 bilhões. Além disso, laudos elaborados por peritos da Polícia Federal (PF) indicam que o prejuízo à Petrobras pode chegar a R$ 42 bilhões, levando em conta o lucro que as empreiteiras que formavam o cartel de obras obtiveram a partir do pagamento de propina a agentes públicos e políticos para garantir os contratos com a estatal.

O bloqueio de bens dos réus já totaliza a cifra de R$ 3,2 bilhões. A Força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR) também pede o ressarcimento de R$ 38,1 bilhões pelos crimes cometidos, incluindo nesse montante a aplicação de multas milionárias às empresas envolvidas.

Já foram oferecidas na primeira instância 58 acusações criminais contra 260 pessoas (sem repetição de nome), sendo que em 26 já houve sentença pelos crimes de corrupção, crimes contra o sistema financeiro internacional, tráfico transnacional de drogas, formação de organização criminosa, lavagem de ativos, entre outros. Ao todo foram 130 condenações, envolvendo 89 condenados, contabilizando, 1362 anos, 5 meses e 21 dias de pena.

Em três anos de operação foram deflagradas 38 fases pela FT, que somaram 746 buscas e apreensões, 202 conduções coercitivas, 91 prisões preventivas, 101 prisões temporárias e 6 prisões em flagrante.

Dentro da Operação Lava Jato também foram celebrados 155 acordos de colaboração premiada com pessoas físicas, 10 acordos de leniência com pessoas jurídicas e 1 Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O valor alvo de recuperação por meio dos acordos celebrados no âmbito da operação chega a R$ 10.397.611.323,99. Este valor representa multas aplicadas às pessoas físicas e jurídicas, além de renúncia de valores no Brasil e no exterior.

Para o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Força-tarefa Lava Jato do Ministério Público no Paraná (MPF-PR), o aniversário de três anos da operação é um momento de olhar para o passado e para o futuro.

``No passado, ficaram desafios superados por instituições que vêm se fortalecendo e romperam a impunidade dos círculos do poder político e econômico. No presente, temos em mãos o diagnóstico de uma corrupção que tem raízes em nossa história e cujos tentáculos abraçaram muitos órgãos públicos. No futuro, vemos algumas pedras no caminho, que a sociedade poderá nos ajudar a ultrapassar se queremos rumar para um país menos corrupto. O primeiro obstáculo é uma reação legislativa latente de políticos de peso para barrar as investigações. A segunda dificuldade é a armadilha de acreditar que a Lava Jato resolverá todos os problemas. Após três anos, é necessário que a população insista em iniciativas de renovação política e em reformas do sistema político e de justiça até que elas aconteçam”, destacou o procurador.

Todos estes crimes tiveram início logo nos primeiros meses de governo do ex-presidente Lula em seu primeiro mandato em 2003, quando o PT providenciou um mega aparelhamento na estatal e acionou parceiros no mundo do crime empresarial para viabilizar um projeto de poder duradouro, tendo Lula papel central em todo o esquema criminoso.

Entre os alvos da Lista de pedidos de inquéritos enviada pelo PGR ao STF, constam os nomes dos mebros da organização criminosa chamada PT, encabeçada por Lula, Dilma, Palocci, Mantega, Dirceu, Vaccari, Lindbergh Farias, Gelisi Hoffmann, Edinho Silva e outras estrelas de primeira grandeza do partido. Além dos petistas, estão seus principais parceiros no mundo do crime, como Marcelo Odebrecht, Léo Pinheiro, Eike Batista e outros empreiteiros que também distribuíam propina a membros de outros partidos a mando de Lula, para conseguir formar no Congresso uma base de apoio criminosa aos governos petistas.

Veja mais no site do MPF clicando AQUI
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget