\imprensa Viva
.

Morre sem saber porque. No lugar de peito de ave, empresas usavam apenas carcaça de frango na salsicha das crianças



Nem a tradicional salsicha escapou das manobras irregulares envolvendo a adulteração de produtos comercializados pelas empresas investigadas na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. As marcas que dominam o mercado de salsicha no Brasil são justamente a Seara, do grupo JBS-Friboi e Sadia e Perdigão, do grupo BRF.

Segundo informações preliminares da Polícia Federal, as empresas adulteravam as salsichas através da mistura de carnes "menos nobres" e em proporções acima do tolerável pela vigilância Sanitária. No lugar de peito de ave, as empresas usavam apenas a carcaça para preparar as salsichas, que eram comercializadas normalmente no mercado interno.

"A carcaça de frango é aquilo que sobra após a desossa do frango, aquela que fica presa à cartilagem. Também é chamada de carne mecanicamente separada ou CMS. Seu uso em embutidos é permitido mas há limites — de até 60% — que variam conforme tipo de produto. Segundo o funcionário que denunciou as fraudes, alguns frigoríferos usavam carcaça de frango acima do teto. A gerente técnica de alimentos da Vigilância Sanitária do Rio, Aline Borges, explica que, mesmo com consumo acima do limite, não há problema para a saúde humana. Mas o consumidor estará comprando um produto com valor econômico menor. Ou seja, na melhor das hipóteses, vai pagar mais do que ele vale".
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget