\imprensa Viva
.

Detalhista, Marcelo Odebrecht descreve provas de propina paga a Dilma e diz que doação legal também era propina



O ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, contou em detalhes em seu depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral como foram feitos os pagamentos milionários e ilegais para a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff.

O executivo apresentou à Justiça Eleitoral números, detalhes e até análises. Marcelo falou sobre a relação que estabeleceu com políticos e admitiu que o dinheiro contabilizado como legal pelo PT também pode ter origem ilegal.

Ele disse: “Essa questão de propina, quando o empresário acerta um determinado valor, que é a contrapartida específica, esse valor pode ser, depois, na forma de caixa um ou caixa dois. Então eu acho que a ilicitude do caixa dois, está, em minha opinião, está em ilicitude eleitoral. Se é ou não propina, eu não acho que é baseado no caixa dois ou no caixa um. Muitas vezes ele pode ter caixa dois com ilicitude eleitoral e pode ter caixa um que é propina”.

O executivo confirmou ter anexado centenas de provas sobre os repasses de propinas ao PT em seu acordo de delação homologado pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. Entre 2008 e 2014, forma mais de R$ 300 milhões, segundo o executivo.

A Odebrecht apresentou uma planilha ao TSE com um fluxo de caixa do dinheiro ilegal doado pela Odebrecht. Essa mostra o controle de saldo da conta corrente da empresa com Lula, e os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega. Em 22 de outubro de 2013,  Lula, tinha saldo a receber de R$ 15 milhões dos R$ 23 milhões originais de sua conta. Em 31 de março de 2014, o saldo era de R$ 10 milhões. Isto significa que Lula chegou a sacar R$ 15 milhões de seu saldo na conta de propina que mantinha na empreiteira. 
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget