linkaki

Proibida de falar em público e anulada por Lula, Marisa Letícia morre como uma grande anônima



A morte de Marisa Letícia encerra a trajetória de uma mulher que chegou ao posto de primeira dama do Brasil, mas que se anulou como pessoa para atender as imposições de seu marido, o ex-presidente Lula. Marisa era apenas uma peça decorativa ao lado do petista ávido por holofotes. Lula foi candidato à presidência por cinco vezes e Marisa esteve ao se lado em todas as campanhas. Mas mesmo nos palanques, o microfone era uma peça a qual jamais teve acesso.

Proibida de se manifestar publicamente pelo marido, Marisa nunca chegou a ter uma voz ativa durante os oito anos em que habitou o Palácio do Planalto. Marisa morreu "silenciada" pelo temor do marido de que pudesse falar alguma besteira que o prejudicasse em sua obstinada sede de poder, confirmam pessoas que conviviam com o casal.

Uma das raras vezes em que se ouviu sua voz, Marisa conversava ao telefone com o filho sobre os protestos contra um pronunciamento da ex-presidente Dilma Rousseff. A gravação da conversa, interceptada pela Polícia Federal com autorização da Justiça teve o sigilo levantado durante os desdobramentos da Operação Alethea, quando agentes da PF fizeram buscas em seus dois apartamentos de cobertura em São Bernardo do Campo e cumpriram um mandato de condução coercitiva contra seu marido.

Anulada por Lula, que temia que comentários "pouco oportunos ou inteligentes" contaminassem suas campanhas, Marisa era subserviente e assinava qualquer documento que o marido mandava.

Este comportamento acabou lhe rendendo dois inquéritos policiais em investigações sobre crimes relacionados a ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro. Marisa se tornou ré em duas ações penais na Lava Jato, por ter atuado como cúmplice do marido em esquemas para acobertar o uso de imóveis.

Marisa, que até mesmo como primeira dama foi subserviente ao marido e concordou em não exercer nenhuma função social ao longo dos oito anos de mandato de Lula, morre como uma anônima, sem que seu pensamento seja conhecido do grande público.


Informe seu Email para receber notícias :