\imprensa Viva
.

PF aponta relação de Dias Toffoli com investigados na Lava-Jato. MPF deve pedir afastamento do ministro do caso no STF


O Ministério Público Federal deve pedir o afastamento do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli do caso da Operação Custo Brasil, por seu suposto envolvimento com investigados no esquema.

Segundo a revista VEJA desta semana, o conteúdo sobre as suspeitas do envolvimento do ministro consta do relatório da Polícia Federal sobre a perícia nos telefones dos investigados na Operação Custo Brasil, um dos desdobramentos da Operação Lava Jato.

No celular do ex-ministro da Previdência Carlos Gabas, os investigadores encontraram mensagens que mostram as relações entre ele, o ministro do STF, Dias Toffoli e participantes do esquema de corrupção que desviou mais de 100 milhões de reais do Ministério do Planejamento. O chefe do esquema, segundo a Polícia Federal, era o ministro Paulo Bernardo, (PT-PR), marido da senadora Gleisi Hoffmann, também do PT.

Paulo Bernardo chegou a ser preso pela Polícia Federal no dia da deflagração da Operação Custo Brasil. O marido de Gleisi Hoffmann foi acusado de ficar com parte do dinheiro desviado dos aposentados, cerca de R$ 7 milhões e de ter repassado R$ 80 milhões aos cofres do PT, a mando do ex-tesoureiro do partido, João Vaccari Neto. O ex-advogado do PT, o ministro Dias Toffoli, mandou soltar seu amigo petista Paulo Bernardo, dias após sua prisão.

Com base nessas informações levantadas pela PF, procuradores de São Paulo sugeriram o afastamento de Toffoli do caso no STF. A questão foi remetida ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a quem cabe decidir se segue ou não o entendimento dos colegas paulistas. Não é a primeira vez que o ministro aparece enredado em histórias nas quais seu caminho se cruza com o de amigos investigados.

Em maio de 2015, a mesma revista revelou o teor de um relatório da Polícia Federal sobre mensagens encontradas nos telefones de Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, e um dos artífices do petrolão. Amigos, o ministro e o empreiteiro trocavam presentes — e favores. A "amizade íntima" entre Toffoli e Carlos Gabas, outro investigado na Custo Brasil, também já havia sido denunciada. O conteúdo das mensagens apreendidas pela PF mostra que, além de pedir seu afastamento, é preciso investigá-lo.
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget