\imprensa Viva
.

Ex-presidente do STF que esconde que virou banqueiro defende Lula, ataca Lava Jato e chama eleitor petista de burro



A situação do ex-presidente Lula perante a sociedade e as autoridades é bastante delicada no momento. Tão delicada que quando alguém emerge em defesa do petista, todos desconfiam. E não é para menos, levando em conta que Lula é réu em cinco ações penais e alvo de outros três inquéritos criminais que também devem se converter e mais três ações penais nos próximos meses. Isto significa que, em breve, Lula pode se tornar réu em nada menos que oito ações penais. Um feito digno dos maiores bandidos da história do país.

Mas e se a pessoa que aparece para defender Lula for um ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)? A situação não muda nada, já que a sociedade passou a ver com desconfiança até mesmo os membros daquela instituição, após as travessuras de Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e outros togados "exóticos".

A desconfiança aumenta ainda mais quando se descobre que este ex-presidente do STF ´se tornou dono de um banco e pediu para o jornalista não mencionar este "pequeno detalhe" na entrevista em que defendeu o ex-presidente Lula e atacou a Lava Jato.

A situação começa a ficar ainda mais desconfortável para o ilustre ex-presidente STF quando levado em conta que ele é sócio do do BTG Pactual, de André Esteves, que esteve envolvido, ao lado de Lula e de Delcídio do Amaral,  no escândalo da tentativa de obstrução da Lava Jato no episódio da compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Este é o histórico do ex-presidente do STF, Nelson Jobim, atualmente um dos donos do banco BTG Pactual de André Esteves. Na entrevista concedida ao Estadão, Jobim afirma "haver “espetacularização” em certas condutas de integrantes da Operação Lava Jato" e criticou abertamente a condução coercitiva do ex-presidente Lula em março de 2016 pela Polícia Federal.

Jobim finge ignorar que, apenas naquela ocasião, a PF conseguiu apurar o fio da meada de pelo menos três crimes graves envolvendo Lula: o tesouro escondido em um cofre do Banco do Brasil que o petista roubou do Palácio do Planalto, a cobertura de número 122 no edifício Green Hill, vizinha ao apartamento de Lula, comprada através de um laranja pela Odebrecht com dinheiro roubado da Petrobras e detalhes sobre um terreno de R$ 12 milhões que seria adquirido pela Odebrecht para a nova sede do Instituto Lula, novamente com dinheiro roubado da Petrobras.

Jobim contestou a ação da PF e perguntou ao jornalista: “Você acha isso legítimo?”. Diante de todos estes fatos, o Imprensa Viva pergunta ao ilustre ex-presidente do STF: “Você acha isso legítimo?”

No final, Jobim ainda esboça o perfil dos eleitores de Lula ao ser indagado sobre as chances de seus adversários numa eventual disputa presidencial de 2018:

Estadão - E o Joaquim Barbosa?

Nelson Jobim - Isso é para a classe média, que lê jornal. O grande eleitorado não se lembra de ministro.

O "grande eleitorado" na opinião do ministro é o eleitorado de Lula, que não lê jornal e não sabe de seus crimes.

Não é por acaso que Jobim tem atuado conselheiro do ex-presidente Lula para questões jurídicas e políticas. O banqueiro também é advogado e consultor das maiores empreiteiras do País, interlocutor frequente de alguns dos principais nomes do PT, PSDB e PMDB e amigo de ministros do STF. Desde o agravamento da atual crise, o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim tem desempenhado papéis tão amplos e múltiplos em frentes distintas, como a Operação Lava Jato, a CPI do BNDES

Leia a entrevista de Jobim na íntegra no Estadão (aqui)
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget