\imprensa Viva
.

Eike Batista é indiciado pela Polícia Federal por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa



A situação do ex-bilionário Eike Batista caminha para o mesmo destino de outros protegidos pelo PT ao longo dos últimos anos. O empresário acaba de ser indiciado pela Polícia Federal na Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Lava Jato. O indiciamento data de ontem (7), mas só foi divulgado nesta quarta-feira (8) e será enviado à Justiça Federal. Além de Eike Batista, também forma indiciados o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e mais dez pessoas.

O empresário Eike Batista e seu braço direito, o advogado Flávio Godinho, foram indiciados por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Na operação, ele foi investigado por repassar US$ 16,5 milhões ao ex-governador. O pagamento foi feito, segundo a PF, por meio de uma ação fraudulenta que simulava a venda de uma mina de ouro, com intermédio de um banco no Panamá.

Já Sérgio Cabral e seus ex-assessores Wilson Carlos, Carlos Emanuel Miranda e Luiz Carlos Bezerra foram indiciados por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O irmão de Sérgio Cabral, Maurício Cabral, foi indiciado por lavagem de dinheiro e organização criminosa, junto com o ex-assessor do governador, Sérgio Castro de Oliveira, o doleiro Álvaro Novis Neto, o advogado Thiago Aragão (sócio da esposa de Cabral, Adriana Ancelmo, indiciada na Operação Calicute) e o ex-subsecretário Francisco de Assis Neto. Com exceção de Maurício, todos estão presos no Complexo Penitenciário de Bangu, na zona norte do Rio de Janeiro.

Já a ex-esposa de Cabral, Susane Neves, com quem ele teve três filhos e recebia uma pensão de até R$ 20 mil mensais para pagar contas domésticas, está em liberdade e é acusada de lavagem de dinheiro.

Neste momento, Eike Batista e mais seis pessoas estão na sede da Polícia Federal, na Praça Mauá, para prestar novos depoimentos. Eles chegaram às 9h20, no mesmo carro. O advogado do executivo, Fernando Martins, disse, antes de entrar, que a recomendação é a mesma da vez passada: "só se manifestar em juízo", ou seja, no tribunal. No depoimento anterior, Eike ficou calado.

Também estão depondo o ex-secretario de obras do governo Cabral, Hudson Braga, o ex-subsecretário Francisco de Assis Neto, o doleiro Álvaro Novis e os ex-assessores Ary Ferreira e Carlos Miranda. Eike Batista parece estar seguindo a risca a trajetória de dezenas de "exemplos de empresários" da era PT. De bilionários a bandidos em menos de uma década.

Com informações da Agência Brasil
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget