\imprensa Viva
.

Ciro chama Moro de "midiático de gravatinha" e diz que se for presidente, vai "Quebrar (o Brasil) ou ser quebrado"



O ex-governador Ciro Gome voltou a criticar o juiz federal Sérgio Moro em entrevista concedida ao Estadão esta semana. Problemático, Ciro parece não conseguir conter os ciúmes do carinho que o povo brasileiro tem pelo responsável pelos processos da Operação Lava Jato.

Ao criticar a postura de Moro, o canalha tenta sutilmente afagar os simpatizantes do PT para angariar simpatia defendendo o corrupto Guido Mantega. Propositalmente ignorando o mérito de Sérgio Moro, Ciro disse na entrevita que "A Operação Lava Jato pode ser uma coisa importante na história do País, mas estão trocando os pés pelas mãos de forma muito repetida. Por exemplo, não tem pé nem cabeça, sob o ponto de vista jurídico, o Moro mandar prender o Guido Mantega na antessala da operação da mulher dele. Juiz bom não é o juiz midiático, de gravatinha, que aparece nas solenidades tais quantas o chamam. Juiz bom é severo, que se poupa. Inclusive se acautela de relacionamentos". tentou ensinar o ex-ministro.

Problemático, Ciro se coloca como um inconsequente salvador da pátria e afirma que se for candidato a presidente, promete que sua passagem será marcante: "eu vou para fazer história. E não tem conversa, não vou para me reeleger. Não vou para fazer graça com ninguém, eu vou para fazer o que tem de ser feito e ir para casa. Quebrar ou ser quebrado".

Em sua passagem relâmpago pelo Ministério da Fazenda durante o Governo Itamar Franco, quando assumiu o cargo por menos de 4 meses em 1994, Ciro Gomes quebrou milhares de empresas no Brasil quando baixou alíquotas de importação para centenas de produtos como tecidos, calçados e outros 443 itens. Ao comentar a insatisfação do empresariado com a quebradeira e o alto número de demissões provocadas pela medida intempestiva, Ciro disparou: "Estou pouco ligando para o apoio deles". Com um jeito truculento de quem vai tocar uma boiada revolta, Ciro afirmou na época que para derrubar a inflação eram necessárias umas boas "porradas" e chamou de "otários" os consumidores que pagavam ágio na compra de carros, cujas alíquotas ele mesmo tinha baixado a um nível incompatível com a demanda da época.

Um Fiat Tipo 2.0 completo, zero, ficou mais barato do que um Fiat Uno pelado de duas portas. Não adiantava nada ter o carro barato na tabela, se as lojas não tinham estoque. Como eram importados, levavam meses para chegar ao Brasil. Quem ganhou dinheiro com a medida estapafúrdia de Ciro Gomes foram foram os agiotas do setor. O consumidor, como sempre, pagou o pato e ainda foi chamado de "otário" pelo próprio Ciro.

Ciro gerou muitos empregos na China, Itália e no resto do mundo e acabou com a vida de pelo menos 1 milhão de chefes de família brasileiros em apenas 116 dias que ficou no comando da economia do país. Pelo visto, o ex-ministro relâmpago e lambão não aprendeu nada, 23 anos depois. Sobre sua obsessão por ser presidente do Brasil, ele afirmou que continua disposto a "Quebrar ou ser quebrado".

Veja a entrevista completa no Estadão
_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget