linkaki

Mais um líder petista pede a cabeça de Lula. Tarso Genro é outro conivente histórico com a roubalheira do PT


Em entrevista ao Estado e S.Paulo (aqui), o ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, defendeu que o PT faça uma autocrítica e reconheça seus "erros" históricos (corrupção e uso de caixa 2) como forma tentar minimizar os danos na imagem do partido perante a opinião pública.

Genro segue a tendência de uma correte que ganha força no partido, na qual vários dirigentes defendem  uma autocrítica radical para assumir a responsabilidade pelos erros cometidos por membros do PT em nome da legenda, como José Dirceu, João Vaccari Neto e até mesmo o ex-presidente Lula.

Agora que a casa caiu e o PT sofreu uma derrota vergonhosa nas urnas, Tarso Genro reconhece que o partido passa por um momento difícil e diz que é preciso separar quem errou para beneficiar o partido e apontar publicamente quem cometeu ilícitos em busca de benefício pessoal.

No caso do ex-presidente Lula, já ficou comprovado que ele se beneficiou dos esquemas de corrupção das empreiteiras na Petrobras e ganhou reformas em imóveis, transporte dos objetos que retirou do acervo da Presidência e até mesmo os cerca de R$ 30 milhões que recebeu das empreiteiras da Lava Jato por supostas palestras.

Para Tarso, se os atuais líderes se negarem a fazer essa autocrítica, o partido deve sofrer um racha com saída de várias lideranças importantes.

"Porque o partido vai ter que separar. Sobre as pessoas que cometeram ilegalidades em proveito do partido, o partido vai ter que dizer: essas pessoas cometeram caixa 2 para o PT, o PT é responsável por este erro. Agora, quanto às pessoas que cometeram ilegalidades em proveito próprio, o partido não é responsável. Estas têm que ser evidentemente apontadas.

Pode ocorrer [ruptura profunda no PT]. Isso não deve ser tratado com a forma de um ultimato. O que pode ocorrer é se a maioria partidária sonegar uma profunda discussão sobre os nossos problemas certamente haverá uma dispersão, pessoas vão sair. Algumas dessas pessoas poderão ir para um novo partido, outras deverão se desligar e ficar na sociedade civil."

O problema é que os dirigentes do PT que querem fazer a tal da autocrítica decidiram adotar esta postura justamente após ficar comprovado que o partido não vai sobreviver após tantas denúncias de corrupção. O teste de fogo foi eleição municipal. O PT foi banido de norte a sul, perdeu mais de 400 prefeituras, só elegeu um prefeito entre as 100 maiores cidades do país. Talvez seja um pouco tarde para admitir que roubaram tanto. 

Informe seu Email para receber notícias :