linkaki

Lula contra o PT e a Lava Jato. As batalhas internas e externas para sobreviver politicamente sem uma nova narrativa


Muita gente ainda se surpreende com a falta de capacidade de ex-presidente Lula e dos demais membros e aliados do PT em produzir uma narrativa convincente para explicar o revés da esquerda brasileira.

A ex-presidente Dilma Rousseff e sua antiga base aliada não conseguiram criar uma narrativa capaz de convencer o Congresso, Câmara e Senado, de que ela deveria permanecer no cargo. O PT não conseguiu apresentar uma narrativa capaz de evitar o desastre nas urnas nas últimas eleições municipais. O ex-presidente Lula, apesar de toda sua habilidade oratória, também não conseguiu desenvolver uma narrativa convincente sobre sua delicada situação perante a justiça e a sociedade.

Pode parecer surpreendente para muitos que um partido que esteve tanto tempo no poder e pessoas que estão na vida pública há mais de trinta anos não consigam desenvolver uma simples narrativa. Mesmo contando com a ajuda dos ditos 'intelectuais e dos melhores marqueteiros do mercado, Lula e o PT não conseguem apresentar uma versão mais palatável para o público sobre suas contradições históricas.

A resposta para este dilema é bem simples: o plano de poder concebido pelo PT para chegar e se manter no poder foi todo baseado em uma sofisticada engenharia de desvio de dinheiro dos cofres públicos. Simplificando: eles roubaram o povo.

Esta seria a única explicação plausível que poderiam oferecer a sociedade para justificar os problemas que enfrentam agora. Seria necessário admitir que prejudicaram milhões de brasileiros em nome de um ambicioso e desmedido projeto de ´poder.

O PT está rachado justamente em virtude deste dilema interno. Setores do partido defendem que aqueles que roubaram e que participaram ativamente dos esquemas de corrupção nos últimos anos assumam seus atos. Pessoas de peso na legenda, como a ex-presidente Dilma Rousseff, a senadora Gleisi Hoffmann e outros expoentes do PT já defenderam que a única forma do partido se redimir perante a opinião pública seria reconhecer seus "erros" históricos, como o uso de caixa 2 para financiar suas campanhas.

Para Aragão, ‘a corrupção que, na verdade, serve como uma graxa na engrenagem da máquina, essa, do ponto de vista econômico, é tolerável’. E ele arremata: ‘A Lava Jato gaba-se de ter devolvido ao País R$ 2 bilhões. E quantos bilhões a gente gastou para isso? Do ponto de vista econômico, a conta não fecha’”.

O ministro da Justiça do governo de Dilma, Eugênio Aragão, foi além durante entrevista à revista Carta Capital, na qual se propôs a explicar aos cidadãos por que a corrupção não apenas é ‘tolerável’. Segundo Aragão, ‘a corrupção que, na verdade, serve como uma graxa na engrenagem da máquina, essa, do ponto de vista econômico, é tolerável’. Para o ex-ministro da Justiça do PT, a corrupção é um mal necessário e afirma que ‘A Lava Jato gaba-se de ter devolvido ao País R$ 2 bilhões. E quantos bilhões a gente gastou para isso? Do ponto de vista econômico, a conta não fecha’”.

O problema é que a parte do PT que quer reconhecer seus "erros históricos" entra em conflito justamente com os interesses de seu maior e mais corrupto membro: o ex-presidente Lula, que já se tornou réu em vários inquéritos criminais e não conseguiu até o momento reverter sua delicada situação perante a justiça no campo jurídico. A incapacidade de sua banca de mais de 20 advogados de livrá-lo da encrenca em que se meteu tem tirando o sono de muitos petistas.

Lula agora trava uma batalha inglória contra correntes do PT ao insistir na narrativa de sua inocência, apesar de todas as evidências que pesam contra ele. O problema é que ele é um homem morto politicamente e muitos na legenda no querem que suas carreiras políticas afundem junto com ele quando for preso. Daqui para frente, Lula será cada vez mais abandonado.


Informe seu Email para receber notícias :