\imprensa Viva
.

Sobrinho de Fernando Pimentel é preso na 7a fase da Operação Acrônimo


O sobrinho do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, Felipe Torres, foi um dos alvos da 7a fase da Operação Acrônimo, deflagrada na manhã desta terça-feira, 13, pela Polícia Federal.

Pimentel também é citado na Operação Acrônimo, que investiga esquema de corrupção envolvendo a liberação de empréstimos do BNDES. O atual governador de Minas era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio no governo Dilma Rousseff, época em que teria atuado na liberação de recursos do banco público  em troca de pagamento de propina.

O sobrinho de Pimentel, Felipe Torres, foi alvo de um mandado de condução coercitiva nesta 7a fase da Operação. Segundo informou O ESTADÃO, Felipe é sócio de Pimentel numa rede do restaurante Madero, especializada em hambúrgueres gourmet, em um shopping na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo.  Ele foi alvo  de condução coercitiva e houve busca e apreensão em seus endereços.

Os agentes da PF estão cumprindo um total de quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de condução coercitiva no DF, PR e SP. O segundo foi contra o empresário Sebastião Dutra, da empresa Color Print. Ele teria omitido notas fiscais falsas para uma empresa que fez obras no restaurante e para a campanha de Pimentel.

A investigação conduzida pela Polícia Federal aponta que o investimento feito no restaurante em que Pimentel e seu sobrinho são sócios teve origem em uma propina no valor de R$ 20 milhões paga pela montadora Caoa em troca de isenção fiscal dada por Pimentel enquanto ministro. Quem trouxe os fatos à tona foi o empresário Benedito de Oliveira Neto, o Bené, operador de Pimentel, em depoimento de delação premiada no âmbito da Lava Jato




_____________
__________

Postar um comentário

Todas as notícias

Siga no Facebook

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget